Cisticercose: formas de contaminação, sintomas e tratamento

Inicio » Veterinária » Cisticercose: formas de contaminação, sintomas e tratamento
01/04/2019 Por
Cisticercose: formas de contaminação, sintomas e tratamento

A cisticercose é fruto de uma larva e atinge o organismo humano e animal

A doença cisticercose é provocada por parasitas e deve ser tratada por meio de vermífugos. O avanços dos sintomas sem a presença de tratamento podem levar o gado a óbito.

A cisticercose é decorrente do consumo de carne mal passada de boi ou porco, que infectadas com a larva conhecida como tênia. Sem o uso de medicamentos, esta doença pode ser fatal; já que a larva que causa essa doença é do gênero hospedeiro e consideravelmente resistente.

Larva da cisticercose

O que é cisticercose?

A cisticercose é uma doença provocada pelos parasitas taenia solium ou taenia saginata. A doença é causada apenas pela larva de caráter cisticerco, ou seja, que apresenta vesícula desenvolvida. É muito comum que estas larvas  cheguem até o organismo humano por meio do consumo de carne de porco contaminada, quando ela é servida crua ou malcozida. No entanto, a carne bovina infectada e sem o cozimento apropriado também pode ser responsável pela transmissão da doença.

Este tipo de larva é bastante recorrente em locais onde não há saneamento básico. O contato dos animais com fezes que tenham os ovos da larva faz com o que indivíduo que consome a carne do animal fique esteja sujeito a contaminação pelos ovos do verme.

Outro ponto a ser destacado sobre esta larva é o tamanho que ela atinge no organismo humano. Isso porque uma taenia solium adulta – que, geralmente, mede o mesmo que uma ervilha – pode chegar a impressionantes 5 metros de comprimento quando instaladas no corpo humano.

Além disso, esse parasita (popularmente conhecido pelo nome de solitária) é resistente a tratamentos, uma vez dentro do organismo.

Sintomas da cisticercose

Os sintomas da cisticercose podem se apresentar depois de meses do consumo da carne contaminada. Entretanto, há indícios comuns do dia a dia que são frutos da ação da larva, incluindo:

  • dores de cabeça frequentes
  • dificuldade ou ardência na visão
  • vômitos inesperados
  • infecções variadas

Portanto, apesar de nem sempre apresentar sintomas marcantes, é recomendável que se consulte um médico para exames de rotina; caso haja a suspeita de contaminação.

Como forma de identificar a larva no organismo humano são feitos diversos testes, como tomografia, radiografia, provas sorológicas e outros exames próprios para identificação de parasitas no corpo.

Como prevenir a cisticercose

A doença é fruto da larva tênia, contudo, a maneira como a carne de porco é consumida,é a principal influenciadora da contaminação. A falta de higiene com as mãos após as necessidades, por exemplo, facilita a transmissão de doenças ao indivíduo, e há algumas atitudes do dia a dia podem evitar e diminuir os índices deste tipo de larva no organismo humano.

Lavar as mãos após ir ao banheiro e antes de qualquer refeição, por exemplo, pode ajuda a manter esta e outras doenças longe. Outra forma é evitar o consumo de carne da qual não se saiba a procedência exata; como produtos que não possuem selo da vigilância sanitária, por exemplo.

Em geral, o cozimento do alimento, mesmo contaminado com a taenia solium, têm a tendência de eliminar grande parte dos agentes contaminantes. Portanto, o consumo de carne mal passada não é a melhor forma de prevenir a doença.

Cisticercose

Por outro lado, para que o ciclo da cisticercose seja diminuído, ele pode começar nas áreas rurais no cuidado com o gado. Entre as maneiras de garantir que os animais não estejam sujeitos à nenhum tipo de contaminação está a manutenção da higiene nos ambientes em que o gado circula. Fazer a vistoria do pasto e certificar a saúde do gado também são maneiras de evitar que outros animais sejam contaminados pelo parasita e outras doenças.

Tratamento da cisticercose

Para o tratamento da doença, médicos recomendam uso de remédios antiparasitários. Em âmbito geral, este tipo de medicamento é manipulado adicionando anti-inflamatórios – para que os agentes contaminantes sejam expelidos do organismo. No entanto, não é todo caso de cisticercose que pode ser tratado. Quando ocorrem lesões cerebrais, cardíacas e cegueira, a doença não tem razão de ser tratada, pois as sequelas são para a vida toda.

Ciclo da cisticercose

O ciclo da cisticercose se inicia com o gado infectado em decorrência da falta de higiene no pasto. A taenia solium nasce nos ambientes em que o gado e as fezes ficam expostas no mesmo ambiente; ou seja, em que há a falta de limpeza do local de pasto. Por outro lado, para o ser humano, o ciclo desta larva começa uma vez que ocorre a ingestão da carne de porco ou boi com ovos desta larva. Em seguida, a solitária se instala no organismo do indivíduo e procria ali dentro.

A fase da adulta desta larva demora até 2 meses para se desenvolver no organismo humano. Depois deste tempo, ela já está pronta para depositar ovos e transitar pelo intestino delgado e então, em sua etapa final, deixa o organismo através das fezes. No processo de contaminação, tanto no caso dos porcos como no caso dos seres humanos, ambos são infectados pelos ovos da larva hospedeira.

Mesmo que o indivíduo pare de comer carne de porco, uma vez contaminado, o tratamento é necessário. Assim como dito anteriormente, os indícios que a larva ocasionam no organismo humano são poucos. É preciso se atentar à ocorrência de manifestações irregulares no corpo dos animais e prezar pela saúde deles.

Diferença entre cisticercose e teníase

Ambas as doenças são derivadas de parasitas e podem se instalar no organismo humano e animal. Enquanto a teníase é popularmente conhecida como solitária devido aos vermes do gênero cestoda (desenvolvidos em qualquer faixa etária); a cisticercose é causada pela mesma larva, mas em sua fase adulta.

Enquanto a teníase é adquirida pelo consumo de carne que contém a larva, a cisticercose é ocasionada pelo consumo de alimentos que apresentam os ovos dessa mesma larva.

larva da cisticercose

A larva responsável pela teníase e pela cisticercose alcança até 7 metros dentro do organismo de um indivíduo. Nos dois casos ela causa sintomas leves, como diarreia, perda de peso ou prisão de ventre. Em quase todos os casos, a teníase não apresenta sintomas e seus hospedeiros mais comuns são as crianças.

A saída desta larva do corpo humano ocorre, geralmente, por meio das fezes. Contudo, nos piores caso, é necessária uma cirurgia para sua retirada. O ciclo da teníase é semelhante ao da cisticercose, pois os dois são originários do gado suíno ou bovino.

A falta de saneamento básico facilita que o verme se propague, pois as fezes não são descartadas de maneira apropriada. No âmbito geral, o indivíduo que está contaminado com a cisticercose contém apenas uma larva hospedeira; que se infiltra no organismo humano por meio de alimentos contaminados com a sua larva ou ovos. Por isso, é importante evitar o consumo de carne suína ou bovina malcozida – principalmente, se a sua procedência não for conhecida.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo