Camurça: suavidade e textura ainda garantem a utilização do couro

Inicio » Pecuária » Camurça: suavidade e textura ainda garantem a utilização do couro
15/02/2019 Por
Camurça: suavidade e textura ainda garantem a utilização do couro

De onde vem a camurça?

Usada principalmente pelas indústrias têxteis, a camurça é muito comum por sua textura macia e pela alta flexibilidade.

Obtida através do curtimento, a camurça passa por etapas que garantem qualidade e bons aspectos ao produto, visando a comercialização interna e a externa deste tipo de couro.

Camurça de origem animal

O que é camurça?

Camurça é o nome dado a pele de animais usada para a confecção de couro. Este material é feito a partir do processo de curtume realizado na pele dos bichos. A camurça é um couro macio feito através da camada interna da pele, principalmente de caprinos, camurças, bois e cervídeos.

Por ser a camada interna, tem pouca durabilidade embora seja mais veludo em comparação a outros tipos de couro. Além disso, a flexibilidade, suavidade e leveza do material são três das principais características pelo qual a camurça é utilizada. É utilizada principalmente na fabricação de calçados, roupas, acessórios (como pulseiras e cintos), luvas, bolsas, tapetes, etc, tendo assim semelhantes possibilidades de uso do couro de cabra.

No entanto, há no mercado outros tipos de tecidos utilizados – o muskin, por exemplo – em substituição a camurça, devido ao fato dela não ser impermeável e manchar facilmente ao entrar em contato com líquidos.

Como é feita a camurça?

O couro de camurça é feito a partir do processo chamado de curtume – ou alçaria -. Este processo agroindustrial consiste em transformar o couro em produto utilizável, para que então seja comercializado e exportado.

Antigamente, o processo de transformação do couro era realizado por meio da desidratação com o uso de algum tipo de sal (cloreto de sódio, por exemplo, mais utilizada na gastronomia). Ou então, esta transformação era feita através do curtimento, em que colágeno e tanantes (substâncias responsáveis pela conservação vegetal ou mineral, como alumínio e cromo) eram postos ao couro.

As tanantes são substâncias retiradas das cascas de alguns tipos de árvores, que contém alto nível de tanino. O tanino, por sua vez, ao ser misturado com o colágeno, possibilita uma separação das fibras naturais contra bactérias e alguns tipos de fungos. Estes agentes são os principais responsáveis pelo processo de degradação da pele natural.

No entanto, após diversos avanços, o cromo III passou a ser a substância mais utilizada no processo de curtume. Ele possibilita um curtimento mais rápido, além de ser mais econômico e tornar o produto comercial mundialmente.

Etapas do curtimento

Os processos do curtume são, basicamente:

  • Salga: etapa que possibilita o transporte e armazenagem do couro por longos dias;
  • Ensopo / remolho: etapa responsável pela retirada do sal no couro (conservação da pele);
  • Depilação: etapa que possibilita a dissolução dos pelos através do uso de enxofre;
  • Caleiro: etapa responsável pelo aumento da pele por meio da adição de cal hidratada (óxido de cálcio) e faz a higienização das fibras;
  • Desencalagem: etapa responsável pela remoção da cal tornando em ácidas as fibras, além de utilizar enzimas para ajudar na remoção das substâncias químicas;
  • Acidificação e curtimento: etapa responsável por conceder ácidos inorgânicos ao couro, com o intuito de equilibrar o pH da pele. O início do curtimento acontece com a adição de cromo, zircônio, alumínio, etc (exemplos de tanantes), além de vegetais como mimosa, acácia, castanheira, etc (exemplos ricos em taninos).

Assim, somente após estas etapas a pele estará sendo pronta para utilização, ou seja, classificada como couro. Na camurça, por exemplo, há a separação da camada superior do couro (flor) da camada interior (raspa). Portanto, apenas depois do curtume é que a raspa passa a ser considerada camurça.

Segundo o Centro das Indústrias de Curtumes no Brasil, há no país aproximadamente 450 empresas voltadas para este negócio. Por ser um processo que pode agravar alguns impactos ambientais, as indústrias estão investindo em técnicas mais ecológicas e sustentáveis de curtimento, preocupando-se com a saúde e qualidade do meio ambiente. Além disso, estão reciclando os resíduos do couro para que possam ser transformados em novos produtos.

Couro de camurça

Recomendações de conservação

Camurça é um dos tipos de couro mais sensíveis e delicados, portanto sua conservação tem que ser precisa para que o produto permaneça com qualidade durante muito tempo.

Produtos químicos, removedores, sabão e água não podem entrar em contato com o couro, uma que vez que a camurça não possui impermeabilidade. Tecidos macios e escovas com cerdas grossas são os limpadores mais adequadas. Entretanto, devem ser passados em somente um direção.

Além disso, alguns produtos domésticos também podem ser utilizados para a conservação e higienização da camurça. Por exemplo:

  • Creme de hidratação;
  • Condicionador de cabelo;
  • Vinagre branco;
  • Borracha branca (apenas em camurças mais claras);
  • Lixa de unha.

Diferença entre os tipos de couro

O couro camurça é um dos tipos similares a outros couros encontrados no mercado. O couro Nobuck, por exemplo, é um dos couros confundidos com a camurça, porém a diferenciação está no processo de curtimento.

O Nobuck é um couro fisicamente muito semelhante a camurça, embora seja fabricado a partir da parte interna da pele. No entanto, a parte interna passa por uma etapa de lixamento, até que fique com aspecto escurecido e delicado. Além disso, possui pelagem mais curta do que a camurça e é mais resistente. É usado principalmente na confecção de calçados.

Outro produto semelhante à camurça é o muskin. É um tipo de tecido fabricado à base de cogumelos e que também possui um processo de curtimento, embora seja feito de forma natural. O muskin possui alta resistência, confortabilidade e isento de substâncias químicas.

Assim como a camurça, seu uso está voltado para a confecção de calçados, roupas, bolsas, etc. No entanto, não pode ser denominado como um tipo de couro, pois não utiliza produtos de origem animal em sua fabricação. Além disso, é uma das opções para quem visa um desenvolvimento mais sustentável.

Animal camurça (cabra montesa)

Curiosidades sobre a camurça

A camurça surgiu do processo de curtimento realizado inicialmente na pele de um animal também chamado de camurça – ou cabra montesa, encontrada principalmente nas grandes montanhas da Europa, os Alpes europeus.

No entanto, com o passar das décadas, a camurça passou a ser denominada também quando todo o processo e etapa do curtume eram feitos em diferentes tipos de animais, não só a partir da utilização da pele da cabra.

 

Agro20 | Portal Vida No Campo