Marés são o fluxo e refluxo das águas do mar, que sobem e descem

Inicio » Meio Ambiente » Marés são o fluxo e refluxo das águas do mar, que sobem e descem
16/07/2019 Por
Marés são o fluxo e refluxo das águas do mar, que sobem e descem

A teoria da gravitação explica o fenômeno das marés

As marés, que facilitam ou dificultam a navegação de barcos, estão relacionadas aos principais astros que cercam a Terra. Tais astros são a Lua, destacadamente, e o Sol exercendo função secundária. Mas outros astros também exercem influência para a elevação ou retração da maré.

Coube ao brilhante Isaac Newton, em 1687, observar e desenvolver a teoria que explica como o fenômeno das marés ocorre, a Teoria da Gravitação Universal. Existe mais de um tipo de maré que acontece em determinados períodos do ano.

Marés

O que são marés?

Marés são um fenômeno cíclico responsável pela elevação das águas do mar e de seu recolhimento ou retração. O que acontece é que o nível da água ocupa determinada faixa na ocasião de chegada e outra na saída, sendo notável a marca deixada na areia. Talvez você já tenha testemunhado a deslocação das marés estando na praia.

O que explicaria esse evento considerando que não houve acréscimo de volume d’água por ocasião de chuva? Em tese, era para o nível permanecer sempre o mesmo com a falta de um evento digno de nota.

A teoria gravitacional de Newton é a resposta para essa dúvida.

Teoria da gravidade

Você já deve ter ouvido falar da história da maçã, certo? Um belo dia, o físico e matemático Isaac Newton viu uma maçã cair de uma árvore e uma curiosidade surgiu-lhe na cabeça: por que os objetos caem?

Claro que não vamos despejar uma montanha de cálculos e dados complexos, mas saiba que a partir dessa curiosidade, Newton desenvolveu a teoria que o consagraria no campo científico: a lei da gravidade.

Ele descobriu que uma força atrai todos os corpos para o centro da Terra. Logo percebeu que isso não ocorria somente com os objetos presentes no interior do planeta, mas também com os que estavam fora, próximos da Terra. Isso inclui, então, a Lua e o Sol.

A Terra atrairia esses dois astros com a sua força gravitacional. Estes, por sua vez, também contam com esse poder de atração para tentar aproximar corpos próximos aos seus centros.

Como, notadamente, essa aproximação não se concretiza, isto é, não há uma colisão de nenhuma das partes no núcleo da outra, verificou-se que dois corpos no Universo se atraem com força proporcional ao volume de massa e inversamente proporcional à distância em que estão separados.

Na prática, o que ocorre é o seguinte: um corpo tenta puxar o outro, como um cabo de guerra, mas como a força é equivalente, eles se mantêm no mesmo lugar, entretanto, próximos, conectados. É isso que impede que a Lua e os outros astros saiam da órbita da Terra e resolvam “fazer um passeio” pela infinitude do espaço.

Marés

E o que isso tem a ver com as marés?

Tudo. O fato da Terra, Lua e demais astros e planetas permanecerem na mesma com o cabo de guerra não significa que não consigam provocar alguns efeitos uns nos outros.

As marés são um desses efeitos.

Influência da lua nas marés

A massa da Lua consegue atrair a massa de água – claro, moderadamente – da Terra. Essa atração que consegue exercer se reflete na formação de protuberâncias, em razão da massa ser líquida, que acompanham a trajetória da Lua.

Mas a estrela maior da noite é a única que consegue gerar esse efeito na Terra?

Não. O Sol também consegue influir na formação e movimentos das marés, mas a Lua exerce papel de destaque por ser mais próxima de nosso planeta do que o Sol.

A topografia também contribui para esse fenômeno, para maior propagação ou não de uma maré.

Diferença entre marés e ondas

Uma dúvida comum para os leigos é a diferença entre marés e ondas.

São consideradas ondas os movimentos das águas oceânicas impulsionadas pela força dos ventos. As marés são a movimentação diária das águas, influenciadas pela força gravitacional, conforme explicado acima.

Tipos de marés

Existe mais de um tipo de maré que influencia na navegação dos barcos nos mares. Podemos, então, identificar os tipos a partir da observação empírica do estado das águas, mas também pela fase da Lua. Como ela gira em torno da Terra ao longo do ano, seu posicionamento em relação ao planeta influi para a alta ou baixa das marés.

Vale ficar atento que existem dois tipos de altos e baixos das marés. A que ocorre durante o dia, conforme a rotação da Terra, e a que ocorre durante o ano, conforme o posicionamento dos astros em torno da Terra.

Vejamos como identificar cada uma a partir das fases do astro noturno.

Marés

Durante o dia

No decorrer de 24 horas, a Terra gira em torno de si mesma e essa rotação coloca os astros em pontos distintos.

Quando a Lua está alinhada com o planeta, isto é, quando está “embaixo” da Lua, ocorre a alta da maré.

Quando a Lua estiver a 90º desse ponto, portanto, quando tiver decorrido 6 horas, notará maré baixa.

Durante o ano

Quando a Lua está em Nova, Crescente ou Cheia, é sinal de que está alinhada ao Sol. A amplitude da água fica maior, por causa do aumento da força da gravidade, ocasionando o que se chama de Maré de Sizigia.

Quando ocorre o desalinhamento, ou seja, cada astro fica a 90º do outro, são as fases de Lua em Quarto Crescente ou Minguante. Nesse caso, a amplitude da água diminui, ocasionado o que se nomeia como a Maré de Quadratura.

As diferenças das marés

Podemos depreender, assim, que nos dois casos, dia e ano, há tanto alta como baixa da maré. Mas, então, não seriam a mesma coisa a alta ou baixa da maré independente da fase da Lua?

Sim, mas a diferença está na intensidade. Quando a Lua está em cheia, por exemplo, a maré alta será “mais alta” do que em Quarto Minguante. Já quando estiver em Quarto Minguante, a maré mansa (maré baixa) será ainda mais inferior do que em Lua Cheia.

Considerações finais

Esperamos que esse artigo tenha esclarecido suas maiores dúvidas a respeito das marés. Acesse periodicamente o Agro 2.0 para mais conteúdos incríveis como esse.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo