JBS, gigante brasileira do ramo de alimentos, é uma das líderes globais

Inicio » Agronegócio » JBS, gigante brasileira do ramo de alimentos, é uma das líderes globais
11/09/2019 Por
JBS, gigante brasileira do ramo de alimentos, é uma das líderes globais

Umas das líderes globais na indústria de alimentos, JBS é uma das empresas que mais movimentam a economia do Brasil

Reunindo mais de seis décadas de história, a JBS cresceu tanto que se tornou uma das líderes globais quando o assunto é a indústria alimentícia. A empresa conta com mais de 230 mil colaboradores espalhados por todo o mundo. A companhia está presente em 16 países de forma ativa, contando com escritórios comerciais e diversificação de produtos.

A JBS é responsável pela ascensão de marcas reconhecidas por todo o mundo. A expansão foi tão grande que a empresa começou a entrar em outros setores correlacionados como colágeno, glicerina, sabonetes e outros embutidos. Mas o crescimento global não fez com que as origens fossem esquecidas, pois a empresa é uma das que mais movimentam o mercado nacional.

JBS

O que é JBS?

JBS é uma empresa do ramo alimentício. A sigla JBS partiu das iniciais do criador da empresa, José Batista Sobrinho. O empresário entrou no ramo alimentício em 1953, com a empresa chamada Casa de Carnes Mineira.

A fundação foi realizada na cidade de Anápolis, que faz parte do estado Goiás. O crescimento foi notável, fazendo com que o dono logo visualizasse as oportunidades de expansão.

Zé Mineiro, como sempre foi apelidado o dono da empresa, aproveitou a construção de Brasília para fazer o empreendimento crescer.

Na época, era grande a movimentação onde estava sendo formada a capital federal. Isso fez com que o empresário se aproximasse de lideranças importantes, além de donos de construtoras. Esta foi a primeira grande leva de fornecimento da Casa de Carnes.

Este foi o primeiro passo para que a expansão internacional fosse um sucesso. Em 2007, a então chamada JBS abriu as ações na bolsa de valores. A empresa se tornou uma das governanças corporativas de mais alto nível, considerando o capital brasileiro.

A receita recolhida em 2016 bateu o valor líquido de R$170 bilhões, o que demonstra a grandeza da corporação.

História da JBS e nascimento da Friboi

Depois da aproximação de figuras influentes em Brasília, a JBS precisou avançar mais alguns passos para ser uma das mais importantes empresas do país.

A primeira grande unidade frigorífica foi comprada em Formosa, também em Goiás, em meados de 1970. Esta ação fez com que muitos funcionários fossem contratados e, a partir daí, foi implantada a marca Friboi.

Apenas dez anos depois a JBS também conseguiu abrir uma nova filial no Distrito Federal. Desta forma, a produção cresceu em ritmo acelerado, já que se trata de uma região economicamente ativa. Isso fez com que a expansão ganhasse as outras quatro regiões do país.

As coisas aconteceram de forma tão acelerada que o fechamento do frigorífico de Formosa não abalou a saúde da empresa. Em 1988, o grupo começou a investir pesado em uma indústria de sabão, que logo ganharia o nome de Minuano.

Antes do início da década de 90, o grande responsável pela JBS passava o poder para o então filho mais velho, João Batista Júnior.

Entre as principais marcas que surgiram na sequência, podemos destacar Swift, Seara, Doriana, Massa Leve, entre outras.

JBS

O grande avanço da JBS

A empresa também foi ganhando outros membros da família nos postos diretivos. Mas a responsabilidade de compor os cargos importantes foram atribuídas a Wesley e Joesley Batista, que se tornariam mundialmente famosos anos mais tarde.

Ainda nos anos 90, a empresa continuou crescendo de forma bastante intensa, comprando frigoríficos endividados em todo o Brasil.

Mas foi em 2004 que a direção da empresa planejou dar o primeiro passo internacional. Depois de se estabelecer em São Paulo com sede fixa, toda a estruturação foi pensada para que a empresa pudesse abrir o próprio escritório em Buenos Aires, Argentina.

Este objetivo se concretizou exatamente um ano depois. A medida foi bem-sucedida, atraindo o interesse da América do Sul.

Joesley Batista se destacou no quadro diretivo, assumindo a presidência da empresa em 2006. A partir disso, o crescimento da JBS assumiu passos ainda mais largos. A empresa foi aberta em 2007 nos Estados Unidos, o que também gerou uma ampliação para a Austrália. A partir daí, foi fácil assumir a posição de principal empresa do segmento no mundo, já que o investimento do governo brasileiro passou a ser constante.

Os resultados estiveram claramente evidentes na análise de resultados. Em março de 2007, por exemplo, a JBS conseguiu faturar R$1,6 bilhão ao negociar 23% das ações. A empresa era avaliada em cerca de quase 7 bilhões de reais.

Desde então, obtém o recorde de abertura de capitais acompanhada de outras empresas de sucesso como Bovespa, Redecard e BM&F.

Escândalos de corrupção

As primeiras investigações que apontaram irregularidades sobre a JBS se tornaram públicas em 2016. Mas os aportes de fundos de pensão identificados na Eldorado não foram os únicos problemas encontrados pela Polícia Federal. Este primeiro problema impediu que Joesley e Wesley Batista continuassem exercendo cargos diretivos.

As ações da empresa começaram a despencar quando se iniciou a operação Carne Fraca, que possuiu um foco ainda maior nas irregularidades da JBS. Os escândalos também começaram a envolver a J&F investimentos, empresa “guarda-chuva” de todo o grupo. Mas, desta vez, as fraudes e irregularidades também envolviam o Governo Federal de maneira direta.

De acordo com a investigação, o BNDES obteve um prejuízo de R$ 1,2 bilhão após as primeiras operações com a empresa. Essas ações foram fundamentais para que a internacionalização acontecesse, mas fez com que o Banco Nacional se tornasse dono de 21% das ações consolidadas da JBS.

JBS

Interferência na política

O que mais preocupou a Polícia Federal foi a relação da empresa com as campanhas políticas. As operações verificaram que mais de R$ 300 milhões foram destinados a doações de campanhas dos mais diversos partidos. De acordo com alguns delatores, quase 2 mil candidatos já receberam dinheiro da JBS para tentar alcançar algum cargo público.

Este tipo de ação é considerado propina e coloca a JBS como colaboradora de 28 partidos em 23 estados diferentes. Com esse auxílio, é provável que a empresa já tenha colaborado na eleição de 179 deputados estaduais, 167 deputados federais e 28 senadores. As denúncias também mostram uma série de propinas envolvendo Joesley Batista e integrantes do Governo.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo