Feijão vermelho pode ser cultivado em todos os cantos do país

Inicio » Agricultura » Feijão vermelho pode ser cultivado em todos os cantos do país
04/10/2020 Por
Feijão vermelho pode ser cultivado em todos os cantos do país

O feijão vermelho, com sua coloração marcante, pode ser utilizado nos mais diversos pratos. Repleto de fibras (insolúveis e solúveis), potássio, magnésio, vitamina B9 (folato), proteínas e vários componentes essenciais para a manutenção da saúde, o feijão vermelho pode ser considerado, de fato, uma “supercomida”.

Apenas um copo de feijão vermelho adequadamente cozido pode responder por um terço da quantidade diária de consumo de folato. Sem embargo, os déficits em vitamina B9 são associados à elevação dos riscos de infarto, complicações coronárias e doenças cardíacas em geral. Ademais, o folato contribui para a eliminação da homocisteína, substância de alta toxicidade que pode gerar graves danos arteriais.

Feijão vermelho

O que é feijão vermelho?

Feijão vermelho é um dos tipos de feijão cujos grãos são avermelhados, arredondados e pequenos. Além disso, é um excelente acompanhamento tanto para carnes quanto para saladas, sendo bastante empregado, na culinária francesa, para a preparação de sopas.

Como preparar feijão vermelho?

Para ter como fazer feijão vermelho, é altamente recomendável deixar cerca de metade da embalagem de molho em um litro de água quente ao longo de duas horas. Transcorrido esse tempo, você deve transferir o feijão, junto à água de remolho, a uma panela (preferencialmente, de fundo grosso).

Na sequência, adicione 2,5 litros de água e uma folhinha de louro. O mais indicado, a partir desse ponto, é cozinhar em fogo médio, deixando a panela semiaberta, até que seus grãos fiquem macios (o caldo deve estar levemente encorpado). Esse processo tende a durar, em média, cerca de uma hora e meia.

Caso prefira utilizar uma panela de pressão, você deverá reunir a água de remolho e o grão a cerca de dois litros de água (não se esqueça da folha de louro). Após pegar pressão, deixe cozinhar, em fogo baixo, por uns cinquenta minutos.

Faça, à parte, o tempero, aquecendo o óleo (ou azeite de oliva) e refogando uma cebola roxa até deixá-la transparente. Depois, pegue uma concha de feijões cozidos, amasse os grãos (o que pode ser feito com a parte de trás da concha) e tempere apenas com sal.

O refogado deverá, então, retornar à panela com feijão, misturando bem e mantendo tudo em fogo baixo, para que o caldo fique devidamente encorpado. Feito isso, basta servir!

Feijão vermelho

Preparo do feijão vermelho

Para que o seu feijão vermelho fique mais saboroso, você pode tentar trocar cerca de metade da água utilizada para o cozimento por algum caldo de legumes, de carne ou outro de sua preferência.

Se quiser deixar o seu prato mais rico, cozinhe os feijões com toucinhos defumados em cubinhos ou rodelas de linguiça paio. Tenha em mente que esse feijão é uma ótima opção para preparações sem caldo, como farofas, saladas ou apenas refogado com temperos (cheiro verde, cebola, alho, entre outros).

Quais são os benefícios do feijão vermelho?

Há diversos benefícios para a saúde advindos das propriedades do feijão vermelho: ele possui grandes quantidades de nutrientes fundamentais para o bem-estar geral do organismo humano. Isso para não mencionar que o feijão, de modo geral, é o tradicional companheiro do arroz nas mesas dos brasileiros e uma das maiores fontes de proteínas da população.

Conforme mencionado, o feijão vermelho é uma importante fonte de fibras que ajuda a baixar os níveis de colesterol e, assim, evitar a rápida elevação dos níveis de açúcar no sangue depois de uma refeição. Vale destacar, também, seus baixos teores de sódio e gordura.

Ao serem combinados com cereais integrais, tais como o arroz, os feijões vermelhos fornecem proteínas de qualidade e livres de gordura. Para indivíduos com certos tipos de restrições alimentares ou que estão realizando alguns tipos de dietas, o feijão vermelho pode ser um grande aliado, devido ao fornecimento de ácido fólico e molibdênio (composto difícil de incorporar naturalmente a uma alimentação balanceada).

Confira, a seguir, outras vantagens de consumir o feijão vermelho.

Componentes anti-idade e antioxidantes

Os benefícios do consumo de feijões vermelhos não se relacionam, apenas, à existência de folatos e fibras. Com efeito, eles também estão repletos de antioxidantes. Estes, por sua vez, contribuem para a longevidade, limitando significativamente os danos gerados por radicais livres.

Sendo assim, a pele de todo o corpo é protegida, a longo prazo, de problemas originados por fatores ambientais e/ou alimentos que não são considerados saudáveis. Os flavonoides, por exemplo, são uma das classes de antioxidantes de maior importância, estando presentes na composição desse feijão, sobretudo as taninas condensadas.

Segundo uma análise realizada pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), o feijão vermelho contém mais taninas condensadas do que o blueberry (ou mirtilo) e cranberry (ou arando). Isso significa que ele é capaz de estabilizar o açúcar sanguíneo e ajudar, até mesmo, na perda de peso.

Caso todos esses benefícios ainda não o tenham convencido a adicionar o feijão vermelho em sua dieta, leve em consideração um interessante fato. Os carboidratos complexos, as proteínas e as fibras presentes nessa leguminosa auxiliam no tratamento de pessoas resistentes à insulina ou que padecem de diabetes e hipoglicemia.

Essa capacidade de estabilizar os níveis de açúcar pode ajudar as pessoas acima do peso. De fato, ela é útil em condições de obesidade em suas batalhas pessoais contra o excessivo acúmulo de gordura corporal.

Com efeito, ao estabilizar o nível de açúcar sanguíneo, tanto menor será a quantidade de insulina excretada pelo pâncreas. Isso reduz o armazenamento de energia sob a forma de gordura no corpo – algo essencial para uma perda saudável de peso.

Feijão vermelho

Fonte de proteínas

Vitais para diversos processos orgânicos, as proteínas são a base, por exemplo, de unhas e cabelos. De fato, elas são igualmente importantes na construção da pele e dos músculos.

As proteínas são, essencialmente, compostas de cadeias de aminoácidos. Estes, por sua vez, são categorizados em:

  • Essenciais (que devem ser, necessariamente, obtidos por meio da alimentação);
  • Não essenciais (ou seja, que podem ser produzidos pelo corpo).

Uma proteína, para ser considerada completa, deve conter todos os aminoácidos imprescindíveis. Eles devem estar nas proporções corretas, a fim de suportar as funções biológicas de um organismo humano. De forma geral, as proteínas que são derivadas de animais (laticínios, frutos do mar, aves e carnes) são completas.

Não obstante, o feijão vermelho pode, também, propiciar uma proteína completa ao ser combinado, durante a alimentação, com grãos como o arroz. Isso se dá porque o feijão vermelho conta com poucas quantidades do aminoácido lisina, amplamente encontrado no arroz.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo