Cobra marinha (ou cobra do mar) tem coloração amarelada

Inicio » Meio Ambiente » Cobra marinha (ou cobra do mar) tem coloração amarelada
28/10/2020 Por
Cobra marinha (ou cobra do mar) tem coloração amarelada

Com cerca de 70 espécies, a cobra marinha faz parte do grupo mais diversificado do oceano. A cobra marinha passou por uma série de adaptações físicas para conseguir se ambientar à vida no mar. Inclusive, as algas são responsáveis pela produção de boa parte do oxigênio da Terra.

Só para você ter uma ideia, a cobra marinha desenvolveu a capacidade de cheirar debaixo d’água e prender a respiração por horas.

Cobra marinha

O que é cobra marinha?

A cobra marinha é antagônica. Por um lado, apresenta um temperamento calmo, ou seja, não costuma atacar a menos que se sinta em perigo.

Inclusive, muitos mergulhadores conseguem interagir com a cobra marinha, mas sempre a uma distância segura.

No entanto, por outro ângulo, essas cobras venenosas são mais peçonhentas do que qualquer tipo de serpente.

Características da cobra marinha

A maioria dos adultos possui um tamanho que gira em torno de 1 a 1,5 metros, embora algumas espécies possam atingir 2,7 metros.

A cobra marinha pode ser encontrada na área costeira do oceano Índico, oeste do Pacífico, na costa oeste da América e no mar aberto da África.

No geral, essas cobras peçonhentas vivem a menos de 30 metros de profundidade, pois precisam mergulhar no fundo do mar para obter alimentos.

A dieta dessa espécie consiste em peixes de vários tamanhos e formatos como, por exemplo, enguias.

Adaptações da serpente marinha

É fascinante ver como a cobra marinha consegue se adaptar ao ambiente no qual está inserida.

Um fato curioso é a forma como a espécie lida com o sal. Apesar de ser uma serpente marinha, ela não consegue absorver altas quantidades de salinidade.

Por isso, ao longo do tempo, a cobra marinha desenvolveu glândulas que lhe permitem remover o excesso de sal.

Além disso, devido à vida marinha, a serpente marinha tem um corpo achatado, uma cauda em forma de remo e pulmões alongados.

Todo esse mecanismo possibilita que essas cobras venenosas fiquem submersas na água por até oito horas ou mais.

Isso tudo se deve ao fato de que a espécie consegue respirar através da sua pele. Algumas espécies podem, ainda, transportar o oxigênio diretamente da água para o cérebro.

Cobra marinha

O mistério do habitat da cobra marinha

Como grande parte dos répteis, a cobra marinha não se adapta ao frio. Portanto, escolhe águas mais quentes.

No entanto, há um mistério: por que a cobra marinha não é encontrada no Oceano Atlântico e no Mar Mediterrâneo?

Em tese, as condições são perfeitas para espécie. As regiões são quentes e tropicais. No entanto, as cobras não conseguem chegar até lá.

Sendo assim, há outra pergunta: as cobras poderiam encontrar uma forma de contornar as barreiras e adentrar nessas regiões?

Segundo pesquisadores, a espécie que apresenta a maior chance é serpente marinha de barriga amarela, cuja distribuição é mais ampla do que qualquer lagarto ou cobra do mundo.

Mas, se isso acontecesse, o Atlântico não estaria preparado. Afinal, as presas não saberiam como se proteger e os predadores precisam aprender que a cobrinha marinha é venenosa.

Por um lado, o habitat da serpente marinha pode se expandir conforme as águas do oceano se aquecem. Por outro, as mudanças climáticas provocam mais declínios da população da espécie do que aumentos.

Inclusive, as populações de cobras marinhas estão diminuindo em muitas áreas. Isto, a longo prazo, pode provocar a extinção.

Uma forma de ajudar o planeta a contornar essa situação, é lembrar que a reciclagem tem um papel importante na preservação do Meio Ambiente.

Veneno da cobra marinha

A cobra marinha é venenosa e, embora seus ataques sejam raros, eles ocorrem.

No entanto, há uma grande armadilha. Ao contrário das serpentes terrestres, a cobra marinha não busca injetar grandes quantidades de veneno em sua vítima. Pelo contrário, a primeira mordida chega a ser indolor e os sintomas não aparecem de imediato.

Apesar de destilar o veneno em pequenas quantidades, o perigo está na potência da substância. Se a picada não for tratada, o óbito pode ocorrer de 8 a 12 horas.

Reprodução da cobra marinha

A serpente marinha pode ter em média de 2 a 9 filhotes, mas até 34 podem ser concebidos. O parto ocorre no oceano. No entanto, os filhotes não carecem de cuidados maternos. Portanto, são independentes.

Mas as características dos filhotes dependem das espécies como, por exemplo, as kraits do mar.

Apesar de adotarem uma vida aquática, elas podem “engatinhar” e subir em terra. Elas podem depositar seus ovos em cavernas de calcário e fendas rochosas. As kraits colocam, em média, de 1 a 10 ovos.

Curiosidades sobre a cobra marinha

Como citado nos tópicos anteriores, a cobra marinha consiste em mais de 70 espécies. Portanto, aqui vão algumas curiosidades sobre elas:

  • As kraits do mar utilizam seu veneno para paralisar a presa;
  • Apesar de serem menores que as enguias, as kraits se alimentam de enguias e engolem toda a presa;
  • As kraits do mar podem demorar várias semanas para digerir a presa;
  • As cobras marinhas podem ser encontradas até 70 metros abaixo do nível do mar.

Cobra marinha

Cuidados com a cobra marinha

É essencial investir na segurança do campo. Afinal, cobras peçonhentas são comuns em zonas rurais, mas também estão presentes nas zonas urbanas. Por isso, acidentes envolvendo picadas são frequentes.

Além disso, até mesmo uma espécie pequena pode causar prejuízos à saúde como, por exemplo, a formiga de fogo que tem uma picada que pode causar alergias.

Por isso, separamos algumas dicas de como proceder se isso ocorrer:

  • Em caso de picada, nunca utilize um torniquete ou garrote;
  • Jamais perfure ou corte o local da picada;
  • Utilizar folhas, pó de café ou outra substância pode contaminar a ferida;
  • Jamais faça a ingestão de bebidas alcoólicas;
  • Lave o local da ferida apenas com água e sabão;
  • É indicado fazer compressa com gelo no local da picada;
  • Se for possível, capture a cobra para identificação;
  • É preciso acalmar e, se possível, deitar a vítima. Evita-se, dessa forma, que o veneno se alastre.

Vale lembrar que, em caso de picada, é sempre necessário procurar um médico com urgência.

E essas são apenas algumas das informações que elencamos para apresentar a cobra marinha. Como cada espécie carrega suas características, é essencial estar atento à prevenção.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo