Quati é encontrado desde o Arizona até o norte da Argentina

Inicio » Meio Ambiente » Quati é encontrado desde o Arizona até o norte da Argentina
09/11/2020 Por
Quati é encontrado desde o Arizona até o norte da Argentina

O quati se alimenta principalmente de frutas, vermes e insetos. Também chamado popularmente de tamanduá palito, é um animal de pequeno porte que possui uma distribuição muito ampla em todos os continentes americanos, desde a América do Sul até a América do Norte.

Desse modo, o quati é um animal similar ao guaxinim, possui apenas o rosto mais afocinhado, além de possuir o corpo mais alongado. Existem três diferentes espécies desse animal, que geralmente possui uma pelagem na cor marrom escuro com uma cauda alongada.

Quati

O que é quati?

Quati é um animal mamífero que também é conhecido pelos nomes de quati do nariz marrom e quati de cauda anelada. Possui uma cabeça em forma afunilada com orelhas pequenas e redondas, além de possuir os membros superiores mais curtos que os inferiores.

A alimentação do quati é basicamente de frutas, porém quando essas aparentam estar escassas, o quati come pequenos animais como aves, vermes e insetos. Além disso, ele possui um hábito diurno e geralmente dorme à noite no topo das árvores, e os machos podem ser noturnos.

O habitat do quati são as mais diversas florestas, sendo a Mata Atlântica a sua preferência em território nacional. No entanto, esse animal pode habitar diferentes florestas conforme a localização, como as florestas perenes e de galeria, além dos cerrados e savanas.

Para melhor compreender o que é quati, é necessário entender quais as espécies desse animal, seus hábitos, reprodução e demais detalhes. Assim sendo, veja quais são as três espécies do quati:

  • Nasua nasua;
  • Nasua narica;
  • E o Nasua nelsoni.

Quati brasileiro

O quati brasileiro é o animal de nome científico Nasua nasua. É justamente essa espécie que se encontra espalhada por todo o território nacional. Do mesmo modo, esse animal é chamado popularmente de quati-de-cauda-anelada e também de quati-do-nariz-marrom.

O seu focinho pontiagudo possibilita a exploração de tocas e buracos ocos em troncos de árvores. Conta igualmente com o seu olfato na hora de procurar o seu alimento. O seu peso normalmente gira em torno dos 4 quilos.

O seu comprimento pode chegar à cerca de 0,5 metro e somando a sua longa cauda, o animal pode passar de 1,2 metro. Assim sendo, a sua altura gira em torno dos 30 centímetros, sendo que os seus membros superiores curtos facilitam a exploração do ambiente em busca de alimento.

A reprodução desse animal é normalmente poligâmica, visto que eles vivem em bandos com mais de 30 animais. No entanto, ao atingir a idade de dois anos, os machos são expulsos dos bandos, que são constituídos principalmente de fêmeas, machos jovens e filhotes.

Em época de reprodução, os machos adultos são incorporados aos grupos novamente para a cópula. Depois disso, tornam a ser afastados. Por volta dos meses de outubro e novembro, as fêmeas se afastam e deixam os filhotes em ninhos encontrados em árvores.

Depois de um mês de vida, o quati filhote abandona o ninho e se junta ao grupo. Além disso, elimina nas suas fezes as sementes dos frutos que come praticamente intactas, e isso colabora para que as vegetações estejam em constante renovação.

Podem ser gerados de dois até sete filhotes por gestação, que costuma durar um período de onze semanas. Assim sendo, o animal atinge maturidade sexual por volta dos dois anos de idade, que é quando os machos são expulsos do bando.

Quati

Nasua narica

O quati de nariz branco é o animal que possui nome científico Nasua narica. Esse quati é encontrado na América do Norte e também na América Central, sendo visto principalmente nos Estados Unidos e no México.

Além de possuir o nariz branco, diferente do quati brasileiro ele possui a sua cauda de cor homogênea, sem a presença de anéis. No entanto, o seu tamanho e os seus hábitos alimentares são muito similares ao Nasua nasua.

Esse animal também pode ser chamado popularmente de quati preto, visto que possui uma coloração mais escura se comparado com o quati brasileiro. Além disso, sua cauda uniforme dá continuidade à coloração de seu corpo, sem manchas ou marcas.

O quati é perigoso, por mais que não seja um animal que ofereça risco de vida. Apesar de serem animais sociáveis, quando se sentem ameaçados os quatis podem atacar os humanos. Dessa maneira, as suas unhas e dentes afiados podem machucar seriamente uma pessoa.

Já foram registrados diversos ataques de quati brasileiro contra pessoas, mais precisamente em Foz do Iguaçu. Assim sendo, nunca é demais advertir a cautela ao se deparar um esse animal, visto que ele pode se tornar agressivo.

Quati

Curiosidades sobre o quati

O nome quati é uma derivação do tupi, antiga língua indígena brasileira, e significa nariz alongado. Embora esse animal possa ser sociável e possua a aparência de ser um animal dócil, não é aconselhado a tentativa de domesticá-lo.

Já ocorreram ataques contra humanos, e isso é mais que o suficiente para que essa ideia seja abandonada. Algumas tentativas frustradas já foram feitas, e sem sucesso o animal se revoltou. O quati é um animal selvagem, e seu lugar é na natureza.

Além disso, a destruição do habitat desse animal já forçou diversos casos de invasão à área urbana. Dessa forma, os quatis invadem a cidade e acabam por se alimentar de lixos expostos nas ruas, além de oferecer perigo para as pessoas.

Os quatis passam muito tempo sobre as árvores, e selecionam apenas alguns animais para descer ao solo e encontrar alimento para todo o grupo. Além disso, esses animais são ótimos nadadores, muito embora não gostem de água.

Comem praticamente de tudo, incluindo carniça, embora a sua preferência seja por pequenos frutos. Utiliza de seu fuço para “fuçar” e revirar tudo o que encontra pela frente, em busca do seu alimento, além de usar os seus pequenos braços e habilidosas mãos.

O quati pode ser um animal curioso, e nos casos em que ele invade a cidade pode causar grandes bagunças, principalmente se encontrar lixos. Vale sempre lembrar que ele é um animal selvagem e, por isso, deve ser respeitado como tal, a fim de evitar acidentes desagradáveis.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo