Escambo é atividade de troca iniciada antes mesmo do período colonial

Inicio » Agronegócio » Escambo é atividade de troca iniciada antes mesmo do período colonial
03/04/2019 Por
Escambo é atividade de troca iniciada antes mesmo do período colonial

O escambo e as possibilidades de troca

O escambo, desde muito cedo, permite que a troca de objetos ou serviços seja feita sem a utilização de moedas. Povos indígenas, europeus, mesopotâmicos e muitas outros realizavam esta atividade de troca para obter novos próprios de interesse próprio.

No Brasil, o escambo foi muito praticado entre os europeus e os povos nativos. A partir disso, a atividade começou a se intensificar e, então, a ser praticada tanto na agricultura quanto na pecuária. Atualmente o escambo é realizado com algumas diferenças.

Escambo: madeiras

O que é escambo?

Escambo – também conhecido como permuta ou troca direta – consiste em uma atividade de troca quando não há sistema monetário envolvido. Ou seja, envolve a troca de mercadorias e serviços. É uma prática muito antiga, em que a troca comercial não envolve moeda ou qualquer objeto semelhante.

História do escambo

A origem e história do sistema de trocas data os anos 6000 a.C. Tribos das Mesopotâmia, especificamente os povos fenícios, foram os responsáveis por introduzirem este tipo de atividade. Estes povos faziam a troca dos seus bens por outros localizados em várias cidades. Geralmente eles saíam de suas residências e realizavam as trocas por meio dos oceanos.

Os babilônios também desenvolveram um sistema de troca parecido. No entanto, foi um sistema mais elaborado em que os bens eram trocados por comida, armas, especiarias e chás. Em alguns casos, crânios de humanos mortos também eram usados nas trocas.

O sal se popularizou nesta atividade, passando a ser o item mais popular trocado. Ficou tão importante que passou a ser usado para pagar os salários de soldados romanos.

Durante a Idade Média, o intuito dos europeus viajantes era ir em busca da troca de pele e artesanato por perfumes e sedas. Já os povos americanos coloniais realizavam a troca de peles de cervos, trigo e bolas de mosquete.

Mesmo quando o dinheiro foi inventado, o escambo não acabou, apenas tornou-se uma atividade mais organizada entre os escambistas.

Na década de 30, a Grande Depressão fez com que o escambo voltasse a tornar-se popular devido à crise da falta de dinheiro. Ele foi emprego nas trocas de vários serviços e de comida. As pessoas que realizam essas trocas eram semelhantes aos bancos atuais, geralmente faziam através de grupos.

Um espécie de acordo era feita. Se algum dos itens trocados fosse vendido, o proprietário tinha direito a receber o crédito e a conta da pessoa compradora era debitada.

Uma das curiosidades envolvendo a origem do escambo é o estudo de arqueólogos e historiadores. De acordo com eles, a prática teve surgimento durante o período Neolítico na Pré História. A criação de gado e a agricultura favoreceram esta troca de trabalho por alguns produtos.

História do escambo no Brasil

No Brasil, o escambo começou a ser realizado no contexto da colonização e da exploração do pau brasil, no início do século XVI.

Os portugueses realizam a troca de espelhos, chocalhos e apitos (bugigangas) pelo trabalho dos indígenas, que ficam responsáveis por cortar as árvores e carregar seus troncos até as caravelas trazidas pelos portugueses. Isso era facilmente feito pois os povos indígenas não tinham conhecimento sobre qualquer tipo de moeda.

Além do pau brasil, os indígenas também aceitavam trocar peles de animais, madeiras, plumagens, entre outras coisas, por objetos de baixo valor dos portugueses.

Os europeus enxergavam os povos nativos como inocentes e pouco compreensíveis, pelo simples fato de trocarem objetos quase que sem valor por objetos mais valiosos, como o pau brasil. No entanto, os europeus também poderiam ser visto assim ao enfrentavam noites de viagem, tempestades em alto mar e outras dificuldades apenas para virem ao Brasil em busca de madeiras que eram usadas para tingir tecidos de vermelho.

Características do escambo

Escambo: novilhos

O escambo consiste em trocar produtos em seu estado natural. As trocas variam conforme as condições dos lugares em que são realizada, as atividades desenvolvidas e as necessidades da população.

No escambo, a moeda é a própria mercadoria, representando riqueza e valor. Por isso, algumas mercadorias passam a ser mais valorizadas e procuradas do que outras.

Os produtos mais utilizados nesse sistema foram:

  • Sal;
  • Gado;
  • Novelos;
  • Açúcar;
  • Tecidos;
  • Peças de metal, como chaves e facas.

Como funcionava o escambo?

O escambo é a forma original e menos complicada em realizar trocas. Geralmente, os produtos trocados são excedentes nas comunidades, por isso realizam a troca entre si e entre comunidades vizinhas.

O escambo podia funcionar da seguinte forma: um morador de uma vila pesqueira, quando tivesse muitos peixes, trocava o que sobrava ou o excedente para ter alimentos variados.

O pescador ia em busca de algum agricultor, por exemplo, que tivesse o excedente de algum produto alimentício plantado. Em muitos dos casos, o pescador e o agricultor trocavam entre si alguns peixes por vegetais, hortaliças ou frutas.

Outro exemplo de funcionamento do escambo é quando um fazendeiro precisa de materiais novos, ele oferece alguma quantidade de leite de vaca ou de cabra ao marceneiro em troca de materiais. Assim, o escambo é feito, pois houve troca de mercadorias, uma espécie de compra e venda, mas sem utilizar qualquer espécie de moedas ou algo semelhante à elas.

Dessa forma, as vantagens do escambo estão exatamente na possibilidade de se obter produtos que não possuem por produtos novos. As variedades de produtos que podem ser obtidos a partir da troca são inúmeras. Os moradores e trabalhadores das comunidades se ajudavam para que a necessidade do outro pudesse ser suprida com o excedente de produto que um dos trocadores mantinha.

Por outro lado, um das desvantagens do escambo é a diferença de equilíbrio na troca. Um comerciante mal intencionado, que sabe da necessidade de uma outra pessoa, pode assegurar a troca com o intuito de conseguir objetos de maior valor e de grande interesse próprio. Assim, acontece uma troca desigual entre os escambistas.

Escambo: ordenha

Escambo nos dias atuais

O escambo ainda é praticado, principalmente, em países subdesenvolvidos. Ele ainda possui certa importância econômica para comunidades indígenas, por exemplo, que ainda utilizam a atividade tradicionalmente.

Assim, o reflexo do escambo pode ser visto atualmente quando realizamos um serviço por outro. Por exemplo, arrumar determinado objeto em troca de carona, a troca de doces entre as crianças, o pagamento através do cartão de crédito, o pagamento através de moedas virtuais e diversos outros exemplos. Além disso, o escambo ainda é utilizado em países em que sua moeda oficial encontra-se desvalorizada.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo