Pirarara é espécie de peixe apelidada de tubarão de água doce

Inicio » Agronegócio » Pirarara é espécie de peixe apelidada de tubarão de água doce
16/04/2019 Por
Pirarara é espécie de peixe apelidada de tubarão de água doce

O pirarara é uma espécie de peixe de água doce popular no Norte do Brasil

O pirarara é uma espécie de peixe popular no Brasil. Semelhante ao tubarão (tanto pela coloração como pela aparência), ela é agressiva e predadora, capaz de capturar presas consideradas menores.

Apesar disso, o pirarara é um peixe que pode ser criado em cativeiro e dentro de tanques, tornando-se ótima opção de renda como parte da piscicultura brasileira.

Peixe pirarara

Peixe pirarara

O pirarara é uma espécie de peixe nativa da região Norte do país. Ele pode ser encontrado com certa facilidade na Amazônia, no Tocantins e na bacia do rio Araguaia. Conhecido como o tubarão da água doce, o peixe também é considerada agressiva. No entanto, na criação em cativeiro a espécie pode se tornar dócil; o que possibilita que a sua criação seja feita com propósitos de comercialização dentro da piscicultura.

O seu tamanho pode variar e atingir mais de 1 metro de comprimento; enquanto o seu peso pode se aproximar, em alguns casos, dos 80 kg. Por ser um animal onívoro, a sua sobrevivência é facilitada, seja qual for o ambiente em que vive.

Além de ser atraído por peixes de outras espécies – tanto na natureza como em forma de isca natural – o pirarara tem um apetite voraz; também podendo se alimentar de aves, até mesmo, de tartarugas.

Apesar de reconhecidamente agressivo, a pesca do pirara não é considerada difícil, visto que ele é facilmente atraído por iscas. Geralmente, pescadores utilizam pedaços da espécie tilápia para chamar a sua atenção.

Criação de pirarara

A criação de pirarara é bastante tranquila e fácil dentro de dos taques. Isso porque, além de se tornar mais dócil quando criado em cativeiro, o peixe tem facilidade de adaptação a esse tipo de ambiente.

De acordo com o relato de profissionais com experiência na sua criação, o nível de docilidade que o peixe pode atingir é tamanho que ele pode chegar, até mesmo, a se alimentar diretamente da mão do criador.

Por ser considerado de fácil manejo, a espécie pode ser criada por produtores com diferentes níveis de experiência; tornando-se uma boa opção para quem busca produtividade e lucros no ramo da piscicultura.

Pelo fato de ser um peixe robusto e que chama a atenção pela sua beleza, é comum a comercialização da espécie para fins ornamentais. As cores de suas nadadeiras e dorso – que variam entre tonalidades alaranjadas ou avermelhadas – são parte do que mais chama a atenção na espécie.

No entanto, a semelhança com o tubarão nas características do corpo é primordial para tamanha curiosidade em relação à espécie. O tamanho em que o pirarara ornamental é comercializado varia entre 20 e 30 centímetros (atingidos em um tempo aproximado de seis meses).

Embora a manutenção do pirarara em aquário não seja do tipo mais simples, pessoas envolvidas com o aquarismo e com recursos suficientes podem se arriscar.

No entanto, sua comercialização como peixe ornamental é feita, geralmente, para locais com aquários de grandes proporções; como empreendimentos que atuam no ramo de exposições e contam com jardins extensos, como parques e museus, por exemplo.

Quando voltada para o consumo da carne, a comercialização do pirarara aposta na espécie com peso aproximado de 5 quilos; sendo que cada quilo da espécie pode render cerca de R$ 100 para o produtor. No caso dos voltados para ornamentação, este mesmo valor é pago por unidade da espécie com cerca de 25 centímetros.

Pirarara

Como pescar pirarara?

Embora não seja considerada entre as mais desafiadoras do mundo da pesca, a captura do pirarara deve ser feita seguindo algumas dicas para que seja facilitada e eficiente.

Levando em conta o fato de que este é um peixe de hábitos noturnos, não é difícil entender porquê este período é um em que há grandes chances de fisgá-lo; pois ele costuma buscar pequenos peixes presentes em águas rasas nos rios.

O pirarara é atraído pela carne de outros peixes; por isso, as iscas naturais são a melhor aposta para fisgá-lo. Pedaços, filés e até peixes inteiros podem ser utilizados para tentar fisgar a espécie, sendo que nomes como piranha-caju e traíra fazem parte da sua lista de preferidos.

Vale lembrar que, para a pesca do pirarara, é necessário fazer o uso de equipamentos bastante resistentes. Isso porque, quando uma espécie pode tranquilamente pesar 50 quilos, os riscos que quebrar linhas e varas é enorme.

Para se ter uma ideia do tamanho que a espécie pode atingir, há casos registrados de pirararas de 1,5 metros e 80 quilos que foram pescados no Brasil; mais precisamente na cidade de Caruari, no interior do Amazonas.

É importante mencionar que a espécie costuma bancar uma boa briga antes de ser capturada. Por isso, o mais indicado é que sejam usadas linhas e anzóis robustos para a sua pesca. No caso das linhas, são recomendadas as de 30 a 50 libras; enquanto os anzóis devem ter numeração entre 8 e 14 para prender a boca avantajada do peixe.

Benefícios do peixe pirarara

Assim como outras espécies, o pirarara é um peixe rico em minerais, vitaminas e destaca uma alto nível de proteínas. Embora os peixes de água salgada costumem ganhar neste quesito específico, o ômega 3 também é presente na espécie; apresentando benefícios para a saúde cerebral e do coração de quem o consome.

Pirarara

Levando em conta o fato de que os peixes de água salgada têm uma concentração mais elevada de sal em seus corpos; vai do gosto pessoal de cada um a preferência pelo consumo dos peixes de rio ou de mar. Isso porque, embora tenham diferenças no sabor, a grande maioria dos benefícios e nutrientes é a mesma.

Portanto, levando em consideração que os peixes de água doce são menos salgados e mais gordurosos, enquanto os de água salgada são mais leves e “temperados”; basta escolher o que considerar mais apetitoso para tirar o máximo de proveito do que podem oferecer.

De sabor forte e marcante, a carne do peixe pirarara deve ser consumida grelhada, crua, assada ou como ensopado. Isso porque, dessa forma, é evitado que se perca parte de seus nutrientes; conservando-se tanto o seu sabor quanto os seus benefícios.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo