Secagem é um processo presente em diversos segmentos

Inicio » Agronegócio » Secagem é um processo presente em diversos segmentos
07/12/2020 Por
Secagem é um processo presente em diversos segmentos

Secagem retira a umidade de um produto industrializado. Muito conhecida no meio industrial, a secagem há muitas décadas abrange diversos segmentos do mercado. O mais interessante é que, mesmo em tempos de evolução das tecnologias aplicadas aos processos empresariais, ela não perdeu o seu valor.

Isso não significa, porém, que se trata de um processo simples, muito pelo contrário. Por depender de uma transferência simultânea de massa e calor, a secagem se apresenta de maneira um tanto quanto complexa. Todavia, sua aplicação é justificada pelos benefícios mercadológicos que a mesma oferece na produção de produtos industrializados. Na sequência nos aprofundamos um pouco mais nesse assunto.

Secagem

O que é secagem?

Secagem é o processo pelo qual a retirada de umidade é realizado em um alimento industrializado. O objetivo deste procedimento é evitar o surgimento de microrganismos no mesmo, o que naturalmente causa impacto no seu tempo de conservação.

Processo de secagem

A realização deste processo pode ocorrer de diferentes maneiras, o que depende fundamentalmente do conteúdo que passará pelo processo, bem como a sua aplicação. Em outras palavras, a matéria-prima é fundamental para ditar o tipo de secagem a ser utilizada.

Tipos de secagem

De modo geral, os tipos de secagem se dividem em três: a desidratação, a liofilização e a secagem de tambor.

Dentro de cada uma dessas categorias, no entanto, pode haver variações quanto ao método utilizado. Para maior esclarecimento, nos aprofundamos um pouco nesse assunto logo na sequência.

Desidratação

O processo de desidratação, que também é conhecido como secagem no ar, é um dos mais utilizados para produtos de teor natural. O principal motivo é o custo/benefício deste procedimento, que via de regra, acaba compensando para a indústria.

Além disso, o que credencia esta modalidade como importante no cenário industrial é o fato de realçar características do alimento. A lista de destaques nesse sentido incluem um forte aroma e a manutenção das propriedades do alimento.

Secagem ao sol

Aqui temos a primeira subcategoria, por assim dizer, do processo de desidratação, ou seja, secagem ao sol. Neste caso, o processo prevê, como o próprio nome sugere, o uso do sol como parte ativa do procedimento. Não por acaso, costuma ser utilizado principalmente em regiões onde a radiação do sol é mais intensa e a umidade relativa do ar é reduzida.

Neste caso, a matéria-prima é exposta ao ar em campo aberto onde há grande incidência do sol. Tal exposição tende a acontecer por longos períodos para que seja possível a evaporação da água ao seu máximo. Diante disso, é importante, portanto, que a quantidade de chuva seja reduzida no período, uma vez que a mesma poderia trazer grande transtorno e até eventuais prejuízos ao processo de secagem.

Este processo natural tende a ser bastante rentável quando aplicado de maneira adequada. Dentre os produtos que costumam seguir esse caminho, estão as especiarias, ervas e eventuais frutas secas.

Secagem

Desidratação industrial

Na contramão do processo em que o produto passa pela secagem ao sol, temos aqui a desidratação industrial. Ela acontece através de secadores que podem ser tanto do tipo esteira quanto bandeja.

Em ambos os casos, o controle é bastante simples e facilitado. Um dos grandes benefícios desse tipo de processo é que a conservação das matérias-primas é extremamente prolongada.

Liofilização

Saindo do subtópico de desidratação, temos aqui então o processo de secagem conhecido como liofilização. Um detalhe interessante neste caso é que os olhares e paladares mais sensíveis podem facilmente notar quando um alimento passou por este processo.

O motivo? A aparência e textura dos ingredientes possuem traços característicos como, por exemplo, a porosidade, além do sabor.

Em relação ao método em si, trata-se de um procedimento onde a conservação das matérias-primas é realizada de maneira bastante suave. Além disso, nestes casos, não há adição de conservantes.  Como resultado, é possível observar a conservação das cores e estrutura celular dos ingredientes, bem como os aromas.

No quesito sabor, portanto, podemos dizer que os produtos que passam pelo processo de liofilização são os que mais se destacam.

Secagem de tambor

Agora chegamos ao processo mais utilizado para ingredientes de teor pastoso, como os purês, por exemplo. Apesar de receber este nome, o processo, na verdade, é realizado a partir de um cilindro giratório, cujo interior é aquecido. A grande vantagem deste método de secagem é que a vaporização ocorre rapidamente, levando apenas alguns minutos.

Secagem do café

Além dos tipos de secagem já mencionados, a secagem do café pode ter algumas peculiaridades. Isso significa, portanto, que outros meios podem ser utilizados, até porque, de acordo com especialistas, este é um dos produtos mais complexos, independente do procedimento adotado.

Alguns dos motivos que conferem essa particularidade ao café são:

  • É preciso prevenir eventuais fermentações não desejáveis;
  • Ele não deve ser exposto a altas temperaturas, o que dificulta a secagem em tempo reduzido;
  • É desejável que o produto fique com cor, dimensão e densidade uniforme.

Em contrapartida, quando o tipo de secagem escolhido se mostra adequado às demandas do café, podemos dizer que algumas vantagens são observadas, tais como:

  • Programação precisa da colheita;
  • Melhor planejamento da armazenagem;
  • Maior chance de adotar estratégias de prevenção do surgimento de microrganismos;
  • Prevenção de desperdícios.

No fim das contas, portanto, quando o assunto é secagem do café, planejamento é a palavra de ordem.

Secagem

Secagem de madeira

Por fim, falamos aqui a respeito da secagem de madeira, um processo essencial para muitos outros setores da indústria que dependem de matéria-prima de qualidade.

Falando do processo em si, é importante notar que a atenção nesse caso deve ser redobrada. Isso porque, a diferença entre uma boa e uma má secagem pode ser uma questão de vida ou morte, dependendo onde a madeira é aplicada.

Falando da questão mercadológica e industrial em si, a vaporização da umidade na madeira, quando bem realizada, é capaz de trazer vantagens ímpares, como:

  • Diminuição da massa e, por consequência, o peso e custo para transporte e manuseio do produto;
  • Aumento na resistência natural da madeira enquanto matéria-prima;
  • Melhoria nas propriedades do isolamento térmico e/ou elétrico da madeira.

Para concluir, é importante destacar que os principais meios de secagem de madeira atualmente são a natural (aquela no ar livre), a forçada ao ar – também já mencionada antes – e a secagem em estufa. Cada tipo de madeira e objetivo podem demandar um meio diferente de secagem.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo