Armazenagem eficiente garante produtividade e qualidade dos produtos

Inicio » Agronegócio » Armazenagem eficiente garante produtividade e qualidade dos produtos
14/02/2019 Por
Armazenagem eficiente garante produtividade e qualidade dos produtos

Técnicas de armazenagem colaboram para uma logística eficiente

O processo de armazenagem acontece de forma constante nos meios de produção. A compensação das fases de produção, o equilíbrio sazonal, a garantia da produtividade, os custos e a observação são, por exemplo, os pontos necessários para garantir uma boa armazenagem.

Além disso, a logística interna das empresas conta com bons resultados e organização intensiva ao optar por uma armazenagem eficiente e correta para cada tipo de produto, material ou alimento.

Armazenagem em sacas

O que é armazenagem?

A armazenagem contempla a proteção e conservação de matérias-primas, com organização logística e controle de estoques de acordo com as flutuações de mercado e de produção. O intuito da armazenagem é estabelecer relação com os custos e os lucros, otimizando o sistema de produção e a manutenção da qualidade final dos produtos.

A importância da armazenagem está em suprir as necessidades das empresas em relação aos produtos e materiais que possuem. Portanto, quando feita de maneira lógica na empresa, deve levar em consideração:

  • Adequação: do local e condições de armazenamento (temperatura, UR%, ventilação, etc.).
  • Preço: encontrar uma melhor oportunidade de lucro no mercado, regularização dos fluxos de oferta e demanda, com a manutenção de estoques e a racionalização do sistema de transportes, evitando-se efeitos especulativos.
  • Qualidade: preservação das características fisiológicas e germinativas em casos de sementes e integridade biológica, física, bioquímica e nutricional em casos de grãos.
  • Quantidade: buscar equilíbrio entre um consumo regular e uma produção concentrada no tempo, equacionando bem a capacidade de estoque e distribuição, minimizando perdas.

Tipos de armazenagem

A armazenagem está dividida em quatro tipos, sendo específicas para cada tipo de necessidade e produção. São eles:

  • Armazenagem a granel: compreende estruturas de armazenagem cuja carga se encontra de forma solta. É muito utilizada em grãos como soja, milho, trigo e sorgo. Um exemplo dessas estruturas são os silos e os armazéns graneleiros e granelizados.
  • Silos: são unidades de armazenamento compostas de compartimentos estanques e/ou herméticos, ou semi-herméticos. Eles permitem, por exemplo, o controle de qualidade e das características físicas, bioquímicas e biológicas dos produtos. Podem ser estruturados de diferentes materiais como: concreto, metal, alvenaria armada, madeira, polietileno, fibra de vidro, entre outros. Quando a altura faz-se maior que o diâmetro são tidos como elevados (Ex: silos elevados de concreto, silos metálicos, etc.), em outros casos, existem os silos horizontais e/ou armazéns graneleiros, sendo existentes também, silos do tipo montado, tipo bolsa e silos-pulmão.
  • Armazéns convencionais: São unidades armazenadoras onde se depositam matérias-primas, produtos semiacabados ou acabados. Na agricultura, constituem unidades de armazenamento onde os produtos são armazenados em sacarias, tomando cuidados de ambientação (ventilação, iluminação, temperatura e UR%) e segurança. Geralmente, não apresentam compartimentos e são construídos em alvenaria, estruturas metálicas ou mistas.

Armazenagem

A armazenagem no agronegócio

O agronegócio está envolvido em todo o processo de levantamento, organização, armazenamento, distribuição de suprimentos, produtos agrícolas e derivados. Portanto, o armazenamento no agronegócio foi pensado com os seguintes objetivos:

  • evitar as perdas em excesso
  • aumentar a capacidade de produção e a eficiência da cadeia produtiva
  • aumentar a competitividade do segmento no mercado

O armazenamento de produtos faz com que o agronegócio garanta sua produção em alta qualidade e quantidade. Dessa forma, evita o desperdício de suprimentos e garante a sustentabilidade do negócio. Perdas referentes à ausência de armazenamento podem colocar o mercado, a oferta e a procura em risco.

A produção tem crescido em taxas anuais acentuadas, contudo, o sistema de armazenagem não vem acompanhando essa proporção. Por não possuir espaço suficiente de armazenagem de produtos, o Brasil se limita de alternativas que podem gerar um desequilíbrio nas relações de oferta e demanda.

Entre elas a armazenagem a céu aberto ou o envio direto da lavoura para o destino final. Além disso, muitos armazéns do país precisam de reformas para suprir as necessidades de produção. Isso sem contar a armazenagem adequada e tramitações de mercado, que garantem lucratividade do setor e manutenção da qualidade dos produtos ofertados.

Armazenagem para transporte

Armazenagem de alimentos

A armazenagem de grãos tem como objetivo preservar a qualidade do produto e os seus nutrientes. Além disso, a redução dos desperdícios por falta de armazéns é uma prioridade nos países desenvolvidos e em desenvolvimento.

A armazenagem de grãos no Brasil sofre com a pouca disponibilidade de espaço, com problemas da colheita, armazenamento, secagem, movimentação e limpeza dos grãos.

A armazenagem de café, por exemplo, é feita em tulhas e em sacarias de jutas. Nas tulhas, os grãos ficam em período de repouso logo após a secagem, para a conservação e garantia dos nutrientes. Em sacarias, são direcionados para armazéns terceirizados. Onde passam por pesagem, coleta de amostras dos grãos, escolha de umidade e montagem de pilhas. Essas etapas também são feitas na armazenagem de sementes.

Na armazenagem de sementes, além dos cuidados de controle de umidade, padronização de lotes e ambientação, é preconizado ainda, o controle de qualidade fisiológica, vigor e capacidade germinativa.

Sendo assim, é de extrema relevância a manutenção e preservação destas características. Isso porque sementes com elevado nível de qualidade proporcionam a maximização da ação dos demais insumos.

Consequentemente, o potencial de estabelecimento da cultura no campo, englobando ainda itens que determinam o valor da semeadura. Nesse sentido são considerados, por exemplo, fatores como natureza genética, física, fisiológica e sanitária.

Em conclusão, o bom dimensionamento das ações de armazenagem pode ser primordial à sustentabilidade do agro, às estratégias de mercado, à qualidade dos produtos e capacidade do sistema de produção.

Tags: ,
Agro20 | Portal Vida No Campo