Borrachudo é um inseto que pica humanos e animais e provoca doenças

Inicio » Pecuária » Borrachudo é um inseto que pica humanos e animais e provoca doenças
18/06/2019 Por
Borrachudo é um inseto que pica humanos e animais e provoca doenças

Borrachudo é um tipo de mosquito que causa muito incômodo

O borrachudo é um inseto minúsculo que varia de 1 a 4 milímetros e pica seres humanos e animais para sugar seu sangue. Tem a cor escura, corpo robusto e antenas com 11 artículos semelhantes ao chocalho de cobra.

O borrachudo é encontrado em países tropicais, sobretudo nos riachos, cachoeiras, açudes e florestas. Esses insetos preferem sempre os locais que ficam próximos a água corrente. Ao contrário dos pernilongos, por exemplo, que ficam dentro dos domicílios, o borrachudo é amplamente presente ao ar livre, em ambientes abertos.

A fêmea do borrachudo fixa os seus ovos em pedras, paus e outros objetos que estejam na água. Em quatro dias, eles já viram larvas. Essas larvas, por sua vez, se alimentam do que encontram dentro do ambiente, como por exemplo: vegetais, restos de alimentos, fezes de animais, fezes humanas e carcaças.

Borrachudo

O que é borrachudo?

O borrachudo, como foi mencionado anteriormente, é um mosquito típico de áreas tropicais. Esse inseto se desenvolve muito rapidamente: em 21 dias forma um casulo que se transforma em pupa, uma espécie de berço dos insetos. Mais cinco dias e o borrachudo adulto já está no ambiente pronto para picar seres humanos e outros mamíferos.

Ao ar livre, o mosquito se alimenta da seiva das plantas que ficam à beira da água e do néctar de flores. Apenas a fêmea é hematófaga, ou seja, pica o ser humano e animais. A propósito, ela depende do sangue para desenvolver os ovos.

Origem do borrachudo

Muita gente pensa que o apelido de “mosquinha da soja” atribuído ao borrachudo esteja ligado à criação em laboratório de um inseto para dar cabo das pragas que infestam as lavouras. No entanto, isso não se sustenta porque só no Brasil estão catalogadas mais de 50 espécies de simuliidae, a família à qual pertence o borrachudo. Isso prova que eles estão aqui há mais de uma centena de anos.

Picada do borrachudo

A picada do borrachudo é indolor na hora, mas depois aparece no local um ponto vermelho (petéquia) que coça e dói muito, além de causar irritação e inchaço. Essa reação acontece porque a fêmea precisa raspar a pele da vítima para poder sugar o sangue.

A fêmea ataca a qualquer hora do dia, principalmente o tronco e membros. O borrachudo ataca não só seres humanos, mas de bovinos, caprinos e qualquer animal de sangue quente. Dependendo da quantidade de picadas a vítima pode ter irritabilidade, insônia e severa inflamação.

O inseto da família simuliidae provoca alergia porque ele tem na saliva proteínas e peptídeos. Em razão disso, ao picar, ele deixa essas substâncias na pele de quem foi atingido.

O borrachudo pode provocar doenças graves

Após a picada do borrachudo, quem é alérgico tem fortes reações. Um dos riscos que ameaçam quem é picado pelo borrachudo é a oncocercose, uma doença parasitária causada pela inflamação da picada do borrachudo e do pium que hospeda as larvas do verme.

Ele se desenvolve no sangue do ser humano e provoca tumores de diferentes tamanhos sob a pele. Quando esse tumor se localiza nos olhos, pode inclusive causar cegueira total ou parcial. A oncercose é registrada, por exemplo, na região amazônica no Brasil, na América Central e África Central.

Outra moléstia provocada pelo borrachudo é a Mansonelose, presente na Amazônia desde 1897. A doença provoca dores de cabeça, dores nas articulações, manchas na pele, coceira, febre baixa e confusão mental. Apesar de grave, raramente leva à morte.

Síndrome Hemorrágica de Altamira

O pium, nome dado ao borrachudo na região Norte do país, também é responsável pela Síndrome Hemorrágica de Altamira. A partir de 1972, com a chegada de imigrantes para a colonização da Amazônia, começaram a aparecer os primeiros casos da SHA.

A enfermidade cresceu nos anos seguintes, e os médicos observaram então que o número de doentes aumentava sobretudo na época das chuvas. Por sinal, mesmo período em que o mosquito também proliferava. Cruzando as informações, portanto, os pesquisadores descobriram que o inseto é o causador da doença.

Os sintomas da Síndrome Hemorrágica de Altamira são manifestações de hemorragia da pele, e em alguns pacientes o sangramento das mucosas. O tratamento é feito com corticóides e para hemorragias fortes, a transfusão de sangue. De 1977 em diante, com a queda da imigração e o controle da vigilância epidemiológica a doença regrediu.

Aumento do número de borrachudos é preocupante

O desequilíbrio ecológico provocou uma proliferação do inseto em quantidade preocupante. Os peixes, que eram os predadores naturais do borrachudo, foram morrendo em razão da drenagem de resíduos vindos das indústrias para os rios e cachoeiras. Esses produtos lançados no meio ambiente acabaram por provocar desequilíbrio na natureza, o que resultou na proliferação dos insetos.

Borrachudo

A partir daí, surgiu então a necessidade de monitorar o aumento do borrachudo. No agronegócio, a preocupação é o ataque desses insetos aos ovinos e caprinos. O efeito na prática é a diminuição da produção de leite e carne. As consequências, contudo, são o prejuízo para a pecuária e para o desenvolvimento econômico da região afetada.

Vários estados brasileiros passaram a trabalhar o controle biológico com o uso de produtos à base do BTI (Bacillus thuringiensis israelensis). A Embrapa ( Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) também desenvolveu um inseticida biológico com o nome de “Fim da picada”.

Ele tem como base uma bactéria chamada Bacillus thuringiensis, que controla insetos, mas é inofensivo a seres humanos, animais e ao meio ambiente.

Controle dos insetos

Para evitar a presença de borrachudos, e consequentemente as temidas picadas, é necessário:

  • Retirar os objetos de uso doméstico, entulho, sobras de material de construção da água dos riachos e fontes.
  • Manter os rios limpos de lixo.
  • Não jogar óleo de cozinha, água usada, fezes nem esterco nos riachos.
  • Proteger as matas no entorno de rios e cachoeiras. Isso porque elas são o habitat natural dos insetos e pássaros que se alimentam dos borrachudos.
  • Trabalhar na preservação de peixes, libélulas e sapos que também se nutrem dos mosquitos.
  • Repor as regiões desmatadas com vegetação original.

Como evitar picada de borrachudo

Nas residências, é possível controlar o borrachudo com telas instaladas em portas e janelas, mosquiteiros nos quartos, além de inseticidas. É importante ressaltar o cuidado que o ser humano deve ter no manuseio e uso de inseticidas para que eles não causem intoxicação.

Para evitar a picada do borrachudo os repelentes são eficientes quando usados em mãos, pernas, pés e outras partes descobertas do corpo. Nas caminhadas ao ar livre, a indicação é vestir camisa de mangas compridas e roupas de algodão.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo