Clima semiárido se caracteriza por poucas chuvas e baixa umidade

Inicio » Meio Ambiente » Clima semiárido se caracteriza por poucas chuvas e baixa umidade
20/08/2020 Por
Clima semiárido se caracteriza por poucas chuvas e baixa umidade

Por representar um longo período de seca, um clima semiárido pode ser extremamente prejudicial para a agricultura. Ele interfere diretamente no desempenho do solo, além de dificultar a hidratação das plantas que estão se desenvolvendo na área. Por isso, é fundamental conhecer estas características para que não seja possível perder eventuais investimentos mais tarde.

Também conhecido como clima de estepe, o clima semiárido recebe precipitações abaixo da transpiração natural, mas não chega a ser um volume tão mínimo. Esse detalhe é importante para afirmar que não são ambientes tão secos quanto um deserto, por exemplo. Porém, há uma variedade de biomas nestes locais, pois tudo vai mudar de acordo com as variações de temperatura.

Clima semiárido

O que é clima semiárido?

Clima semiárido é o que pode ser localizado tanto em regiões da América do Norte quanto na América do Sul, além de África e Austrália. Corresponde a um tipo de clima que acaba trazendo períodos mais longos de seca, além de abordar altas temperaturas. Na média, uma região com estas características pode bater cerca de 27 graus considerando os 12 meses do ano.

Além disso, também vale destacar o baixo índice de chuvas, que não alcançam uma média de 750 mm por ano. Essa escassez piora mais ainda por conta das chuvas mal distribuídas, o que deixa algumas partes do solo ainda mais castigadas.

Por isso, há uma grande interferência deste quesito na produção de riquezas em diversas regiões. A ausência de mínimas condições é preocupante para quem tenta produzir o próprio sustento.

Características do clima semiárido

Além da baixíssima umidade, o clima semiárido também tem como principal característica as elevadas temperaturas, que afetam o local até mesmo durante os períodos de inverno.

O baixo índice pluviométrico também interfere demais, pois é este fator que traz menos água para o solo, fazendo com que ele perca os nutrientes essenciais para o plantio. É necessário que as chuvas sejam regulares para que a umidade possa ser constante.

Neste clima, também são poucas as variações apresentadas pela temperatura. O conceito também é conhecido como baixa amplitude térmica, pois não agrega uma grande escala dentro das possibilidades climáticas.

Se um espaço apresenta uma temperatura entre 25 e 27 graus, um sinal de alerta já pode ser emitido. O risco do solo começar a sofrer com o desgaste é muito grande.

Estudando profundamente o solo, é possível notar que ele possui um baixo nível de nutrientes nesses espaços. Por conta da secura e da alta temperatura, é improvável que a terra consiga passar algum nutriente positivo para as plantas. As poucas chuvas que acontecem nestas áreas estão concentradas no primeiro semestre, entre janeiro e maio, por conta da ação irregular de massas quentes e frias.

Clima semiárido

Clima semiárido na economia brasileira

Há uma grande recorrência de regiões que possuem clima semiárido brasileiro. A grande maioria delas está presente na região nordeste do Brasil, onde as altas temperaturas naturalmente atrapalham as condições ideais para a agricultura.

Entre os principais pontos, podemos destacar grande parte do estado da Bahia, Pernambuco, sudeste do Piauí, sul do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Alagoas e o estado de Sergipe.

Essa união de estados nordestinos também é conhecida como “Polígono das secas”, segundo avaliação de especialistas. Os solos da região são amplamente castigados pela falta de umidade e também pela ausência de chuvas, o que torna a alta temperatura ainda mais fatal neste contexto. O cálculo de área aponta que se trata de cerca de 11% do território brasileiro.

Também há uma parte da região sudeste que sofre com os longos períodos de seca. Trata-se do norte de Minas Gerais, onde também são encontrados problemas principalmente nas regiões mais próximas à Bahia. A vegetação destes locais é conhecida como xerófila, pois consegue se adaptar com certa facilidade aos ambientes mais secos. O bioma é chamado de caatinga.

Por isso, boa parte destas regiões ficam limitadas quando o assunto é a produção agrícola. Mesmo com tantas tecnologias criadas, o agricultor acaba escolhendo outra região para dedicar os investimentos. Desta forma, as áreas acabam sofrendo com o mercado interno e são obrigadas a comprar de outros estados, o que acaba gerando um déficit financeiro ainda maior.

Problemas sociais e econômicos

Todo este cenário leva a um problema grave: a falta de água. Por isso, muitas regiões do país estão submetidas ao clima semiárido e acabam sofrendo com esta ausência. Mas a situação se torna ainda mais complicada por não haver desenvolvimento de agricultura na área, pois este tipo de atividade traz desenvolvimento e riquezas ao longo do processo.

Por isso, há um movimento de migração constante das pessoas que moram nestas regiões, marcadas pelas péssimas condições de vida e falta de desenvolvimento. São muitas as pessoas que saem dos campos secos localizados no nordeste, por exemplo, pois há uma grande parcela da população que não enxerga perspectivas neste ambiente.

Apesar de não ser uma característica marcante de deserto, o semiárido acaba formando este tipo de cenário em algumas regiões. O processo de saída das pessoas se torna tão constante que é possível verificar a formação destas áreas desérticas, já que as mudanças climáticas também intensificam as ondas de calor. Dessa forma, o ambiente fica ainda mais seco.

O solo fica com quantidades ainda maiores de sal em seu interior, o que é um efeito do desmatamento, É muito difícil manter um manejo ideal para a terra caso esteja sob condições de forte calor e baixa umidade, o que acaba terminando em agricultura inadequada.

Clima semiárido

Clima semiárido em outras partes do planeta

Há uma série de outras regiões que também se preocupam com a vegetação semiárida. O trio da América do Norte, composto por México, Canadá e Estados Unidos, também sofre com os efeitos climáticos. Na América do Sul, além do Brasil, é possível constatar o problema com maior intensidade em Equador e Venezuela.

A Europa conta com vários países que enfrentam problemas com o clima semiárido. Entre eles estão Turquia, Espanha, Rússia e Ucrânia. Mas é a Ásia que mais sofre com esta situação, trazendo uma lista com Paquistão, Azerbaijão, Turcomenistão, Armênia, Geórgia, China, Cazaquistão, Iêmen, Arábia Saudita, Mongólia, Índia, Iraque, Irã e Afeganistão.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo