Barter envolve troca e negociações entre clientes e produtores

Inicio » Agronegócio » Barter envolve troca e negociações entre clientes e produtores
24/04/2019 Por
Barter envolve troca e negociações entre clientes e produtores

O Barter e as facilidades nas negociações para os produtores

O Barter foi pensado e desenvolvido para facilitar a vida, principalmente, dos produtores. Essa troca sem presença de meios monetários possibilita que o produtor possa adquirir novos produtos agropecuários, apenas pagando com aquilo que já produziu.

No Brasil, o Barter é muito realizado e comandado por várias companhias. Este pagamento garante muitas vantagens ao produtor e ao cliente, fazendo com que eles não tenham prejuízos com as trocas. Além disso, a  variedade de produtos a serem negociados é grande.

Barter: plantação de trigo

O que é barter?

Barter – ou operação Barter – vem do inglês e significa ‘troca’. No agronegócio, Barter consiste no pagamento pelo insumo por meio da entrega do grão no período de pós-colheita, sem a presença de algum tipo de valor monetário. Em outras palavras, funciona como um procedimento de financiamento de safra.

Consiste na troca de insumos, como, por exemplo:

Por produtos agropecuários, como, por exemplo:

  • Café;
  • Soja;
  • Algodão;
  • Açúcar;
  • Milho, entre outros produtos após a colheita.

Companhias de Barter no Brasil

No Brasil, o Barter é oferecido por diversas companhias em troca dos grãos que serão colhidos posteriormente. Entre as principais companhias estão:

  • Bayer;
  • FMC;
  • CHS;
  • Monsanto;
  • Pioneer;
  • Adama;
  • Syngenta;
  • Bunge;
  • Cargill;
  • Archer Daniels Midland.

A operação de Barter é utilizada no Brasil desde a década de 90. Seu principal intuito é proteger o produtor, para que ele consiga pagar o que foi adquirido e possa realizar a travação dos insumos para a safra. Sendo assim, essa forma de pagamento é realizada com o que o produtor produz.

Como funciona a operação de Barter?

O Barter foi criado para que as negociações entre empresas de insumos e produtores fossem facilitadas. Não há uma regra específica nas trocas, e a negociação é feita com foco total nos produtos. Por exemplo, um número X de sacas de commodities equivalem a uma quantidade Y de fertilizantes, e assim por diante.

O mercado pode girar em torno de 30% a 40% em Barter de acordo com o commoditie. No café e na soja, por serem práticas mais tradicionais e antigas, este percentual pode ser maior.

Essa negociação é muito procurada pelos produtores, além de ser muito atrativa. Ela proporciona facilidade ao produtor porque ele fica livre da alteração de commoditie, já que o preço ficava travado pela venda antecipada.

Todo este processo é feito com as empresas fornecedoras de insumos, que agem em parceria com tradings e outras consumidoras de grãos; como as indústrias processadoras de alimentos, por exemplo, que são interessados finais na troca. As etapas são, basicamente:

  • Produtor: que tem ou terá o produto para entregar na negociação pela troca por insumos;
  • Fornecedor de insumos: que quer vender as sementes, os agroquímicos e os fertilizantes, por exemplo;
  • Consumidor de grão (ou trading): que tem interesse em promover grãos para consumo ou comercialização.

Barter: commoditie

Vantagens da operação Barter

  • Negociação travada: isso impede a alteração no preço das commodities e dos produtos;
  • Redução de problemas com a armazenagem de grãos utilizados para troca: o cliente já tem comprador para o produto e local para realizar a entrega;
  • Melhoria das condições de pagamento: o valor é pago com o que o produtor irá produzir, além de o preço já estar fixo;
  • Aumento da liquidez: o dinheiro está disponível para o produtor, pois a negociação envolve a compra dos insumos até a entrega dos grãos;
  • Diminuição dos riscos: produtor e cliente estão protegidos contra mudanças cambiais, de preços e juros de commodities.

Diferença de Barter e escambo

O Barter é diferente do escambo porque nele as operações têm a liquidação financeira feita diretamente pela parte interessada nos produtos que estejam com seu preço fixo ou preço mínimo. Diferente do escambo, que envolve apenas uma simples negociação de troca.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo