Burro: suas características e utilidades no meio rural

Inicio » Pecuária » Burro: suas características e utilidades no meio rural
03/06/2019 Por
Burro: suas características e utilidades no meio rural

O burro que nada de “burro” tem

O burro é um dos animais mais antigos utilizados para auxiliar o trabalho no campo e ajudar os trabalhadores rurais. Estes animais possuem características que são muitas vezes despercebidas e desvalorizadas para quem não sabe a fundo suas vantagens e qualidades. No campo, eles são considerados animais de carga, no entanto isso foi alterado após o processo de modernização dos transportes.

Burro, muar, asno, jumento, jegue: todos estes nomes confundem os leigos e os fazem pensar que podem ser a mesma coisa. No entanto, o nome dado é proveniente de cruzamento resultante de espécies diferentes. São muitas as raças de burros espalhadas pelo mundo, cada uma com sua particularidade, singularidade e características satisfatórios para os trabalhos realizados por eles.

Burro: asininos e muares

O que é burro?

O burro, na verdade, é um muar. Em outras palavras, ele é um animal híbrido resultante do cruzamento de uma égua com ou jumento, ou então, de uma jumenta com um cavalo. Ele pertence à família Equidae, a mesma dos cavalos e dos jumentos. O nome ‘burro’ é dado ao macho resultante deste cruzamento. Já a fêmea é chamada de mula. Em alguns lugares do Brasil, este animal recebe outros nomes, como, por exemplo:

  • Mulo;
  • Mu;
  • Besta;
  • Macho;
  • Jerico.

Como ele é um animal resultante do cruzamento entre espécies distintas com quantidade de cromossomos diferentes – apresentam um número ímpar de cromossomos -, este animal tende a nascer estéril, são chances de procriar.

Características do burro

O burro se parece muito com os cavalos. Suas orelhas são mais compridas, permitindo que a percepção dos sons seja maior. Sua cabeça e as pernas têm as mesmas características da dos jumentos. Já o diafragma corpóreo é igual ao da égua. Suas narinas são finas e suas canelas são secas. Os cascos são parcialmente pequenos. Os pelos são curtos.

As crinas deste animal são curtas e voltadas para sim, mas há casos em que podem ser longas e caídas, assim como a dos equinos. Seu peso pode variar entre 250 quilos a 400 quilos e a altura entre 1,30 metros e 1,50 metros. O seu relincho pode alcançar mais de 3 a 4 quilômetros de distância.

É um animai dócil, resistente e com muita capacidade de equilíbrio, atravessando, rapidamente, trilhas sinuosas, pedregosas, estreitas, acidentadas e muito inclinadas. Além disso, seu paladar é mais brusco, ou seja, ele não é tão seletivo em relação à alimentação.

Alimentação

Este animal, para sobreviver, consome em média 25% das necessidades calóricas diárias de um cavalo, no entanto, ingere menos água. Sob trabalho árduo e pesado, o muar mantém estável sua temperatura interna para que o suor seja controlado. Tem capacidade para aguentar até 50% equivalente ao peso de seu próprio corpo, enquanto que os equinos (cavalos) não aguentam nem 30%.

Manejo

Em termos veterinários, estes animais não precisam de tanto cuidado destes profissionais. Isso porque não precisam de atenção significativa, somente cuidados normais na propriedade em que vivem. Como, por exemplo, o controle de carrapatos e de vermes, a higienização de estábulos e baias de alimentação, entre outros.

Comportamento

Por terem cascos duros, essa dureza é comparada ao marfim. Em trabalhos realizados em terrenos planos eles não precisam ser ferrados. Ao passarem por trilhas montanhosas, começam a se comportar como cabras, subindo passo a passo sem que seus dotes físicos sejam esgotadas e progredindo de forma contínua por horas sem descanso.

Longevidade

A longevidade destes animais é alta. Ela permite que eles trabalhem por mais de 35 anos, sendo que em alguns casos eles conseguem trabalhar por até 47 anos. São parcialmente imunes a doenças como aguamentos. Têm reações mais inteligentes quando comparadas aos do seus primos, os equinos (cavalos). Isso pode ser notado no espírito forte de sobrevivência destes animais. Por exemplo, quando estão submetidos à atividades que os cansam, ou seja, quando estão nos limites de resistência, eles param ou deitam no chão para descansar e recuperar suas forças, diferente dos cavalos que andam até morrerem.

Raças de burro

Espécie do burro

Ele é considerado um animal nobre, fiel ao homem, companheiro, amigo e muito hábil. Uma de suas características principais é o elevado grau de inteligência, que são ótimas e eficientes ao conduzir seus cavaleiros em trilhas pedregosas, montanhosas e íngremes.

Dificilmente ele é colocado em perigo, pois sua percepção aguçada percebe o risco ainda antes. Além disso, apresenta pouca reação a barulhos e a sustos. É considerado um animal prudente, não apresenta reações bravas – característica esta que está relacionada com a obediência e a disciplina. Isso o torna um ótimo companheiro de trilha e cavalgadas, onde exige-se resistência para um percurso com mais de 40 km por dia.

Atualmente, um burro chega até a ser um animal de estimação, ou até mesmo um hobby. Eles deixaram de ser animais bravos que servem apenas para peões e trabalho.

Entretanto, é importante notar alguns pontos importantes ao adquirir um muar. Por exemplo:

  • O jumento é o animal dominante na produção de muares;
  • A égua e o jumento precisam ser marchadores;
  • Se feito um bom e eficiente cruzamento, éguas que não são marchadoras conseguem produzir muares que são marchadores.

Burro de carga

No trabalho do campo, principalmente, este animal é comumente utilizado para locomover cargas, suprimentos, equipamentos, alimentos e outros materiais de um lado para o outro.

O burro de carga por muito tempo auxiliou os trabalhadores rurais na locomoção de materiais pesados que eram difíceis de serem transportados apenas com as forças da mão. Esta animal veio a ser o grande auxílio para o homem do campo, tornando-se companheiros na jornada.

Além disso, era também utilizado em outros trabalhos como, por exemplo:

  • Bombear água;
  • Girar rodas de moinhos;
  • Realizar a aração em campos de cultivo;
  • Usados para guardar e dar direção a outros animais, como as ovelhas;
  • Proteger outros animais contra predadores, já que seus coices são altamente fortes.

Os burros por muito tempo foram tratados como animais de grande estima. No entanto, com os processo de modernização do transporte e de urbanização, estes animais foram perdendo seus postos, passando a ser considerados como sinal de atraso, já que se locomovem mais lentamente quando comparados à equipamentos modernos de transportes. Com o passar do tempo o trabalho rural foi precisando cada vez mais de agilidade para dar conta das atividades no campo.

Utilização nos tempos modernos

Como dito anteriormente, a concepção de uso da raça foi alterada. No entanto, atualmente as utilidades deste animal estão associadas ao uso em cavalgadas, competições, provas funcionais em concurso e em feiras.

Outros fatores que contribuíram para a divulgação e a valorização da raça foram os leilões, os cursos de doma racional e o preparo para as exposições. Hoje em dia, o que mais procuram nos muares é a agilidade, comodidade, delicadeza e maior docilidade.

Raças de jumento

As principais raças de jumento mais conhecidas atualmente são:

  • American mammoth jackstok;
  • Baudet du Poitou;
  • Asno de Amiata;
  • Burro albino;
  • Burro Andaluz;
  • Abyssinian donkey;
  • Asno catalão;
  • Grand noir du berry;
  • Grigio siciliano;
  • Irish donkey;
  • Jumento cotenti;
  • Majorero;
  • Martina franca;
  • Provence donkey;
  • Pyrenean donkey;
  • Sardinian donkey;
  • Zamorano leones.

American mammoth jackstok

Também conhecida como jumento mamute americano, esta raça de jumento é natural dos Estados Unidos. Ela surgiu através do cruzamento entre várias raças de grande porte europeias. Atualmente ela é a maior raça de jumento do mundo.

Os machos podem medir cerca de 142 centímetros no garrote, já as fêmeas medem aproximadamente 137 centímetros.

Esta raça teve a criação iniciado entre os séculos XVIII e XIX, e assim foi sendo desenvolvida para trabalho.

Baudet du Poitou

É uma raça de burro natural da região de Poitou, na França. Ou seja, é uma raça europeia. Foi selecionada por tamanho para que seja usada na produção de grandes mulas de trabalho, juntamente com a raça de cavalos Poitevin. É considerada uma das maiores raças de burro.

burro Poitou é conhecido por ter um distintivo casado (cadanette) que predomina em cordas longas e bagunçadas. No entanto, atualmente estes burros são desprovidos por razões ligadas à higienização.

Esta raça foi um símbolo de poder aquisitivo durante a Idade Média. No começo do século XVIII suas características físicas foram estabelecidas. Além disso, as linhagens de sangue de Poitou foram utilizadas para desenvolver outras raças, como a American mammoth jackstok.

Burro de carga

Asno de Amiata

Esta é uma raça de burro da Toscana, na famosa Itália central. Ela está associada com Monte Amiata localizado nas províncias de Siena e Grosseto. É considerada uma das oito raças de burro autóctones de distribuição limitada (isso foi reconhecido pelo Ministério das Políticas Agrícolas Alimentarias e Florestais – o ministério italiana da silvicultura e da agricultura).

Grand noir du Berry

É uma raça de burro doméstico da região de Berry, localizada no centro da França. Foi muito utilizado em trabalhos agrícolas, vinhedos, barcaças de transporte nos canais da área.

A raça foi reconhecida pelo Ministério da Agricultura da França em 1994.

Diferença entre equinos, asininos e muares

Os equinos são os cavalos (machos) e as éguas (fêmeas). Os asininos são conhecidos como jumentas e jumentos. Já os muares, como dito anteriormente, dizem respeito às mulas (fêmeas) e aos burros (machos), assim como os bardotos fêmeas e machos.

Enquanto o burro e a mula são resultantes do cruzamento de um jumento com uma égua (Equus asinus + Equus caballus), os bardotos fêmeas e machos são resultante do cruzamento de uma jumenta com um cavalo.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo