Ração para gado deve ser escolhida com cautela para bons resultados

Inicio » Pecuária » Ração para gado deve ser escolhida com cautela para bons resultados
24/07/2019 Por
Ração para gado deve ser escolhida com cautela para bons resultados

Ração para gado deve ser equilibrada para lucro econômico

Quando dispõe de nutrientes adequados e proporções bem balanceadas, uma ração para gado pode acarretar diversos benefícios ao animal. Para tanto, é preciso alinhar uma alimentação equilibrada com um proporcional nível diário de produção.

Em suma, a formulação balanceada e criteriosa da ração para gado exige inúmeros requisitos diretamente ligados ao gado. Além disso, é necessário considerar a expectativa de custo-benefício tanto quanto as características e valores nutricionais presentes nas rações animais.

Ração para gado

O que é ração para gado?

Ração para gado é uma ração animal, ou seja, um alimento direcionado aos animais, tais como ração para cavalos e ração para suínos. Se por um lado algumas rações são responsáveis por prover uma dieta nutritiva e saudável, por outro, algumas carecem do equilíbrio de nutrientes necessário.

O Brasil é um relevante produtor de matéria-prima voltada para a formulação de ração para gado. A produção é beneficiada pelo clima altamente propício quando se refere ao plantio e cultivo de volumosos e grãos.

O sorgo, o milho, a pastagem e a cana-de-açúcar constituem os principais volumosos cultivados no país. Em contrapartida, os concentrados são compostos por energéticos, proteicos, minerais e suplementos vitamínicos.

Alimentação na criação de gado

De fato, quando o assunto é criação de gado, um dos maiores investimentos do produtor se encontra na formulação de alimento dispensada ao animal. Além disso, a alimentação está ligada aos lucros arrecadados pela atividade. Afinal de contas, uma vez que houver uma má administração alimentícia, o gado apresentará, invariavelmente, perda na qualidade de produto e na produtividade.

Para uma gestão inteligente e uma formulação bem racionada, alguns requisitos devem ser considerados.

Como exemplo, podemos citar a qualidade da ração e os critérios nutricionais do gado, tanto quanto o custo do produto e os ingredientes dos quais dispõe. Para tanto, é recomendado que o produtor recorra a um veterinário. Afinal, ninguém melhor do que um profissional para orientar a formulação adequada.

Ração para gado

Apesar dos critérios equacionados, o cálculo matemático que envolve o equilíbrio alimentício da ração é relativamente prático. Contudo, é importante ressaltar que os requisitos nutricionais e as exigências implementadas variam conforme o animal. Isto é, é preciso analisar o gado individualmente antes de racionar a fórmula da ração.

Sendo assim, primeiramente, para dar a partida no processo de formulação balanceada, o produtor deve identificar para qual animal é voltada a ração.

Por exemplo, no sistema de alimentação de confinamento com bovinos de corte, devem ser consideradas suas particulares carências nutricionais. Em seguida, deve-se determinar qual nível de produção está sendo almejada e assim por diante.

A seguir, você conhece algumas especificações de ração para gado aplicadas a diferentes fins bovinos.

Ração para gado

Ração para gado de corte

Uma criação rentável de gado de corte exige, fundamentalmente, uma alimentação equilibrada. Sendo assim, para o pecuarista, é de suma importância o conhecimento dos conceitos primordiais na nutrição bovina. Além disso, estar a par das características nutricionais das principais rações traz ganhos aos produtores.

Uma das práticas nutritivas mais cruciais na criação de gados de corte é o fornecimento de minerais estabulados ou de pasto. A relevância dessa atitude mora nas diversas funções dos minerais no organismo, favorecendo e participando diretamente do crescimento bovino.

No Brasil, o concentrado energético mais usado na nutrição do gado da corte é o grão triturado do milho. Tradicionalmente, tal cultura aparece nas principais regiões onde a criação de gado está presente. Afinal de contas, seu nível de energia e valor nutricional são considerados de grande excelência. Em suma, o milho triturado fornece o equivalente a 0,25% de fósforo, além de uma média de 8,5% a 9% de proteína bruta.

De maneira idêntica, além do concentrado convencional do milho, a soja também consiste em uma excelente fonte proteica. A qualidade elevada de suas proteínas e seu alto teor energético são ideais para integrar a ração para gados.

Ração para gado de leite

Por sua vez, a ração para gado de leite converte seus valores nutritivos para impulsionar o crescimento, mantença e reprodução. Além, é claro, de alavancar a produção, quer seja ela na forma de leite ou na forma de carne.

Uma dieta controlada é a grande aliada na produção de leite por parte das vacas leiteiras. Afinal de contas, o seu leite é visto como um subproduto que dependente de sua capacidade reprodutiva. Do mesmo modo, tanto sua capacidade reprodutiva quanto sua produção de leite dependem da dieta.

Visto isso, tanto do ponto de vista econômico quanto do ponto de vista nutritivo, definir uma alimentação adequada é de suma importância para o pecuarista para que ele possa obter os melhores resultados.

A alimentação de um rebanho apresenta um representativo custo efetivo, quando está em jogo o sistema de produção leiteiro. O custo alimentício final de uma vaca lactante pode alcançar a marca de até 70% do total.

Contudo, conforme a busca de produtividade por vaca cresce, o feno, silagem e pasto deixam de ser suficientes. Isto é, para manter uma produtividade maior, os volumosos na ração do gado devem ser combinados com vitaminas, minerais e misturas de concentrados.

Ração para gado

Ração para gado na seca

O teor de proteína em períodos de seca são baixos, uma vez que a pastagem entra em declínio. Por consequência, tanto o bovino de corte quanto o bovino de leite sofrem uma perda de peso.

Dessa maneira, os gados de corte apresentam prejuízos no ganho de peso vivo. Os gados de leite, por conseguinte, também entram em queda no que tange à produção de leite.

Ou seja, para que o prejuízo seja evitado, é necessária a intervenção de uma alternativa alimentícia do gado em estiagem. Tal alternativa deve ser eficiente e econômica, o que significa uma ração bovina balanceada.

Isto é, nas estações secas, período em que o crescimento de pasto é menor, é necessário um reforço de suplementação volumosa na ração para gado. De modo igual, o concentrado disposto aos animais deve conter uma quantidade de proteína bruta superior a 20%. Afinal de contas, os teores proteicos da maioria dos suplementos volumosos não chegam à marca de 8%.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo