Espeleologia desvenda as particularidades de cavernas naturais e grutas

Inicio » Meio Ambiente » Espeleologia desvenda as particularidades de cavernas naturais e grutas
01/03/2019 Por
Espeleologia desvenda as particularidades de cavernas naturais e grutas

Tão antiga quanto o próprio homem, a espeleologia enfatiza a ciência e a ecologia

Em um primeiro momento espeleologia pode parecer algo como o estudo do espelho, mas não é.

Existente desde os primórdios da civilização, a espeleologia é uma atividade técnico-científica que envolve diversas áreas do conhecimento.

Cavidades subaquáticas como frutas também são estudadas pela espeleologia

O que é espeleologia?

Originada nos vocábulos gregos spelaion (caverna) e logos (estudo), espeleologia é o estudo das cavernas e cavidades do mundo subterrâneo. Isto é, investiga a morfologia e a topografia das cavernas para entender como surgiram. Também analisa a fauna, flora e rastros de seres humanos pré-históricos encontrados nesses locais.

Por isso, é uma ciência que abrange conhecimentos sobre antropologia, arqueologia, biologia, geografia e geologia, além de rapel e alpinismo. Afinal, exige conhecimentos técnicos, mas também esforço físico.

Tão antiga quanto o próprio homem, a espeleologia foi usada na pré-história por antepassados que buscavam proteção nas cavernas. Lugares que eles usavam como armazéns e até mesmo túmulos funerários.

Embora atraia, hoje, muitos jovens aventureiros, a espeleologia é um estudo que enfatiza a ciência e a ecologia. Os profissionais que atuam nessa área são chamados de espeleólogos e têm a responsabilidade de minimizar a deterioração gradual de cavernas descobertas.

Evolução da espeleologia no Brasil e no mundo

A partir do século 19, a espeleologia evoluiu como estudo científico graças ao francês Edoaurd Alfred Martel, considerado o pai dessa ciência. Já no Brasil, só ganhou forças a partir de 1835, através das pesquisas realizadas pelo naturalista dinamarquês Peter Wilhelm Lund em Lagoa Santa e Curvelo.

Tipos de espeleologia

Existem diferentes tipos de espeleologia, dependendo dos locais onde o estudo é praticado. Na espeleobuceo, por exemplo, a exploração é realizada em locais subaquáticos. Já na espeleologia Kárstica, em buracos em pedras provocados por correntes de água.

Ou seja, o campo de estudo é bastante amplo no Brasil. Só no país, existem mais de cinco mil cavernas catalogadas pela Sociedade Brasileira de Espeleologia. A maior delas se chama Toca da Boa Vista, está localizada em Campo Formoso (BA) e tem 100 km de extensão.

Estima-se que ainda existam milhares delas ainda não descobertas. Isso mostra a importância do estudo, que não só explora esses ecossistemas e seus espeleotemas, como também ajuda a preservar esses locais.

O que são espeleotemas?

Espeleotemas é uma palavra que vem do grego: spelaion significa caverna e thema depósito. Identifica as diversas formações minerais existentes em cavidades naturais, como estalactites e estalagmites. Também pode facilitar a aferição do tempo de existência de uma caverna ou gruta através da análise das camadas de deposição formadas.

Espeleotemas fazem parte da espeleologia

Onde aprender sobre espeleologia

Existem escolas especializadas na formação profissional e tecnológica e também centros especializados que oferecem curso de espeleologia. Duas delas são o Instituto Minere e o Centro Especializado voltado ao Estudo, Proteção e Manejo de Cavernas (CECAV).

As duas formações foram criadas para aprimorar os instrumentos de gestão ambiental do patrimônio espeleológico e a capacitação técnica para licenciamento ambiental de empreendimentos que conflitem com a sua preservação. Os conteúdos abrangem, no âmbito da espeleologia, os procedimentos, estudos, legislação e técnicas para regularização ambiental.

Tags:
Agro20 | Portal Vida No Campo