Angiospermas formam o grupo de plantas mais numeroso da natureza

Inicio » Meio Ambiente » Angiospermas formam o grupo de plantas mais numeroso da natureza
22/06/2019 Por
Angiospermas formam o grupo de plantas mais numeroso da natureza

Angiospermas são ricas em cores e perfumes

As angiospermas compõem o grupo mais numeroso de espécies de plantas que existe. Para se ter uma ideia do gigantismo desse grupo, 250 mil das 350 mil espécies de plantas catalogadas até hoje são angiospermas.

Normalmente, as flores dos angiospermas possuem cores vivas, néctar e odores que atraem principalmente pássaros e insetos, ajudando assim no processo na polinização. E os frutos protegem as sementes.

Angiospermas

O que são angiospermas?

Angiospermas são, em suma, plantas que apresentam raiz, caule, folhas, flores, frutos e sementes. Ou seja, plantas “completas”. Seu nome é originário do grego angeios, que significa “bolsa”, e sperma, que significa “semente”.

Fazem parte de um grupo diversificado de plantas, que ocorrem nos mais variados habitats, tanto aquáticos quanto áridos.

Os angiospermas são, anatomicamente, plantas vasculares com a presença de flores e frutos. Se caracterizam sobretudo por terem as sementes protegidas pelos frutos. Frutos que, a propósito, são formados a partir do desenvolvimento do ovário das flores, após o processo de fecundação.

As suas flores são, na maioria das vezes, coloridas, com cores vivas. Além disso, muitas vezes exalam um cheiro agradável e produzem um líquido açucarado (o néctar), que serve de alimento para as abelhas e outros animais.

Características dos angiospermas

Além das que já foram enumeradas, os angiospermas apresentam as seguintes características:

  • Exibem principalmente flores e frutos;
  • Na maioria das vezes são coloridas e tem cheiro;
  • Fazem parte do grupo de vegetais mais diversificado do mundo;
  • Algumas podem chegar a 100 m de altura e outras a 1 mm;
  • Vivem no solo, na água e até sobre outras plantas.

Ciclo de vida das angiospermas

O ciclo de vida das angiospermas é um pouco complexo se comparado com o de outras espécies vegetais. É composto pelas seguintes etapas:

Polinização

A polinização acontece quando o grão de pólen é liberado na antera, possuindo uma célula vegetativa e uma célula geradora, e que se divide e forma dois gametas masculinos. Quando a polinização ocorre pela ação do vento é chamado de anemofilia, mas quando é por meio da ação de insetos, é chamada de entomofilia.

A célula vegetativa irá formar o tubo polínico, que por sua vez irá transferir os gametas até a parte feminina da flor. No gametófito feminino maduro, ou saco embrionário, são encontradas geralmente sete células com oito núcleos. Elas são os gametas femininos.

Em seguida, quando o grão de pólen chega no estigma da flor, finalmente germina, e produz então o tubo polínico. Ele cresce pelo estilete até chegar no ovário, penetrando então no óvulo e encontrando o saco embrionário.

Fecundação

Quando ocorre a fecundação, os dois gametas masculinos atuam: um unindo-se à oosfera, produzindo o embrião, e o outro unindo-se aos núcleos polares, formando o endosperma, que por sua vez fornecerá nutrientes ao embrião para que ele se desenvolva.

Com isso, surge a semente. Em seguida, o ovário da flor desenvolve-se em fruto, que irá ajudar na dispersão da semente através de sua reserva nutritiva que atrai os animais. Quando essa disseminação do fruto ocorre pela ação de animais, é chamada de zoocoria. Mas quando ocorre pelo vento, é chamada de anemocoria.

Além disso, os angiospermas podem se reproduzir também de forma assexuada, através de seus botões vegetativos. Esse processo é chamado de propagação vegetativa.

Angiospermas

Estrutura dos angiospermas

Esse grupo de plantas é composto pelos seguintes elementos, como já foi mencionado: raiz, caule, sementes, folhas, flores e frutos. Cada parte, contudo, possui uma série de elementos que, em conjunto, formam a estrutura completa das plantas.

Flores das angiospermas

As flores das angiospermas, para resumir, são responsáveis pela reprodução sexuada das plantas. Elas são compostas de:

  • Base floral: em suma, a base da flor;
  • Sépalas: são as folhas que protegem o botão até o florescimento. O seu conjunto se chama cálice;
  • Pétalas: folhas membranosas que são agentes para a polinização. São, a grosso modo, elementos que constituem a flor. Coloridas e de textura geralmente fina, são sensíveis, mas de suma importância;
  •  Antera: onde se formam os grãos de pólen;
  • Parte masculina (androceu): elementos reprodutores masculinos, como a antera;
  • Parte feminina (gineceu): elementos reprodutores femininos, como o ovário;
  • Botão: também chamado de gomo, é a flor ainda com as pétalas fechadas.

Frutos

Os frutos, em suma, protegem as sementes e ajudam na dispersão na natureza. Eles são compostos de:

  • Pericarpo: parede desenvolvida do ovário que é dividido em epicarpo (camada mais externa), mesocarpo (camada mediana), endocarpo (camada mais interna);
  • Tegumento: parte que reserva os nutrientes para a germinação.

Raízes

As raízes são responsáveis por fornecer água e sais minerais necessários para o desenvolvimento das plantas. Além disso, são elas quem fixam as plantas ao solo, por exemplo. Elas são compostas de:

  • Coifa: protege a ponta da raiz contra o atrito com as partículas do solo;
  • Região lisa: onde ocorre o alongamento das células;
  • Região pilífera: é, em suma, o local no qual ocorre o prolongamento da raiz;
  • Região de ramificação: onde formam as raízes secundárias que ajudam a fixar a planta ao solo.

Caules

Os caules basicamente fazem a ligação entre as raízes e as folhas, e são compostos de:

  • Gemas: que permitem o crescimento dos caules;
  • Nós: regiões onde surgem os brotos laterais;
  • Entrenós: região entre dois nós.

Folhas

As folhas fazem a importantíssima fotossíntese e a transpiração da planta, e são compostas pelas seguintes partes:

  • Limbo: região mais larga da folha por onde correm as seivas;
  • Pecíolo – é a haste que sustenta a folha prendendo-a no caule;
  • Bainha – é a dilatação do pecíolo.

Classificação dos angiospermas

Em suma, os angiospermas são classificados em dois grupos: as monocotiledôneas e as dicotiledôneas. Sendo que cerca de 70% estão incluída no segundo grupo.

  • Monocotiledôneas: grupo menos numeroso, possui flores de múltiplas cores, raízes mais finas e de tamanho pequeno, crescimento primário, sementes nas primeiras folhas que surgem nos embriões. Como exemplo, temos: o milho, trigo, palmeiras, magnólia, entre outros.
  • Dicotiledôneas: esse grupo é maior que o anterior e apresenta raízes mais profundas; Além disso, suas folhas apresentam nervuras, crescimento secundário, ciclo de vida maior do que os da monocotiledôneas, e flores múltiplas. Como exemplo, temos: ipês, rosas, feijão, vagem, entre outras.

Tipos de angiospermas

Como já foi visto, mais de 200 mil plantas podem ser classificadas como angiospermas. A seguir, uma listagem com alguns exemplos de angiospermas, além das citadas acima:

  • Farroupilha
  • Maracujá
  • Babosa
  • Tomate
  • Flor-do-bode
  • Crossandra
  • Camarão-coral
  • Acanto grego
  • Macaia
  • Planta-veludo
  • Olho-preto
  • Laurotino
  • Jacinto
  • Tampala
  • Lírio-beladona
  • Rosa-do-deserto
  • Flor-estrela
  • Lásia
  • Gramínea
  • Arroz
  • Cereais
  • Cana
  • Jacarandá

Curiosidades sobre Angiospermas

Além de formar o maior grupo de plantas existentes, os angiospermas também são as espécies vegetais mais evoluídas, sobretudo por causa da sua forma de reprodução.

São plantas indispensáveis para o equilíbrio ecológico do planeta e para a própria subsistência da humanidade. Isso porque são os principais produtores dos ecossistema e constituem fontes de alimento tanto para o homem quanto para outros animais.

Além disso, espécies de angiospermas são usadas ainda na medicina e na indústria de cosméticos.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo