Mormo, a doença que foi extinta e voltou a prejudicar a saúde dos equinos

Inicio » Veterinária » Mormo, a doença que foi extinta e voltou a prejudicar a saúde dos equinos
02/02/2019 Por
Mormo, a doença que foi extinta e voltou a prejudicar a saúde dos equinos

Como o mormo deixou de ser doença extinta e voltou a prejudicar a saúde dos bichos

O mormo, ou lamparão, é uma das doenças que mais atinge os equídeos. A doença foi marcada como extinta no Brasil até que estudos sorológicos, realizados em alguns animais, identificaram a sua presença em alguns estados do Nordeste.

Assim, a falta de cuidado e de prevenção da doença tem feito com que muitos animais venham a óbito infectados com mormo. Portanto, consequentemente, ela impacta direta e indiretamente na economia do país.

Mormo volta a comprometer a saúde dos cavalos

O que é mormo?

O mormo, também conhecido como lamparão, é uma doença que atinge frequentemente os equídeos (como os cavalos, mulas e asnos), podendo ser contraída por alguns outros mamíferos (como o gato, cachorro, bode e, até mesmo, o ser humano). A doença é causada pela bactéria Burkholderia mallei – um bacilo gran-negativo.

Transmissão do mormo

A transmissão do mormo ocorre através do contato com fluídos corporais dos animais contaminados, como a secreção nasal, fezes, urina e pus. Dessa forma, a bactéria pode penetrar o organismo dos animais pela via respiratória, digestiva, cutânea (por meio de algum ferimento) e genital, podendo assim alcançar a circulação sanguínea e penetrar nos pulmões e fígados, por exemplo.

Sintomas do mormo

O mormo, ou lamparão, se apresenta de forma crônica e aguda. Então, quando ele se manifesta em cavalos e em outros animais, seus principais sintomas são:

  • Febre
  • Anorexia
  • Tremores
  • Fraqueza
  • Dor no peito
  • Perda de peso
  • Suor excessivo
  • Rigidez muscular
  • Sensibilidade a luz
  • Surgimento de crostas na mucosa nasal, podendo acarretar em úlceras
  • Formação de cistos nos linfonodos, podendo comprometer as vias respiratórias

Diagnóstico do mormo em cavalos

O diagnóstico do mormo é realizado através de testes em cobaias, isolamento bacteriano e exames laboratoriais. Dessa forma, as pesquisas desenvolvidas de anticorpos também são usadas como meios para o diagnóstico, uma vez que os sintomas são parecidos com os de outras doenças de cavalo.

No entanto, há no país diversos laboratórios e veterinários habilitados para a realização do exame. A coleta do material é feita na própria propriedade e encaminhada para mais de 10 laboratórios para que o resultado sejo altamente preciso.

Tratamento da doença mormo

Mormo, ou lamparão, tem impactado a saúde dos bichos

O tratamento do mormo, assim como outras doenças de cavalo, não é totalmente recomendado para os animais. Uma vez que a bactéria se aloja no organismo por toda a vida, faz com que o animal infectado transmita a doença para animais sadios. Porém, quando o tratamento é realizado, a medicação a base de sulfas (como sulfadiazina ou tetraciclinas, por exemplo) ,é utilizada por um período de 20 dias.

Prevenção do mormo

A prevenção e o controle do mormo destaca diferentes etapas, incluindo, por exemplo, o isolamento da área em que os animais doentes estão presentes e o sacrifício dos que estão infectados. O isolamento e a realização de testes nos suspeitos, a cremação dos corpos infectados, a desinfecção do ambiente e dos materiais que tiveram contato com os doentes também são atitudes necessárias que obedecem as regras de vigilância sanitária. Portanto, suspender e bloquear o trânsito de animais da propriedade também é importante.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo