Cipó: os maiores benefícios e funcionalidades da planta

Inicio » Agricultura » Cipó: os maiores benefícios e funcionalidades da planta
20/02/2019 Por
Cipó: os maiores benefícios e funcionalidades da planta

Como e para quê é feita a utilização do cipó

Encontrado em muitas selvas e florestas tropicais do planeta, o cipó é retratado em alguns desenhos animados e em obras da literatura brasileira.

O cipó permite que espécies vegetais e animais se amarrem ou liguem-se a ele, além disso permite agitação e movimentos da fauna e da flora presentes. Esta espécie de planta também possibilita que animais, como bicho-preguiça e macaco, desloquem-se de um ponto da mata até o outro.

Cipó: galhos flexíveis

O que é cipó?

O significado de cipó remete ao nome dado a plantas trepadeiras que possuem galhos flexíveis e delicados. Estes galhos nascem e crescem em torno das árvores. Assim, eles entornam as partes superiores da árvore em busca de luz solar para se desenvolverem.

Tipos de cipó

Na fauna, é vários tipos diferentes de cipó. Bignoniaceae é a família que possui um alto número de espécies, encontradas principalmente nas regiões mais tropicais. Os tipos mais comuns são:

  • Cipó de São João
  • Cruz
  • Mil Homens
  • Prata
  • Azougue
  • Suma
  • Corimbo
  • Uva
  • Chumbo
  • de Cobra
  • de Coração

No entanto, são inúmeras as possibilidade de uso do cipó. Em certos países, a planta é usada na construção de casas, fabricação de utensílios domésticos, móveis e objetos de decoração. Além do mais, alguns tipos de cipó fazem parte da culinária em algumas regiões, sendo usado como tempero devido ao sabor semelhante ao do cravo e, alguns, ao do alho, além de terem um aroma agradável.

Por outro lado, cipós também são usados como plantas medicinais. Muitas das espécies são utilizadas juntas à outras especiarias para combater algumas doenças ou prevenir sintomas. As principais contribuições do cipó com fins medicinais são:

  • Diarreia;
  • Hepatite;
  • Malária;
  • Câncer;
  • Vitiligo;
  • Calazar (doença infecciosa);
  • Bronquite;
  • Tosse;
  • Asma;
  • Úlcera;
  • Gripe;
  • Resfriado.

Assim, muitas vezes a planta é consumida em forma de chá ou xarope. Além disso, há espécies específicas que auxiliam no aparelho respiratório, possuem ação antimicrobiana, anti-inflamatória, afrodisíaca, fortificante, cicatrizante e muitas outras.

O uso desta planta também possui alguns malefícios e contraindicações. Os principais são:

  • Efeito abortivo;
  • Tóxica;
  • Intensifica o fluxo de sangue durante a menstruação;
  • Abre o apetite (não indicada para pessoas obesas);
  • Não indicada para hipertensos.

No entanto, é importante procurar auxílio médico antes mesmo do consumo de algum produto a base das plantas. Há plantas que possuem alto nível de toxidade, o cipó São José e o Prata, por exemplo, são conhecidos como plantas tóxicas para os animais. Portanto, em alguns casos, sua ingestão pode levar os bichos a óbito.

Curiosidades sobre o cipó

Cipó de fogo

Há muitas curiosidades envolvendo o cipó e suas funcionalidades. Além de ser usado em construções e com fins medicinais, a planta também é utilizada pelos seres humanos em brincadeiras. Um exemplo disso está na ficção, com o filme Tarzan e o desenho animado Ben 10.

O cipó do Tarzan, por exemplo, é usado por ele para que possa movimentar-se pela floresta. Assim, quando o personagem está nas selvas, ele pendura-se no cipó e o solta somente quando estiver atado a outro. No filme, Tarzan somente apoia-se em outro quando sente-se seguro, evitando, assim, que caía no meio da floresta durante o deslocamento.

Já no desenho animado Ben 10, Cipó Selvagem é um dos alienígenas em que o personagem (Ben) se transforma. Consiste em um alienígena vegetal com folhas carnívoras e pernas de parreira, além de longos braços e dedos.

Na literatura, uma das espécies de cipó é retratada na obra do escritor brasileiro Lima Barreto, o “Triste fim de Policarpo Quaresma”. O cipó Chumbo é citado sendo usado por uma das personagens como planta medicinal, que além de curar algumas doenças, era utilizado por rezadeiras e parteiras do século XIX, no Brasil.

Agro20 | Portal Vida No Campo