Coronavírus é uma família viral conhecida desde a década de 1960

Inicio » Veterinária » Coronavírus é uma família viral conhecida desde a década de 1960
30/03/2020 Por
Coronavírus é uma família viral conhecida desde a década de 1960

Coronavírus também pode afetar bovinos

Não há como fugir: o novo coronavírus é um assunto em alta que está entre nós. É importante se informar sobre o vírus, bem como se proteger do modo adequado. Além disso, é importante entender que o chamado “novo coronavírus”, o Covid-19, afeta somente humanos.

Contudo, é preciso destacar que outros grupos do coronavírus também podem afetar bovinos e outros animais. Esse é um dos assuntos que abordaremos abaixo, bem como higienização, métodos de prevenção, diagnóstico e tratamento. Confira tudo a seguir!

Coronavírus

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que variam do resfriado comum ao vírus em si, às vezes chamado de Síndrome Respiratória do Oriente Médio e Síndrome Respiratória Aguda Grave.

De onde vêm os coronavírus?

Os vírus corona estão circulando em animais e alguns desses coronavírus têm a capacidade de transmissão entre animais e humanos. Em geral, isso é chamado de evento de repercussão.

Como posso me proteger de um coronavírus?

Os coronavírus geralmente causam sintomas respiratórios. Portanto, é recomendada a higiene básica das mãos como, por exemplo, lavar as mãos com água e sabão e álcool em gel. Além disso, é necessária a higiene respiratória como, quando espirrar e tossir, cobrir com o braço.

Maneiras de se proteger contra uma possível fonte animal seria evitar contato desprotegido e desnecessário com animais. Além disso, lavar as mãos cuidadosamente após entrar em contato com os animais. Também é importante garantir que a carne esteja bem cozida antes de consumir.

Existe tratamento para coronavirose?

Não existem tratamentos específicos para a coronavirose, mas os sintomas podem ser tratados.

Coronavírus

Coronavírus em bovinos

O coronavírus bovino é um coronavírus em bovinos que é membro da espécie Betacoronavírus. Em suma, o vírus infectante é um vírus que entra na célula hospedeira pela ligação ao receptor. A infecção causa enterite e contribui para o complexo de pneumonia enzoótica em bezerros.

Além disso, também pode causar disenteria em bovinos adultos. Pode infectar ruminantes domésticos e selvagens e tem uma distribuição mundial. A transmissão é horizontal, ou seja, por vias orofecais ou respiratórias. Possui, como outros vírus corona do gênero Betacoronavirus, subgênero Embecovirus. Isto é, uma proteína de superfície adicional mais curta, semelhante à espiga, chamada hemaglutinina esterase.

Coronavírus em bezerros

A infecção normalmente ocorre em bezerros com idades entre uma semana e três meses. Os sinais gastrointestinais do coronavírus em bezerros incluem diarreia profusa, desidratação, depressão, peso reduzido e anorexia. A infecção respiratória produz um corrimento nasal seroso a purulento. Os sinais clínicos podem piorar com infecção secundária por bactérias.

A doença em bovinos adultos é normalmente subclínica, com exceção da disenteria, que afeta o gado alojado nos meses de inverno. Os sinais clínicos incluem diarreia profusa e uma queda significativa na produção de leite.

Diagnóstico de coronavírus em animais

Um diagnóstico presuntivo pode ser feito com base no histórico e nos sinais clínicos. De fato, o diagnóstico definitivo de uma infecção entérica por coronavírus é alcançado através da microscopia eletrônica em uma amostra fecal ou de tecido.

Nas doenças respiratórias, o diagnóstico é confirmado através da realização de um teste direto de anticorpos em lavagens nasais – ou seja, que identifica o antígeno viral.

Coronavírus em humanos

Os sintomas do COVID-19 variam de leve a grave. Demora cerca de dois a quatorze dias após a exposição para os sintomas se desenvolverem. Em suma, os sintomas podem incluir:

  • Febre (ou seja, para ser considerado febre, a temperatura precisa estar acima de 34,5 C°);
  • Tosse;
  • Falta de ar / insuficiência respiratória.

De fato, aqueles com o sistema imunológico enfraquecido podem desenvolver sintomas mais graves como, por exemplo, pneumonia ou bronquite.

Até o momento, a maioria dos casos confirmados ocorre em adultos e sobretudo em idosos, mas algumas crianças e jovens já foram infectados. Não há evidências de que as crianças correm maior risco de contrair o vírus, no entanto.

Coronavírus

Coronavírus em aves

O número de espécies aviárias nas quais os coronavírus foram detectados dobrou nos últimos. Os vírus corona dessas espécies estão no grupo 3 de coronavírus em aves, sendo os coronavírus mais conhecidos os das aves domésticas (vírus da bronquite infecciosa em galinhas, peru e faisão).

No entanto, há uma evidência experimental que sugere que as aves não se limitam à infecção pelo vírus corona do grupo 3. Na China e no Brasil, por exemplo, os vírus corona foram isolados de pavão, galinha d’angola e perdiz. Além disso, também há indícios de corona em uma ave não galinácea, o pato real, que estavam sendo criadas juntos a aves domésticas.

Esses vírus estavam intimamente relacionados na organização do genoma e nas sequências genéticas da Bronquite Infecciosa Aviária. Assim, foi demonstrado que a gama hospedeira da Bronquite Infecciosa Aviária se estende além do frango.

Mais recentemente, os vírus corona do grupo 3 foram detectados no ganso bravo (Anser anser), no Pato real (Anas platyrhynchos) e também no Pombo (Columbia livia). Fica evidente, no entanto, a partir do sequenciamento parcial do genoma desses vírus, que eles não são Bronquite Infecciosa Aviária, pois possuem dois pequenos genes adicionais próximos à extremidade 3 do genoma.

Cerca de duas décadas atrás, um vírus corona foi isolado após a inoculação de camundongos com tecido do bobo pequeno (Puffinus puffinus). Embora não seja certo se o vírus era realmente do bobo pequeno ou dos ratos, experimentos recentes mostraram que o coronavírus bovino (um coronavírus do grupo 2) pode infectar e também causar doenças entéricas nos perus.

Experiências com alguns vírus corona do grupo 1 (todos de mamíferos, até o momento) mostraram que eles não estão limitados a replicar ou causar doenças em um único hospedeiro. Afinal de contas, o coronavírus possui uma ampla variedade de hospedeiros. Claramente, existe o potencial para o surgimento de novas doenças por coronavírus em aves domésticas, tanto de fontes aviárias quanto de mamíferos.

Coronavírus em animais

O coronavírus em animais deve ser tratados sintomaticamente. Ou seja, a doença pode ser controlada vacinando a barragem com uma vacina enquanto a fêmea estiver grávida, por exemplo, pois isso fornece anticorpos contra o vírus no colostro.

Fatores de gerenciamento adicionais, como garantir a ingestão adequada de colostro em bezerros recém-nascidos, bem como usar métodos de higiene adequados e ventilação no alojamento, reduzem a incidência de coronavírus e outras doenças.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo