Sucuri é um grupo semiaquático de cobras, comum na América do Sul

Inicio » Meio Ambiente » Sucuri é um grupo semiaquático de cobras, comum na América do Sul
28/10/2020 Por
Sucuri é um grupo semiaquático de cobras, comum na América do Sul

A sucuri é uma cobra muito comum no Mato Grosso. Destacada pelo seu tamanho avantajado, a sucuri é uma cobra muito conhecida em nosso país. Há quatro diferentes espécies conhecidas, sendo que três delas são encontradas em território nacional e possuem diversos nomes populares.

Por sua tamanha popularidade, a espécie originária da Amazônia já foi até tema de filme. Esse filme atingiu grande popularidade no mundo todo, levando mais ainda a imagem da lendária sucuri para os quatro cantos do mundo.

Sucuri

O que é sucuri?

Sucuri é uma serpente do grupo semiaquático que é enormemente conhecida por conta de seu tamanho. A sucuri verde, encontrada em regiões alagadas da Amazônia e também do Cerrado, é uma das maiores cobras do mundo.

Assim sendo, é a cobra que inspirou o filme “Anaconda”, lançado em 1997. Além dela, existem outras três espécies conhecidas, sendo um total de quatro. Três destas encontram-se em território nacional.

A cobra sucuri possui alguns diferentes tipos, nomes populares e demais características particulares. Podem ser conhecidas popularmente por anacondas, viborões, boiaçus, boiuçus, sucurijus, sucurujubas, entre outros nomes.

Essa serpente possui alguns feitos fantásticos, como a capacidade de engolir animais enormes. São conhecidos casos em que a sucuri é capaz de engolir um bezerro inteiro, dilatando completamente a sua boca e todo o seu corpo. Depois disso, entra em um longo repouso.

Tipos de sucuri

Os tipos de sucuri conhecidos podem ser:

  • Eunectes murinus, que é a sucuri verde e também conhecida por sucuri gigante;
  • Eunectes notaeus, que é a sucuri amarela;
  • A Eunectes deschauenseei, que é a sucuri malhada;
  • Eunectes beniensis, que é a sucuri da Bolívia.

Dentre as mais destacadas características da sucuri, podemos citar o seu tamanho, principalmente da sucuri verde, e o fato de ser semiaquática. A sucuri verde, em conjunto com a píton-reticulada, é conhecida como a maior cobra do mundo.

O tamanho da sucuri pode ultrapassar os seis metros, entretanto, a média de tamanho dos adultos gira em torno de três ou quatro metros. O seu nome científico Eunectes vem do grego e significa “boa nadadora”.

Assim, essa cobra pode viver tranquilamente por até 30 anos. A fêmea se torna sexualmente madura por volta dos seus seis anos e, dessa forma, seu corpo já é apto para a procriação com esta idade. A fêmea geralmente é maior que o macho.

Para compreender como a sucuri ataca, é preciso levar em conta o seu tamanho e o fato de possuir vértebras. Além disso, como não possuem veneno, usam a mordida para atordoar suas presas e, em seguida, enrolam-se ao animal para imobilizá-lo.

Dessa forma, o bote geralmente é dado à beira de rios, lagos e córregos, que é onde vive a sucuri. A cobra acaba por afogar ou constringir suas presas. Costumam caçar no entardecer ou à noite e ficam espreitando submersas na água, com mergulhos de até 30 minutos sem respirar.

Sucuri

Características de habitat e procriação da sucuri

Todas essas peculiares serpentes costumam viver em locais úmidos. Gostam de estar em ambientes próximos da água e com vegetação. São ótimas caçadoras aquáticas e não possuem grande velocidade e destreza em terra, sempre preferindo circundar lagos e rios.

O habitat da sucuri na América do Sul é geralmente encontrado no Brasil (Amazônia e Cerrado), ao norte da Argentina, na Bolívia, Equador, Venezuela e Colômbia. Gostam de encostas de rios e lagos e não são considerados animais agressivos.

A serpente é vivípara, ou seja, não põe ovos. O filhote de sucuri costuma ter uma gestação de oito meses e, de uma só vez, podem nascer mais de 50 filhotes, sendo o mais normal de 20 a 50 filhotes.

O acasalamento pode ocorrer com o que chamamos bolas de reprodução. A fêmea libera feromônios que atraem machos, desta forma originando uma bola reprodutora poliândrica. Nesses casos, diversos machos se enrolam em torno da fêmea para tentar a cópula.

Logo, sem combate durante o ato, o macho com maior força acaba conseguindo a penetração, sendo assim o fecundador da fêmea. Somente um macho de cada vez pode penetrar a fêmea.

O canibalismo sexual é também muito comum, já que a fêmea é maior e devora seus machos para nutrir-se antes da gestação. Isso foi confirmado somente na sucuri verde, muito embora o canibalismo fora do ato sexual ocorra com quase todas as espécies.

Isso garante a perpetuação da espécie, pois o macho mais forte será o fecundador. O macho com o maior corpo consequentemente acaba produzindo mais espermatozoides, garantindo assim que mais óvulos sejam fecundados, além de fornecer uma genética mais forte.

Há também a reprodução assexuada, sendo menos comum entre essas serpentes. A partenogênese facultativa foi constatada na sucuri verde, sendo que esta tem a capacidade de autofecundação.

Sucuri

Os humanos e as sucuris

A dieta das sucuris é basicamente composta por lagartos, jacarés, roedores, rãs, peixes e aves. Porém, a serpente acaba, em área urbana e rural, se alimentando de animais domésticos e isso é motivo para problemas entre homem e animal.

Os ataques da serpente contra humanos são muito raros, considerados até como fictícios. Porém, o contrário acontece com grande frequência. As sucuris costumam ser predadas por humanos pelo fato de que as pessoas a consideram um animal extremamente perigoso.

A maior causa das mortes destas serpentes é justamente o ser humano. Conforme mencionado acima, os humanos matam pelo medo e também pelo valor que a pele dessa cobra possui no mercado internacional da moda.

A picada de sucuri não tem veneno e os poucos ataques registrados contra humanos são justamente por sentirem-se ameaçadas. Elas costumam picar humanos para afugentá-los, sendo casos raríssimos de predação e consumo.

O imaginário do homem foi minado pelo filme Anaconda, que mostra ataques mirabolantes da sucuri contra humanos. Isso foi fator determinante para a má fama da serpente e as consequências negativas ainda são sentidas pelo animal.

Dessa forma, pode-se observar a importância da preservação dessa espécie para o equilíbrio do meio ambiente e também pelo baixo risco que ela oferece ao ser humano. A sucuri deve ser preservada e esse mito negativo da ficção precisa ser anulado.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo