Erradicação de pragas e doenças é fundamental para produtividade agro

Inicio » Agronegócio » Erradicação de pragas e doenças é fundamental para produtividade agro
01/03/2019 Por
Erradicação de pragas e doenças é fundamental para produtividade agro

A erradicação ajuda a controlar e a combater agentes nocivos às áreas de cultivo

Quando o assunto é agronegócio, muito se ouve falar sobre erradicação. Mas você sabe ao certo o que isso quer dizer?

O significado de erradicação e a sua importância para o agrobusiness devem ser entendidos; já que a erradicação de pragas e doenças nas produções e criações que o agronegócio envolve é fundamental para manter a produtividade e a rentabilidade do negócio.

Erradicação de agentes patógenos ajuda a aumentar a produtividade agrícola no campo

O que é erradicar?

Erradicação nada mais é do que eliminar agentes prejudiciais em uma região. Uma ação que pode ser aplicada em diferentes áreas, como: erradicação de doenças, fome, animais, plantas ou outros organismos patógenos.

Conheça alguns exemplos reais da erradicação no agronegócio:

  • A busca de soluções sustentáveis para erradicar a praga da lagarta do funil de milho que destrói essa cultura alimentar.
  • A eliminação de plantas daninhas e seus órgãos, incluindo sementes, das hortas.
  • A erradicação da Mosca de Lanterna, que se alimenta de uma variedade de plantas, inclusive, de valor comercial.
  • A erradicação do mormo em território nacional – doença que acomete equídeos como cavalos por meio da bactéria Burkholderia mallei.
  • A instrução normativa que obrigou citricultores a arrancar plantas contaminadas com greening – praga que desfolha, deforma e mata a planta de citrus.
  • A necessidade de erradicação da soqueira de cana – raíz que sobra dentro e fora da terra após o corte.
  • O combate à doenças como brucelose e tuberculose na bovinocultura do leite.
  • O uso de inseticida para erradicar ovos e ninfas da mosca-branca na soja.

A importância da erradicação no agronegócio

Seja na erradicação de doenças dos animais ou no combate à fome, os esforços de trabalhadores rurais faz a diferença. No entanto, um dos mais relevantes enfrentamentos à enfermidades na pecuária aconteceu com a erradicação da febre aftosa no Brasil.

As primeiras providências para o combate à doença começaram a ser adotadas em 1919. Mas, apenas em 2018 o país recebeu certificado de zona livre de febre aftosa com vacinação. Ou seja, quase cem anos depois. A cerimônia aconteceu em maio do mesmo ano, durante a 86ª reunião da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), em Paris.

Como consequência dos esforços do governo e da iniciativa privada para erradicar a aftosa, a perspectiva é de maior exportação de carnes bovina e suína.

Já a erradicação da fome, considerada um grande desafio em nível mundial, pode ser impulsionada pela agricultura familiar. Segundo as Organizações das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), os mais de 500 milhões de trabalhadores rurais podem ser protagonistas da mudança.

Cavalo é atendido durante ação para erradicação do mormo.

A FAO aponta que pelo menos 75% dos recursos agrícolas mundiais são produzidos pela agricultura familiar. Por isso, ela pode ser decisiva para a sustentabilidade entre rendimento e produtividade. Porém, dependem do aumento de investimentos públicos para que os produtores possam aumentar as colheitas e a renda.

A erradicação da pobreza extrema até 2030 é um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) estabelecidos pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2015. Mas esbarra no desafio de levar alimentos para toda a população, em uma superfície onde terras cultiváveis permanece igual.

Agro20 | Portal Vida No Campo