Estipe e as diferentes características desse tipo de caule

Inicio » Meio Ambiente » Estipe e as diferentes características desse tipo de caule
02/04/2019 Por
Estipe e as diferentes características desse tipo de caule

Também conhecido como espique ou estipa, o estipe é característico de plantas como as palmeiras

Típico das monocotiledôneas, os caules do tipo estipe são muito comuns e podem ser facilmente identificados. A palmeira é um exemplo clássico de estipe, mas esse tronco está presente em outras plantas, como, por exemplo, o mamão e o coqueiro.

Os caules são órgãos vegetais responsáveis por sustentar as plantas, as folhas e os frutos. Mas, muito além disso, são importantíssimos para a sobrevivência delas, uma vez que conduzem da raiz até as folhas os nutrientes e as substâncias necessárias para a sobrevivência da árvore. Como dito anteriormente, o estipe (ou espique, nome pelo qual também é chamado) é característico das monocotiledôneas e nem sequer existe nas dicotiledôneas.

estipe

O que é estipe?

O significado de estipe é simples e também muito fácil de entender: ele nada mais é do que um caule sem ramificações. Ele corresponde à haste que sustenta as folhas e os frutos. Não possui divisão e é perpendicular ao solo, sendo contínuo até seu topo. Na parte superior da planta, encontra-se uma coroa de folhas, caracterizando, assim, sua presença em árvores aéreas. Além disso, essas folhas presentes em árvores com esse tipo de caule geralmente possuem apenas uma ponta.

Seu formato é sempre cilíndrico e sua espessura é sempre maior que a dos colmos (tipo de caule que possui nós e entrenós, presente em árvores gramíneas, como a cana-de-açúcar e o bambu, por exemplo).

Diferentes tipos de caules

Assim como o estipe, existem muitos outros tipos de caule. Eles podem ser classificados de acordo com características específicas, podendo ser aéreos, subterrâneos ou aquáticos. Confira abaixo alguns dos diferentes tipos de caules classificados de acordo com seus respectivos habitats:

tipo de caule estipe

  • Tronco: são os mais comuns. Geralmente lenhosos, cilíndricos e com ramificações. São os arbustos e as árvores.
  • Haste: são caules pouco lignificados, ou seja, com baixa resistência. Um bom exemplo são as ervas e os subarbustos, como a planta botão-de-ouro;
  • Rastejantes: são aqueles que se apoiam e ficam paralelos ao solo, podendo ser com ou sem raízes. A abóbora é um exemplo desse tipo de caule;
  • Trepadores: são aqueles caules que fixam-se ou se enroscam num suporte. No caso de fixação por raízes adventícias, podemos citar a hera. Nos casos de fixação por gavinhas, podemos exemplificar com o chuchu ou a uva, por exemplo;
  • Voluvéis: correspondem aos caules que se enroscam por si só, sem a presença de órgãos de fixação. Um exemplo é a madressilva;
  • Subterrâneos: são aqueles que estão por baixo do solo, como o gengibre;
  • Escapo: correspondem aos caules que saem ou do rizoma ou do bulbo. Como, por exemplo, a margarida;
  • Colmo: são aqueles caules cilíndricos, com nós e entrenós. Um exemplo bom e já dado anteriormente é a cana-de-açúcar;
  • Estolho: corresponde aos caules aéreos, cuja espessura é final e o crescimento horizontal, dando origem a novas plantas. Um exemplo clássico de estolho é o morangueiro;

Conforme explicado ao longo do texto, o estipe é um tipo de caule cilíndrico, resistente, longo e lenhoso. Ele não possui ramificações e conta com um capitel de folhas na sua parte superior.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo