Biorremediação é técnica eficiente para descontaminação do solo

Inicio » Meio Ambiente » Biorremediação é técnica eficiente para descontaminação do solo
12/02/2019 Por
Biorremediação é técnica eficiente para descontaminação do solo

A biorremediação é importante no campo e no mar, recuperando ambientes para futuras produções

A biorremediação é de suma importância para a recuperação de um solo contaminado, uma vez que sua utilização está relacionada a diminuição ou remoção do terra infectada por meio de micro-organismos e enzimas.

No campo, a biorremediação tem eficiência na regeneração de uma determinada área contaminada; trazendo, assim, melhorias para o ecossistema. A contaminação da área é perigosa para a produção, já que, quando afetada, a ação é quase irreversível. Assim, além de problemas de solo, trará problemas econômicos por conta do desperdício da produção.

Processo de biorremediação as margens do rio

O que é biorremediação?

Em resumo, o processo de biorremediação está relacionado ao controle de redução ou ou grade recuperação de um solo contaminado. O desastre ocorrido em 2015 na cidade de Mariana é um bom exemplo do que pode causar danos praticamente irreparáveis ao solo; e a técnica de biorremediação pode ser uma alternativa válida na tentativa de melhorias em áreas desse tipo. 

Quando o local está sendo ”desintoxicado”, é comum que agricultores adaptem o solo, aos poucos, com diferentes tipos de fertilização. Este processo é comum e pode ser explicado como uma espécie de “adestramento” da terra. Serve para mostrar que naquela área, futuramente, poderá haver um novo cultivo.

Além de casos de extrema calamidade, a contaminação também acontece em locais que estão abandonados há um certo tempo e, por conta disso, sem cuidados. Neste caso, o cuidado é mais simples e a recuperação mais rápida; no entanto, é necessária a mesma atenção de casos em que o solo está totalmente degradado.

O método de biorremediação é comprovadamente eficiente e, dentro dele, existem dois tipos específicos. São eles:

  • Biorremediação in situ: É um método lento, porém, eficaz. Todo o trabalho acontece no próprio local degradado, sem a necessidade de locomoção. Por isso, o baixo custo é um ponto vantajoso.
  • Biorremediação ex situ: Este tratamento é recomendado para situações em que a contaminação já tomou conta de uma grande área de terra. Neste caso, a técnica faz o uso da remoção de porções da área. Isso, para evitar a contaminação do solo que ainda não foi infectado.

A técnica de recuperação do solo não traz malefícios a saúde; porém, até que a contaminação que está sob solo seja erradicada, pode trazer riscos à saúde de diferentes maneiras. Recente, a biorremediação teve início durante a década de 90, e os primeiros países a aplicar a técnica foram a China e os Estados Unidos.

Processo de biorremediação

A biorremediação no solo

O trabalho no solo é eficaz, todavia, alguns cuidados devem ser tomados para que tenha 100% de eficácia. São eles:

  • Fortes micro-organismos: os micro-organismos utilizados na tarefa devem ser fortes para que sejam eficientes. .
  • Acessibilidade ao problema: o trabalho deve ser visível para que os micro-organismos sejam direcionados para os lugares certo, atingindo diretamente o problema.
  • Condições ambientais: As condições do meio ambiente devem ser compatíveis com as enzimas aplicadas, pois fatores como o PH da água e umidade influenciam diretamente na sobrevivência do micro-organismo que age na recuperação do solo.

Vale lembrar que para um trabalho eficiente na água ou no solo, é necessária a total compreensão do ambiente que está sendo trabalhado; permitindo, assim, que as medidas corretas sejam executadas e a recuperação do solo seja, de fato, possível. 

Agro20 | Portal Vida No Campo