Irrigação destaca diferentes sistemas que auxiliam as atividades agrícolas

Inicio » Agricultura » Irrigação destaca diferentes sistemas que auxiliam as atividades agrícolas
24/04/2019 Por
Irrigação destaca diferentes sistemas que auxiliam as atividades agrícolas

Como é a feita a irrigação e no que consiste?

A irrigação foi inventada como forma de melhorar a produtividade das plantações, tornando-as mais eficientes. Além disso, a técnica possibilitou uma maior facilidade no manejo por parte dos camponeses e agricultores. Isso fez com que a produção aumentasse e fosse mais rentável.

Os sistemas de irrigação foram desenvolvidos de acordo com as necessidades do trabalhador rural. Além deles, há também métodos que auxiliam pequenos e grandes produtores. Esse tipo de técnica começou a se desenvolver em meados de 6000 a.C e era muito utilizada pelos egípcios, em plantações ao redor dos grandes rios.

Tipos de irrigação

O que é irrigação?

Irrigação consiste em uma técnica que tem como intuito fornecer água às plantas, suprindo suas necessidades hídricas, para que elas possam se desenvolver e produzir adequadamente.

A técnica é aplicada porque há áreas plantadas que sofrem constantemente com a pouca disponibilidade hídrica ou com a distribuição irregular das chuvas. Ela tem sido aprimorada ao longo do tempo, fazendo com que cada vez mais tipos de irrigação fossem desenvolvidos conforme as necessidades do produtor.

Atualmente, os principais tipos encontrados no agronegócio são:

  • por aspersão;
  • pela microaspersão;
  • por sulcos;
  • através de gotejamento.

História da irrigação

Algumas pesquisas históricas das antigas sociedades revelam a dependência da irrigação agrícola, em que civilizações foram se desenvolvendo próximas aos rios Nilo (no Egito); Eufrates e Tigre (na Mesopotâmia); e Amarelo (China); tudo por volta de 6000 a 3000 a.C. Nas antigas civilizações, esta técnica era praticada por meio barragens de água cercadas por açudes.

Constantemente o Egito tinha águas do Nilo espalhadas em seu território, pois elas eram engrossadas pelas chuvas que caiam no começo do outono, cobrindo toda a margem do rio. No entanto, quando a água abaixava, o que ficava era uma camada de húmus fértil, que servia para o plantio de trigo e o pastagem dos animais.

Por outro lado, se a cheia fosse muito alta, resultava em devastação. Entretanto, se fosse fraca resultava em pouca terra fértil para realizar a semeadura e, assim, a produção dos alimentos entravam em escassez. As civilizações perceberam, então, que era de grande importância controlar as cheias.

Com isso, o faraó Ramsés III ordenou que os egípcios construíssem diques que realizassem a prensa do rio em um vale estreito, que elevava as águas e as conduzia até reservatórios. Nos reservatórios, as águas deslocavam-se até os campos por meio de comportas e canais, em quantidade necessária e controlada.

Métodos de irrigação

Dessa forma, o homem começou a compreender a funcionalidade da irrigação e sua importância. Isso fez com que técnicas semelhantes se espalhassem por todo o mundo. Teve como resultado o desenvolvimento de muitas civilizações nas bacias dos grandes rios.

Consequências dos sistemas de irrigação

Após a Segunda Guerra Mundial, a irrigação agrícola se expandiu mais ainda e com maior rapidez, principalmente em certas regiões do Canadá e dos Estados Unidos.

Nas últimas décadas, o crescimento das áreas  irrigadas diminuiu significativamente em decorrência dos baixos preços de commodities, dos elevados custos de energia e da pouca disponibilidade de recursos hídricos.

A técnica antiga de irrigação teve como consequências o suprimento de alimento e o aumento da população. Por meio dela, foi possível fazer com que a disponibilidade das fontes de alimentos e fibras ficassem mais estáveis; assim, podendo atender uma demanda maior em função do aumento da concentração da população.

No entanto, a incapacidade de lidar com salinidade e inundações também ficou mais clara com o aumento da população; assim como a falta de organização e cooperação entre as civilizações que operavam os sistemas de irrigação.

Métodos e sistemas de irrigação

A irrigação é constituída por métodos e sistemas que contam com particularidades e ações diferentes.
  • Métodos de irrigação: consistem na maneira de agir ou fazer as coisas. Ou seja, é o modo de proceder a irrigação;
  • Sistemas de irrigação: disposição dos elementos ou das partes de um todo, relacionados entre si; ou seja, funcionam como uma irrigação organizada.

Métodos de irrigação

Os métodos de irrigação são divididos em quatro principais, sendo eles:

  • Aspersão: consiste na água posta sobre a folhagem da cultura e sobre o solo;
  • Localizada: consiste na aplicação da água de forma localizada; sobre o solo e sobre a área sombreada pelas copas das plantas;
  • Superfície: consiste em umedecer quase toda a superfície do solo com o auxílio da gravidade;
  • Subterrânea: consiste na aplicação da água embaixo da superfície do solo, depositando-a diretamente nas raízes das plantas.

Sistemas de irrigação

O sistema de irrigação nada mais é do que o conjunto de acessórios, equipamentos, formas de manejo e operações; que, de modo organizado e administrado, realizará a irrigação das plantações e das culturas. Entre os principais e mais conhecidos sistemas, podemos citar:

Irrigação por aspersão

Ela é dividida em sistemas convencionais, que consistem na utilização dos componentes tradicionais como as tubulações, motobombas e aspersores, por exemplo.

Eles podem movimentar-se pelo campo, além de cobrir em cada posição uma parte da área irrigada ou simplesmente ficarem fixos ao longo do período de produção. E há também o sistema mecanizado, que consiste em spray ou aspersores instalados em estruturas que se movimentam para realizar a irrigação.

Sistemas de irrigação

Irrigação por gotejamento

É um sistema localizado em que há aplicação constante da água no solo. Ela é feita de forma lenta e com baixa pressão, por meio de emissores chamados de gotejadores.

Irrigação por microaspersão

O tipo feito por microaspersão também é um sistema localizado. Ela consiste na utilização de microaspersores que aplicam água principalmente nas áreas mais sombreadas pela copa das plantas. Suas áreas de aplicação e vazão são maiores que as do gotejamento.

Irrigação por sulcos

O método feito por meio de sulcos é um sistema de superfície. Ela consiste na aplicação da água diretamente na área a ser irrigada pela inundação parcial. Assim, realiza o acompanhamento das linhas da cultura e passa pelos sulcos construídos na superfície do solo.

Irrigação por inundação

O tipo por inundação (ou tabuleiros) é também um sistema de superfície. Ela consiste na aplicação da água sobre toda a área. Assim, essa água ficará acumulada na superfície do solo, como acontece na cultura do arroz. Isso pode ser observado frequentemente em países como o Japão e a China.

Irrigação e gotejamento superficiais

Por fim, como irrigação superficial se pode citar a elevação do lençol freático, que é usado em áreas em que as camadas de solo superficiais compactadas são responsáveis por controlar a profundidade do nível do lençol freático, mantendo-as próximas das raízes das plantas. E também há o gotejamento superficial, em que as linhas de gotejamento são postas abaixo do solo com uma profundidade que permita que a água aplicada atinja o volume de exploração das raízes.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo