O que é streptococcus e de que forma ele afeta o gado

Inicio » Veterinária » O que é streptococcus e de que forma ele afeta o gado
13/03/2019 Por
O que é streptococcus e de que forma ele afeta o gado

O  streptococcus preocupa pecuaristas pela rapidez com que as doenças que causa se propagam

A bactéria streptococcus é responsável por algumas das principais doenças contagiosas na pecuária.

Em função disso, o streptococcus preocupa o universo agro pelos diversos prejuízos que pode causar, incluindo a perda total dos animais de uma criação, por exemplo.

Bactéria streptococcus

O que é  streptococcus?

O streptococcus é um tipo de bactéria muito comum, tanto no campo quanto na cidade. São também conhecidas como bactérias gram-positivas. Sua principal característica de formação é seu formato arredondado e ser arranjada em agrupamento. A coloração deste grupo é azul ou violeta – quando vistas através de microscópio – e são invisíveis a olho nu.

Apesar desta bactéria ser um agente transmissor de muitas doenças infecciosas, em muitos casos a presença dela é inofensiva. Os agentes contaminantes streptococcus estão classificados de acordo com a maneira com a intensidade de morte celular que causam nos eritrócitos.

Grande parte das espécies de streptococcus estão presentes nos organismos dos seres humanos e são benéficos. Entretanto, quando há desequilíbrio na quantidade dessas bactérias, são desenvolvidas graves doença se não tratada com rapidez.

Streptococcus nos animais

No universo agro, esta bactéria atinge um leque de animais, contudo, o gado bovino é o mais prejudicado. A doença que mais afeta os bovinos causada por esta bactéria é a mastite bovina. Seu tratamento é complicado e muitas vezes falho pois o manejo com o gado infectado é difícil.

Outro grupo de animais também infectados pelo streptococcus são os suínos. A doença causada nesta espécie é a meningoencefalites e são infectados através da ingestão de sal. Esta doença é classificada como emergente e seu tratamento é imediato.

Outro fato importante sobre esta bactéria é por ela atingir diferentes tipos de animais. Não apenas o gado, mas os seres humanos e animais de estimação estão sujeitos à bactéria streptococcus, como em cachorros e gatos.

Do mesmo modo que esta doença é passível de transmissão entre o animal e o dono, causa diversas doenças. O tratamento para evitar a proliferação da doença deve ser logo a identificação dos sintomas, pois dependo do nível da bactéria no organismo, pode ser fatal.

Em âmbito geral, existem duas espécies principais de streptococcus que atingem os seres humanos. Por isso, cada uma delas atinge diferentes hospedeiros e possuem características distintas para identificação.

  • Streptococcus pyogenes

Este tipo de streptococcus atinge os humanos apesar de já haver parcelas da bactéria streptococcus em nosso organismo. Está presente nas regiões da garganta e boca e alguns casos também pode ser encontrada na pele e sistema respiratório. Por este motivo, sua proliferação é facilidade e efetiva através de contato ou espirros.

A doença mais conhecida desenvolvida por esta bactéria é a faringite. A faringite é caracterizada pelas fortes dores de garganta e febre. O tratamento para esta infecção pode ser feito através da penicilina, sempre seguindo instruções médicas.

O pecuarista contaminado possui grande chance de transmitir ao gado através do manejo com os animais. Os sintomas vão de doenças respiratórias nos animais até gastrointestinais.

Gado afetado pelo streptococcus

  • Streptococcus agalactiae

Esta bactéria é pertence do grupo B entre os streptococcus. Está presente principal no organismo de mulheres, próximo ao genital feminino e causa graves doenças aos recém-nascidos. A bactéria tem o hábito de se apresentar semanas antes do parto e é transmitido ao bebê no momento do parto e até causar um aborto.

A bactéria causa a meningite e a principal característica é o rápido crescimento bacteriano no indivíduo infectado. O tratamento também é feito com a penicilina através de instruções médicas.

Como maneira preventiva da doença em seres humanos é aconselhável manter higiene dos objetos pessoas e evitar compartilhamento. Pois é através destas situações que os agentes contaminantes ganham força e se infiltram no organismo. As bactérias são destruídas a partir da limpeza com detergente e sabão comum, entretanto é recomendado o uso dos antibactericidas.

O que é mastite bovina

A mastite bovina é uma doença que atinge diretamente a pecuária leiteira. Está doença é proveniente de uma inflamação nas glândulas mamárias. A mastite é causada por bactérias e fungos e sua propagação é através de micro-organismos e da bactéria streptococcus.

Dentre os maiores prejuízos da doença está a baixa na produtividade do gado leiteiro. A mamite influência na redução da quantidade de leite produzido e principalmente na qualidade do produto. Além disso, o leite produzido neste período não deve ser consumido nem pelo filhote nem para os seres humanos decorrente da alta taxa de contaminação no mesmo.

A bactéria responsável pela mastite bovina é a streptococcus. Esta bactéria gera a doença e não há cura. O produtor precisa aprender a conviver com a doença e controlar a mesma a partir da rápida identificação dos sintomas.

Os principais sintomas que devem ser observados no gado é cansado ao extremo, falta de apetite, febre alta e queda na produção. Nos casos mais avançados da doença, muitas vacas são sacrificadas.

  • Tratamento e prevenção da mastite bovina

Para o tratamento de mastite clínica, é preciso saber o tipo de mastite que ele possui e a idade do animal. Este fato acontece pois tem todos os agentes são passíveis a serem curados com facilidade. Em alguns dos métodos de tratamentos devem ser feitos no período da lactação, ou seja, na amamentação dos bezerros.

É necessário se atentar com outros sintomas como por exemplo alterações nas glândulas mamárias pois são as mais prejudicadas. Outro sintoma nesta mesma glândula é pela mudança do pH leite para grau 2 ou 3. Como forma de tratamento é necessário injeções com antibióticos para acelerar o processo de cura do animal e volte à produção.

gado leiteiro com streptococcus

O modo de prevenção dos dois casos principais de mastite estão diretamente ligado ao momento de secagem dos animais. Este método deve ser feito diariamente pois a doença é de fácil contaminação.

Outro modo de se prevenir é através da alimentação, quando o rebanho recebe uma alimentação rica em nutrientes. A possibilidade dos animais estarem sujeitas aos agentes infecciosos é muito menor quando estão nutridos.

Em conclusão, fica claro que os streptococcus devem ser tratados assim que identificados, seja pelo hospedeiro ou pelo pecuarista. Os prejuízos são altos e a maneira de tratamento nem sempre efetiva.

Agro20 | Portal Vida No Campo