Macaco prego costuma invadir áreas cultivadas em busca de comida

Inicio » Meio Ambiente » Macaco prego costuma invadir áreas cultivadas em busca de comida
20/06/2019 Por
Macaco prego costuma invadir áreas cultivadas em busca de comida

Macaco prego é um primata muito conhecido no Brasil

O macaco prego é um animal que pertence ao gênero dos sapajus, primatas que vivem espelhados pela América do Sul. Essa espécie de macacos faz parte da família cebidae.

O nome macaco prego vem da postura reta do pênis do animal quando ereto. E o gênero sapajus deriva de uma versão da palavra latina, traduzida para a língua tupi, já que em francês o vocábulo é sapajou.

O macaco prego, também conhecido como mico do topete, habita desde as regiões amazônicas até o sul do Paraguai e norte da Argentina. No Brasil, o animal era encontrado apenas na floresta Amazônica e na Mata Atlântica, mas foi em busca de novos habitats no cerrado, caatinga e no Pantanal, em razão do desmatamento e da captura ilegal para o tráfico de animais.

Macaco prego

Habitat do macaco prego

Os macacos prego vivem em qualquer tipo de floresta, seja as de pântanos ou aquelas que passam até cinco ou seis meses de seca. Além disso, apareceram também em regiões inundadas e, para surpresa, em áreas urbanas habitadas, próximas de florestas.

Esses animais são capazes de percorrer grandes distâncias no cerrado e na caatinga em busca de alimentos e de água. Depois, voltam aos seus pontos de origem.

A distribuição das espécies leva em conta a variedade e quantidade de árvores frutíferas que vão determinar a extensão dos territórios. A convivência entre espécies da mesma família é comum.

Habitat do macaco prego

O sapajus apella é uma espécie da região amazônica e está presente nos estados do Acre, Amapá, Roraima, Pará, Rondônia e Mato Grosso. Também vive em outras partes da floresta amazônica das Guianas, Venezuela, Colômbia, Peru e Equador.

A espécie sapajus flavius vive nos estados de Alagoas, Paraíba e Pernambuco. Já a Sapajus xanthosternos marca presença no sul da Bahia, norte de Minas Gerais, além de áreas de Mata Atlântica. As duas espécies são endêmicas do nordeste do Brasil.

Já o sapajus libidinosus está em todo o país. Na região central, ao norte dos rios Grande e Paraná, a leste do rio São Francisco, e em áreas de Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, leste do rio São Francisco.

Além disso, aparece nos locais que tem menos chuva dos estados de Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Tocantins, Maranhão, Piauí, Ceará, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Paraíba, Alagoas e Bahia. Essa espécie do sapijus é presente ainda no Paraguai e Bolívia.

No Brasil, existe ainda a variedade de primatas que existe ainda o sapajus nigritus que vive nas regiões sudeste e leste do país. É encontrada nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Para completar a ocupação de espaço, o nigritus aparece no norte da Argentina.

Macaco prego

Características do macaco prego

Os macacos dessa espécie têm hábitos diurnos, tamanho médio, até 4,8 kg, chegam a 48 cm de comprimento. Além disso, tem uma cauda que mede entre 37,5 cm e 48,8 centímetros. Quando o animal está descansando ele a enrola, mas ao contrário de outros bichos, a cauda não é usada para aguentar o peso do corpo. Em paralelo, os bichos também saltam e escalam quando estão em deslocamento.

O crânio e os dentes são bastante duros e o cérebro pesa 71 gramas. Esse peso significa um cérebro com grande capacidade cognitiva e complexo repertório de comportamentos. Para manter o esqueleto em pé eles usam a cauda preênsil, aquela que “gruda” nas árvores e facilita os movimentos do corpo.

Vida em bando

Esses animais são quadrúpedes e têm os pelos normalmente entre o marrom e o preto. Eles vivem em grupos, com 5 a 20 bichos, mas em alguns locais se juntam em até 40 indivíduos.

A proporção por bando é de um macho para até cinco fêmeas quando estão em fase reprodutiva. São muito sociáveis e quando notam a presença de perigo se juntam a outros grupos de animais para trabalhar de forma cooperativa a fim de espantar os inimigos.

Os predadores mais comuns do macaco prego são os felinos, as grandes cobras e as aves de rapina. Essas últimas os alcançam pelo fato dos bichos serem arborícolas, ou seja, viverem nas árvores.

Dieta e alimentação do macaco prego

A variedade de espécies desses animais aponta também para uma dieta diversa. O macaco prego tem a capacidade de se alimentar desde vegetais até pequenos vertebrados. Por essa característica de comer muitos tipos de alimentos, inclusive sementes e frutos duros, são chamados de onívoros.

Os bichos dessa espécie são os únicos macacos do chamado Novo Mundo que comem outros mamíferos, além de invertebrados aquáticos como ostras e caranguejos. Porém, a maior parte da alimentação vem mesmo dos frutos e insetos.

A dieta do macaco prego é tão surpreendente que eles consomem 200 espécies de plantas de acordo com a região em que vivem e com a época do ano. Em algumas áreas do Brasil, por exemplo, eles comem até milho e cana-de-açúcar.

Ameaças ao macaco prego

Os primatas, e em especial os macacos prego, estão ameaçados no Brasil. Isso, principalmente em razão do desmatamento e destruição de seu habitat natural.

Outra causa de preocupação para preservação da espécie é a caça para fins de tráfico de animais. Na região da Amazônia há várias localidades em que a quantidade desses primatas já diminuiu de maneira acentuada.

Por essa razão, a necessidade de conscientização das populações locais é fundamental para a preservação da espécie.

Macaco prego em áreas cultivadas

O desequilíbrio ambiental e sobretudo o desmatamento, como mencionado acima, podem ser a causa de um problema preocupante relacionado ao macaco prego. Em várias regiões do mundo, os primatas começaram a invadir áreas de cultivos agrícolas em busca de comida.

Macaco prego

No Sul do Brasil, por exemplo, o macaco prego passou a consumir alimentos cultivados pelo homem. Entre eles, frutas comerciais, mandioca e milho e cana-de-açúcar. Apesar de as sementes nativas das florestas de araucária serem o alimento natural do macaco prego, esses recursos ficam reduzidos nessas áreas durante o inverno. Isso acontece em razão da exploração da floresta, sobretudo.

Sem comida suficiente em seu habitat natural, o primata invade plantações e até condomínios residenciais em busca de alimento. O problema é uma ameaça não só às áreas cultivadas, mas à própria espécie. Isso porque muitos usam recursos violentos para afastar os animais.

Contudo, é importante destacar que o macaco prego é uma espécie da fauna nativa. Por essa razão, é protegida pela Lei 9605 de 12 de fevereiro de 1998. Essa lei, em suma,  determina que o seu abate é crime ambiental.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo