Benefícios da vitamina E passam pelos cabelos, colesterol e fertilidade

Inicio » Agronegócio » Benefícios da vitamina E passam pelos cabelos, colesterol e fertilidade
14/01/2021 Por
Benefícios da vitamina E passam pelos cabelos, colesterol e fertilidade

A fim de que os benefícios da vitamina E sejam devidamente compreendidos, é preciso levar em consideração, primeiramente, que ela estimula a produção natural de colágeno, ajuda na cicatrização, aprimora a resistência física aos exercícios, além de ser antioxidante.

Ainda assim, os benefícios da vitamina E (ou “tocoferol”) devem-se, em grande medida, ao fato de ser uma vitamina lipossolúvel (isto é, necessita de gordura para ser absorvida) e, portanto, um nutriente imprescindível ao nosso organismo.

O que é vitamina E?

Vitamina E é o principal nutriente que existe tanto na partícula de lipoproteína de baixa densidade (LDL) quanto no plasma. Por fim, ela existe nas seguintes formas químicas: delta tocotrienol, gama, beta, alfa e delta tocoferol, beta e alfa.

Em virtude de suas características, o alfa tocoferol é, desde um ponto de vista biológico, a forma mais ativa (e, também, mais estudada) até os dias atuais.

Se acaso você necessitar de vitamina E, não conseguindo obtê-la a partir da alimentação, os médicos e nutricionistas tendem a indicar a vitamina E em cápsulas, ou seja, a suplementação do nutriente.

Qual a função da vitamina E?

Sobretudo, a vitamina E deve ser entendida como um micronutriente essencial para manter a saúde mental e física, bem como assegurar a proteção das células. Afinal, há evidências científicas que comprovam que seu consumo (desde que em quantidades adequadas) pode auxiliar significativamente o organismo a combater o estresse oxidativo.

Porquanto os mecanismos pelos quais essa vitamina fornece proteção à saúde incluam a função antioxidante (a exemplo da vitamina C), convém ressaltar sua relevância no fortalecimento do sistema imunológico, na inibição de agregações plaquetárias e nos processos anti-inflamatórios.

Além disso, a vitamina E apresenta um grande potencial na prevenção de doenças e na promoção geral da saúde humana. Antes de mais nada, ela está relacionada aos processos metabólicos que culminam na eliminação de radicais livres (ao inibir sua formação e efeitos danosos) e na proteção dos eritrócitos, impedindo que sofram hemólise.

Quanto tempo devo tomar vitamina E?

Em suma, as recomendações médicas de suplementação, geralmente, ocorrem quando a alimentação, conforme mencionado, não consegue, por si só, suprir toda a demanda do organismo.

Por menos que você esteja habituado à ingestão de cápsulas, esse é o melhor método para manter altas concentrações do nutriente nos tecidos e no sangue, acessando os benefícios que a vitamina E aporta para as células, incluindo as da pele.

Então, alimentos multivitamínicos e fortificados podem auxiliar no preenchimento de lacunas entre a inadequação alimentar e a dose recomendada de vitamina E.

Não é fácil delimitar um tempo para tomar a vitamina, uma vez que é preciso considerar a sua rotina alimentar e os hábitos de vida. Como se sabe, isso só pode ser feito com segurança ao buscar o auxílio de um profissional competente, da área da nutrição ou da saúde.

Nesse meio tempo, além de realizar os exames indispensáveis e analisar sua dieta, ele terá as condições adequadas para indicar a suplementação ideal para você.

O que a vitamina E faz na pele?

Sem dúvida, essa substância pode ser usada para melhorar a dermatite atópica e manchas provenientes do depósito cutâneo exacerbado de lipofuscinas relacionadas à idade.

Ao hidratar a pele a partir de dentro, a vitamina E eleva a sua maciez, devido a um efeito acumulativo, propiciando um resultado saudável à pele. Entretanto, ela se demonstra atrativa, especialmente, aos consumidores que desejam melhorar a aparência e a saúde da pele (e, também, dos cabelos).

A princípio, a redução na ingestão de vitamina E, quando associada a uma alimentação deficitária nesse aspecto, é uma das razões pelas quais muitos indivíduos sofrem os efeitos nocivos diretamente na pele.

O ajuste na suplementação (mediante cápsulas ou alimentação) assegura os benefícios da vitamina E. Todos que querem retardar o envelhecimento (precoce ou natural) da pele (principalmente, na área do rosto) encontram vantagens.

Eventualmente, é possível encontrar boas opções sob a forma de cremes que criam barreiras naturais contra os temidos radicais livres – capazes de desencadear as rugas, as linhas de expressão e o aparecimento de manchas.

Quais os alimentos ricos em vitamina E?

Só para exemplificar, os alimentos ricos em vitamina E apresentam grande variedade. Eles incluem, especialmente, os óleos vegetais (como óleo de girassol e o azeite de oliva) e os frutos secos. Entretanto, destacam-se como fontes de vitamina E:

  • Óleo de gérmen de trigo: 17 mg de vitamina E a cada 30 g;
  • Semente de girassol: os mesmos 17 mg em 30 g do alimento;
  • Avelã: contém cerca de 15 mg do nutriente a cada 70 g;
  • Óleo de girassol: são 7 mg da vitamina a cada 13 g;
  • Amendoim: possui 5 mg do nutriente a cada 70 g do alimento;
  • Óleo de amêndoas: contém cerca de 5 mg da vitamina em 13 g do alimento;
  • Castanha do Pará: são 5 mg da vitamina em cada 70 g;
  • Amêndoas: 5 mg de vitamina E para cada porção de 80 g;
  • Pistache: apresenta 4 mg de vitamina E a cada 70 g do alimento.

Quais os principais benefícios da vitamina E?

Igualmente, as principais funções da vitamina E no corpo humano relacionam-se à prevenção dos danos ocasionados pelos radicais livres presentes nas células. Por conseguinte, ela apresenta inúmeros benefícios, como:

  • Combate à infertilidade: de tal sorte, ao consumir vitamina E, os homens podem melhorar a qualidade de seus espermatozoides, elevando sua motilidade. Por outro lado, quanto às mulheres, os estudos ainda não são conclusivos;
  • Prevenção de doenças cardiovasculares: com o intuito de reduzir a mortalidade e a morbidade provocada por doenças cardiovasculares, ingerir antioxidantes pode reduzir as inflamações no organismo e o estresse oxidativo, à medida que esses fatores, comumente, associam-se a várias enfermidades;
  • Prevenção de doenças neurológicas: em seguida, a situação de deficiência de vitamina E no organismo vincula-se às alterações relevantes junto ao sistema nervoso central. O tratamento e a prevenção da Síndrome de Down, Alzheimer e Parkinson, por exemplo, utiliza esses suplementos.

A saber, os benefícios da vitamina E podem ser usufruídos por quem, mediante orientação médica e nutricional, ingere o nutriente. Mesmo que não sejam imediatamente sentidos, esses efeitos ocorrem firmemente contra os danos dos tecidos oxidativos que são induzidos pelos exercícios físicos.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo