Cará, frequentemente confundindo com inhame, é rico em vitamina B

Inicio » Agricultura » Cará, frequentemente confundindo com inhame, é rico em vitamina B
17/10/2019 Por
Cará, frequentemente confundindo com inhame, é rico em vitamina B

Cará ajuda a tratar a dengue e é frequentemente confundido com o inhame

O cará é frequentemente confundido com o inhame devido à semelhança entre os dois. Afinal, a dupla é membro da mesma família de legumes. Por essa razão, causam confusão e são difíceis de distinguir para os mais desavisados.

Contudo, é importante ressaltar que o cará possui discrepâncias significativas em comparação com o inhame. De fato, além da aparência, os legumes também se diferem quanto à composição de nutrientes. Por isso, listamos as diferenças entre ambos e os benefícios e cultivo do tubérculo. Confira a seguir!

Cará

O que é cara?

Cará é um alimento com enorme potencial energético, sendo um nome vulgar para Dioscorea alata L.

No Nordeste, o vegetal também é conhecido pelos seguintes nomes:

  • Inhame cará;
  • Cará mimoso;
  • Inhame da China;
  • Inhame selvagem.

O cará possui polpa amarelada ou branca. Após cozida, sua consistência adquire uma textura firme. Assim, o ingrediente se torna ideal para preparos de cremes, sopas, bolos, pães e purês. Além disso, é um acompanhamento excelente para carnes.

De fato, este é um tubérculo muito similar ao seu primo inhame, sobretudo em aparência. Ambos os tubérculos contêm vitamina B, sendo ricos em fibras e amido. Além disso, são alimentos de digestão fácil e potencial energético alto.

Devido a estas qualidades, os tubérculos são alimentos que geram saciedade.

Por outro lado, os primos representam diferenças significativas como, por exemplo, quanto aos usos culinários, propriedades terapêuticas e quantidade de fitoquímicos. Compreenda mais sobre essas diferenças abaixo!

Cará ou inhame?

É importante se ater às diferenças destes legumes se não quiser se enganar na hora da compra. O cará tende a ser mais fino, mais comprido e com uma quantia menor de “pelinhos” ao redor.

O inhame, por outro lado, assume uma forma mais arredondada, enquanto os pelinhos são mais concentrados.

Além desses dois fatores, as raízes também apresentam variação de colorações. Rosado, branco, amarelo e roxo são alguma das cores da polpa do inhame e cará.

As raízes de tom roxo, em especial, detêm um pigmento chamado antocianina, ou seja, um antioxidante importante para o organismo. Além disso, a antocianina atua como um anti-inflamatório natural para o corpo.

Cará moela

Benefícios do cará

Os tubérculos possuem um valor nutricional praticamente igual quando estão em perspectiva seus carboidratos, proteínas e calorias. Isto é, tanto o inhame quanto o cará possuem um teor similar desses nutrientes.

Contudo, existem algumas distinções em termos nutritivos. Por exemplo, o inhame conta com mais do que o dobro de potássio, em comparação ao cará. Esse é o mineral responsável por controlar a pressão arterial.

De fato, o mesmo pode ser dito sobre a quantia de fósforo, que é mais concentrada no inhame. No entanto, o cará também possui vantagens em relação ao primo tubérculo.

Por exemplo, o cará contém mais fibras do que o inhame. Isto é, fibras responsáveis por regular a absorção da gordura. Além disso, também promove melhorias no trânsito intestinal e nos níveis de colesterol.

Sem dúvida, esses benefícios do cará são bem interessantes.

Inhame

O inhame é o nome vulgar do Colocasia esculenta. O tubérculo é apreciado na maioria das regiões do Brasil.

A raiz é arredondada e possui propriedades tônicas do sistema imunológico, propriedades energéticas, diuréticas e anti-inflamatórias.

Cará

Este tubérculo, por outro lado, é rico em:

  • Piridoxina (vitamina B6);
  • Niacina (vitamina B5);
  • Riboflavina (vitamina B2);
  • Tiamina (vitamina B1);
  • Carboidratos;
  • Fibras solúveis.

Além disso, entre os benefícios do cará, estão:

  • Estimular o apetite;
  • Ajudar a regular o metabolismo;
  • Melhorar a digestão;
  • Ajudar a melhorar a saúde dos cabelos e da pele;
  • Melhorar o sistema imunológico;
  • Ajudar a tratar a dengue;
  • Promover ações antioxidantes.

Receitas com cará

Esse alimento com alto teor de energia é muito popular na culinária brasileira. De fato, sua utilização gastronômica é mais comum nas regiões Nordeste e Norte do país.

São diversas as receitas com cará. Afinal de contas, seus usos na cozinha são dos mais variados. Além disso, o tubérculo pode ser uma alternativa de substituição para a batata em diversos pratos e preparações.

O tubérculo aparece em receitas como:

  • Escondidinho;
  • Sopa;
  • Purê;
  • Refogado;
  • Panqueca;
  • Coxinha.

Além disso, o cará cru pode ser transformado em sucos deliciosos.

Cará

Cará moela

O cará moela é uma variedade do tubérculo subterrâneo. Este, por sua vez, se difere na aparência, contudo, compartilha propriedades terapêuticas.

De fato, o cará moela é classificado como uma planta trepadeira. Em seus ramos, são desenvolvidos os tubérculos (carás) comestíveis.

No entanto, apesar das similaridades, o seu uso na culinária é distinto do cará. Isto é, o tipo moela não é indicado para o preparo de pães, nhoques ou purês. Afinal de contas, a sua textura é incompatível com estes pratos.

Além disso, devido ao sabor adstringente e ácido, o cará moela não é apropriado para sucos. Assim sendo, o uso desta variedade é destinada ao preparo de refogados e sopas.

O cará moela recebe esse nome devido ao seu formato, que se assemelha ao de uma moela do frango. A variedade é oriunda da África e ainda pouco conhecida no território brasileiro.

A variedade moela não é muito cultivado comercialmente. De fato, seu cultivo costuma ser feito de modo doméstico em quintais de casas de interior.

Devido à escassez de produção comercial, encontrar o ingrediente no mercado é um evento raro.

Cultivo de cará

Assim como a batata doce, o plantio do tubérculo deve ser feito em camalhões. O uso deste sistema estimula um desenvolvimento superior por parte dos tubérculos. Além disso, a operação de colheita é facilitada a partir dele.

Tubérculos inteiros ou partes de tubérculos devem ser utilizados para o plantio. O tamanho, por sua vez, deve ser de pequeno a médio, isto é, com peso de cinquenta a cento e cinquenta gramas.

Os carás voltados para as “sementes” devem ser armazenados por curto tempo. Afinal, um armazenamento que ultrapassa a validade de um mês acaba ocasionando perdas graves por esgotamento e podridão.

O período que contempla julho e setembro é a melhor época para plantar o tubérculo. Além disso, é também nesse período que é realizada a colheita do legume.

A vantagem de plantar logo no princípio do ano agrícola garante às plantas um desenvolvimento precoce. Assim, o ciclo vegetativo do tubérculo será muito mais prolongado. Por conseguinte, o cará atingirá o potencial máximo na produção.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo