Búfalo pode ser bom investimento para pecuária leiteira e de corte

Inicio » Pecuária » Búfalo pode ser bom investimento para pecuária leiteira e de corte
22/04/2019 Por
Búfalo pode ser bom investimento para pecuária leiteira e de corte

O búfalo ganha destaque como segundo maior rebanho do Brasil, perdendo apenas para o gado bovino

O papel do búfalo na pecuária nacional têm crescimento significativo em razão do cruzamento de raças feito pelos pecuaristas. Ele é responsável pela base de uma série de produtos lácteos. Além disso, o animal é destaque entre os consumidores que buscam novas alternativas alimentícias.

O búfalo representa grande vantagem no segmento da pecuária, e não somente pela sua capacidade de produção leiteira. A carne do animal também é considerada mais saudável que a do gado bovino.

Búfalo

Mas afinal, quem é o búfalo?

O búfalo é um mamífero herbívoro, ou seja, apenas se alimenta de vegetais. O animal é de porte grande, e pode chegar a pesar até 900 kg e medir 3 metros de comprimento – com 1,7 metros de altura. Sua pelagem é negra e sua visão não é muito boa; em compensação, o senso de olfato e de audição são bastante apurados.

A raça murrah é mais conhecida entre os pecuaristas e chega a despertar interesse internacional pelo modo como sua criação é feita no Brasil. No país, algumas das principais raças de búfalos nos rebanhos são carabao, murrah e mediterrâneo.

Enquanto as raças carabao e mediterrâneo são altamente indicadas tanto para a produção de carne como de leite; a raça murrah é indicada para a produção leiteira de qualidade.

Como funciona a criação de búfalo

O maior rebanho bubalino do Ocidente se encontra no Brasil, e conta com aproximadamente 1,8 milhão de animais da espécie; sendo que a maior concentração está nas regiões Norte do país.

Uma grande vantagem para o produtor que deseja investir na criação do animal é o fato de seu caráter ser altamente reprodutivo. Em grande parte dos rebanhos, a taxa de produtividade dos animais é alta nas fêmeas e sempre rende ninhadas saudáveis. Outra grande vantagem é o fato de o búfalo doméstico ser bastante dócil e, portanto, de fácil manejo.

No cruzamento de espécies, mais especificamente do búfalo e do touro, o resultado é sempre vantajoso. O bezerro fruto dos animais tem grande resistência ao clima seco do país e, portanto, um ótimo desenvolvimento na criação.

Influencia do búfalo no setor econômico

No âmbito econômico, o destaque deste animal apenas cresce no país e aumenta a receita agro. Em 2017, o faturamento da indústria responsável pela carne e pelo leite da espécie passou de 1 bilhão de reais. A maior parte desta receita está relacionada com parcerias internacionais, como os Estados Unidos e suas grandes demandas de importação.

A produção de leite de búfalo é rica e seu produto contém alto teor de gordura. Esta característica facilita bastante o setor dos laticínios, por exemplo, na produção do queijo de búfala; destinada à tipos como mussarela, frescal e ricota.

Nos últimos anos, com o presente crescimento do setor agro em todo o país, alguns rebanhos de búfalos migraram para as terras paulistanas, em especial, no Sul do estado de São Paulo. O objetivo dos produtores no Sudeste do país está totalmente voltado para o leite.

A vantagem do manejo do animal é o fato de as fêmeas serem mansas e, por conseguinte, de fácil manejo. Outro fator vantajoso é a quantidade de leite produzido diariamente ser alto.

Leite de búfalo orgânico

No ramo da produção leiteira, os segmentos que podem ser seguidos são dos mais variados. No Estado do Paraná, muitos produtores buscam inovações com a produção leiteira e investem em tratamento especial dos búfalos para um mercado de orgânicos.

A alimentação dos animais é feita apenas com vegetais sem nenhum tipo de pesticida em seu desenvolvimento para que, desta forma, o produtor consiga o selo de produto orgânico em sua produção leiteira. Outro cuidado para manter a alimentação totalmente natural engloba a aplicação de vacinas. O uso e a aplicação de injeções só pode ser feita a partir de ingredientes naturais, e sem nenhum tipo substância que altere a genética.

Como vantagem para os produtores focados em uma criação natural se destaca a baixa incidência de doenças. E prova disso é o fato de que o número de animais doentes com mastite, por exemplo, é muito menor do que em um rebanho de manejo comum.

Para os produtores do ramo orgânico, a alimentação e descanso dos animais faz toda a diferença para uma maior qualidade de produção; tanto do leite de búfalo como da sua carne.

Por outro lado, os custos para que o manejo do búfalo seja correto é maior e, por isso, pouco explorado no país. No entanto, vale ressaltar que o retorno econômico deste segmento é alto em função do aumento da procura da população por alimentos mais saudáveis.

Búfalo

Búfalo selvagem

A origem do búfalo selvagem – que tem o búfalo-africano como um de seus principais e mais conhecidos exemplos – pode ser ligada à diferentes regiões da África. O habitat natural destes animais é nas savanas e bosques arborizados. Eles possuem o hábito de beber água pelo menos duas vezes ao dia e passam boa parte do dia próximos aos riachos – local onde gostam de descansar. O período de pastagem acontece quando a temperatura está mais baixa.

Estes animais vivem, geralmente, em manadas que podem variar de quantidade. Os machos mais velhos desta espécie preferem manadas menores, entre dois até cinco búfalos. Por outro lado, as manadas grandes podem chegar a reunir até 500 búfalos em um só grupo. 

No caso da reprodução dos búfalos, não há período do ano específico. Entretanto, a taxa de reprodução costuma ser maior quando se tem uma oferta de alimentos mais abundante; ou seja, em época de maior colheita é quando os animais estão em período de acasalamento.

O período de gestação das fêmeas selvagens dura aproximadamente 340 dias. A cada gestação, a média é de apenas um filhote. As fêmeas contém um instinto feroz quando se trata de proteção da cria e seu dote materno é aguçado.

No Brasil, o búfalo selvagem passou a ser alvo do desejo de muitos pecuaristas da região do Pantanal nos últimos anos. Isso porque, pelo caráter de reação das manadas, se tornaram uma ótima opção para proteger os rebanhos bovinos do ataque de onças pintadas que habitam a região e ameaçam a criação.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo