Amazônia ocupa aproximadamente 49% do Brasil e mais 8 países

Inicio » Meio Ambiente » Amazônia ocupa aproximadamente 49% do Brasil e mais 8 países
27/09/2019 Por
Amazônia ocupa aproximadamente 49% do Brasil e mais 8 países

Amazônia, colosso sul-americano, é considerada a região de maior biodiversidade do planeta

Apesar de maior parte de sua vasta área se situar no Brasil, a Amazônia ocupa outros países: Bolívia, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru, Suriname, Guiana e Guiana Francesa; totalizando, então, ocupação em 9 nações.

A Amazônia tem grande importância para o equilíbrio ambiental do planeta e também representa uma importante área de cultivo e de pasto para o agronegócio brasileiro. O desafio das últimas décadas e que se mantém presente é encontrar o equilíbrio entre expansão das atividades agropecuária e desmatamento da floresta. As últimas queimadas que ganharam repercussão internacional podem representar um duro golpe ao agronegócio nacional.

Amazônia

O que é Amazônia?

Amazônia é uma extensa região da América do Sul que reúne um conjunto de ecossistemas. Estes ecossistemas, por sua vez, compreendem duas áreas tão importantes e gigantes quanto a Amazônia. Estamos falando da maior floresta tropical do mundo, a Floresta Amazônica, e da maior bacia hidrográfica do mundo, a Bacia Amazônica.

O Brasil se destaca ao representar mais de 4 milhões de km² do total de 6,9 milhões de km² ocupados pela Amazônia. Os números são ainda mais impressionantes: a Amazônia ocupa quase metade do território brasileiro (49,29%), sendo presente em 9 estados do país:

  • Amazonas;
  • Acre;
  • Amapá;
  • Rondônia;
  • Roraima;
  • Pará;
  • Maranhão;
  • Mato Grosso;
  • Tocantins.

Normalmente para se definir o que é a Amazônia diz-se que é a maior concentração de biodiversidade do planeta, sendo abundante em sua fauna e flora. Imensa por natureza, sem dúvida.

Vegetação da Amazônia

Por abrigar a maior floresta tropical do mundo, a diversidade da vegetação da Amazônia e da flora e fauna são imensas e diversificadas. Seus mais de 3 milhões de km² de florestas contínuas, de um total de 5 milhões de km² de área total, são compostos por ervas, arbustos, trepadeiras, lianas e árvores de grande porte.

A vegetação existente no bioma Amazônia é dividida em 3 categorias:

  • Mata de igapó;
  • Mata de terra firme;
  • Mata de várzea.

Amazônia

A Mata de igapó é um tipo de vegetação encontrada em locais de baixo relevo, ou seja, áreas que costumam estar todo o tempo inundadas, propiciando o surgimento de espécies aquáticas de plantas como a vitória-régia. Nesses locais também avista-se tipos de planta rasteiras, como musgos e arbustos.

A mata de terra firme representa o outro extremo, o oposto da igapó. Assim, é uma vegetação que se localiza em regiões de grande altitude, por isso, livre de inundações. Tal fato certamente propicia uma vegetação completamente diversa, seca, com presença de árvores imponentes como palmeira e castanheira.

Por fim temos a mata de várzea. Representa um meio-termo em comparação às anteriores. A vegetação desse tipo de mata se encontra em regiões de altitudes intermediárias, que podem ser inundadas em determinados períodos. No entanto, não são sujeitas ao excesso de água o tempo todo. Por essa razão, é possível encontrar na mata de várzea espécies verificáveis nas outras duas matas.

A fauna da Amazônia

Estima-se que a fauna da região amazônica conte com trinta milhões de espécies. E mesmo diante desse número astronômico, especialistas apontam que a fauna da região, sem dúvida, não é de todo conhecida.

O que é a Amazônia legal?

O que se entende como Amazônia legal é a região que engloba os 9 estados brasileiros inclusos na região de maior biodiversidade do planeta.

Mas o cálculo dessa área considera aspectos sociopolíticos e não geográficos.

Por esse motivo, sua extensão é considerada de 5.217.423 km² representando 61% do território brasileiro, superando, portanto, os 49% da região amazônica.

Dessa forma, a Amazônia legal envolve não só a área da mata, mas também 20% do cerrado e parte do pantanal.

Essa área delimitada já sofreu diversas alterações ao longo do tempo. O projeto ganhou vida em 1953. A ideia por trás de seu conceito é desenvolver uma região historicamente isolada, que conte com a menor densidade populacional do país.

O objetivo é, afinal, implantar medidas que tornem possível explorar a região amazônica para fins econômicos de modo sustentável. Isto é, que não prejudique, não aplique danos irreversíveis à floresta amazônica.

As atividades produtivas dessa área envolvem tanto agricultura como pecuária, pesca e extração de madeira.

A medida de fato ajudou a desenvolver a região e melhorar a produtividade no país do setor do agronegócio. Contudo, o desmatamento da Amazônia cresceu de forma alarmante nas últimas décadas.

Relatório da procuradoria do Meio Ambiente do Ministério Público Federal (MPF) aponta que, em 1970, apenas 1% da Amazônia estava desmatada. Hoje, em 2019, esse número saltou para 20%.

Nota-se que sem dúvida ainda falta encontrar um modelo mais eficiente que coloque em equilíbrio a preservação da natureza e a produção do agronegócio.

A importância da Amazônia para o agronegócio

O Brasil, quando não lidera, está entre os líderes mundiais da exportação de carne bovina, soja e café, para ficar só em alguns exemplos. Essa projeção internacional ocorreu, portanto, com o crescimento do agronegócio no país nos últimos anos. E certamente a Amazônia legal tem papel no mínimo significativo para esse crescimento.

Em 2000, o rebanho bovino na Amazônia era de 47 milhões. Os números atuais registram 85 milhões de cabeça de gado. Isso significa que quase 40% das 215 milhões de cabeça de gado no Brasil passam por região amazônica.

Amazônia

As queimadas na Amazônia

Evidências indicam que a exploração econômica da Amazônia esteja por trás dos mais de 40 mil focos de incêndio que atingiram a floresta este ano. Os números apuram as queimadas entre 1º de janeiro a 23 de agosto de 2019. Mostram, portanto, aumento de mais de 80% em comparação ao mesmo período do ano passado.

Esse aumento acentuado das queimadas, aliado às declarações polêmicas do Ministro do Meio Ambiente e do Presidente da República, repercutiram negativamente. Houve reação internacional como há muito não se via sobre o tema.

Embaixadas brasileiras foram alvos de protestos no exterior. Ademais, o acordo econômico entre união Europeia e MERCOSUL sofre sério risco de não se viabilizar. Dezoito marcas estrangeiras ameaçam fazer boicote ao couro brasileiro caso explicações convincentes não sejam fornecidas.

Dados do Ministério da Agricultura mostram que a União Europeia foi o destino de 17,7% das exportações do agronegócio nacional até julho de 2019. O que isso representa? 1 bilhão de dólares. Eventual boicote de países do bloco pode representar golpe duríssimo ao setor.

É necessário o entendimento que a política ambiental passou a fazer parte da política comercial do planeta inteiro. Por isso, é necessário pensar em soluções sustentáveis para o agronegócio na Amazônia.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo