Cotação do café e as oscilações da Bolsa interna e externa

Inicio » Agronegócio » Cotação do café e as oscilações da Bolsa interna e externa
03/06/2019 Por
Cotação do café e as oscilações da Bolsa interna e externa

Entenda como ocorrem as oscilações da cotação do café

A cotação de café é algo analisado constantemente, a todo tempo. As oscilações neste mercado são altas devido inúmeros fatores. O mercado externo e a Bolsa de Nova Iorque, por exemplo, têm impactado diretamente nas mudanças ocorridas dentro da bolsa nacional deste grão. Por isso, é importante que os produtores também estejam atentos aos fatores que podem impactar suas produções e vendas.

Dessa forma, a cotação do café é aplicada seguindo conceitos básicos e por meio de unidades de medida que ajudam nos cálculos. Outro fator importante, por exemplo, são os tipos de café encontrados em solo brasileiro. Eles têm características marcantes que caíram no gosto popular dos brasileiros e fizeram com que a procura fosse cada vez maior.

Cotação do café e oscilações na Bolsa

O que é cotação do café?

Cotação do café nada mais é do que o preço do produto ativo em um certo momento, definido pela oferta e procura do café no mercado. Em outras palavras, quando a procura pelo café aumenta, o preço sobe. Já quando a oferta do café é maior, o preço cai.

Cotações do preço do café na Bolsa

Nas atividades realizadas dentro do comércio do café, principalmente no ato de estabelecer o preço do produto, são muitas as influências das oscilações nas cotações em bolsas internacionais especializada; como a de Nova Iorque para os cafés arábica e a de Londres para os cafés robusta, por exemplo.

Na verdade, isso acontece porque os novos técnicos inseridos na assistência aos produtores e os próprios cafeicultores não sabem bem como a variação diária das cotações na Bolsa podem afetar internamente os preços do café no Brasil.

Variações do preço do café na Bolsa – Nova Iorque

A Bolsa de Nova Iorque é uma das principais do mundo. Nela, as oscilações das cotações do café são registradas em pontos por libra-peso. Portanto, o ponto refere-se à uma fração de dólar. Dessa forma, é preciso conhecer o valor das unidades a serem utilizadas no cálculos para conhecer, em reais, a importância de uma alta ou baixa dos valores.

Por exemplo: 1 dólar = centavos e 1 centavo de dólar = 100 pontos. Desse jeito, uma variação de 10 mil pontos corresponderia a 1 dólar. Outro exemplo: se uma libra de peso corresponde a 453,6 gramas e uma saca de café a 60 quilos, tem 132,3 libras-peso.

Se, por exemplo, a Bolsa tivesse uma perda de 400 pontos em um dia, teria-se então uma perda de 0,04 dólares por libra-peso; que multiplicado por 132,3 resultaria numa baica de 5,29 dólares por saca. Ou então, na cotação do dólar do dia, significaria uma perda de aproximadamente 11,64 reais por cada saca.

Entretanto, as oscilações de preço em Bolsas externas para os preços internos do café brasileiro não é direta, pois outros fatores estão envolvidos. Sendo assim, caso não haja uma política eficiente de preços mínimos (para que a renda do produtor seja protegida, nem um outro modo seguro de remuneração), a tendência analisada nas Bolsas internacionais irão logo se refletir sobre as internas, e passam a recair sobre o preço pago aos cafeicultores.

Oscilações no mercado: unidades

Como no exemplo anterior, o valor das unidades utilizado nos cálculos são:

  • 1 dólar = 100 centavos;
  • 1 centavo de dólar = 100 pontos;
  • 1 dólar = 10.000 pontos;
  • 1 libra-peso = 453,6 gramas.

Café no Brasil

Cotação do café: tipos de café

O Brasil é um país cuja diversidade de regiões estão ocupadas pela cultura do café. Sendo assim, a variedade de relevos, altitudes, latitudes e climas possibilitam que o país produza os mais variados tipos de grão, sendo então capaz de suprir a necessidade de demandas de paladar e preços dos consumidores internos e dos consumidores externos.

Toda essa diversidade também possibilita as várias misturas de tipos, como, por exemplo:

  • Café de terreiro;
  • Café natural;
  • Despolpado;
  • Descascado;
  • De bebida suave;
  • Ácidos;
  • Encorpados;
  • Aromáticos;
  • Cafés especiais.

As principais espécies plantadas no Brasil são as de café arábica (que correspondem a 80% da área) e o conilon, também chamado de robusta.

O Brasil ocupa o 1° lugar do ranking de maior produtor de exportador de café, além de ocupar o 2° lugar de maior consumidor da bebida no mundo. Na pauta de exportação brasileira, o café é o 5° produto (movimentou US$ 5,2 bilhões no ano de 2017).

Sendo assim, a área para a plantação de café equivale a 2 milhões de hectares com em média 300 mil produtores, pequenos e mini, com cerca de 1.900 municípios. Os principais Estados produtores são:

  • Minas Gerais;
  • São Paulo;
  • Espírito Santo;
  • Bahia;
  • Rondônia;
  • Paraná;
  • Rio de Janeiro;
  • Goiás;
  • Mato Grosso;
  • Amazonas;
  • Pará.

Sendo o Estado de Minas Gerais o maior produtor da espécie arábica, seguido por São Paulo, Espírito Santo e Bahia. Segundo a CONAB (Companhia Nacional de Abastecimento), o conilon é cultivado principalmente no Espírito Santo, na Bahia e em Rondônia. Além disso, ele concentra cerca de 95% da produção nacional.

Espécies cultivadas

Como dito anteriormente, o Brasil têm condições climáticas favoráveis à produção do café. Ao todo, são 15 regiões produtores. Os produtores brasileiros têm padrões variados de aromas e qualidades além das duas espécies apresentarem grande variedade de linhagens.

O café conilon ou robusta (Coffea Canephora) é utilizado principalmente na fabricação de cafés solúveis e em algumas misturas com o café arábica. Ele apresenta um sabor particular, tem menos acidez e maior teor de cafeína. Predominante nas lavouras do Espírito Santo, Rondônia, Bahia e Minas Gerais.

Já o café arábica (Coffea arabica L.) consiste em um produto mais requintado, fino e com melhor qualidade. Esse é um dos tipos de café cultivados em altitudes acima de 800 metros. E então, as lavouras são predominantes nos estados de Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Bahia, Rio de Janeiro e Espírito Santo.

Tipos de café

Além das espécies arábica e conilon (robusta), há outros tipos de café conhecidos e classificados no mercado.

Dentro do grupo I da espécie arábica temos:

  • Bebida estritamente mole: é considerada a melhor bebida do café. Tem um aroma agradável, é muito suave e altamente doce. Além disso, pode ser ingerida naturalmente, ou seja, sem adição de açúcar.
  • Bebida mole: esta bebida apresenta as mesmas características da anterior, o que muda é a suavidade e a doçura, no entanto, ambas são menos fortes e intensas.
  • Bebida apenas mole: esta bebida tem pouca doçura e pouca suavidade. Além disso, é notável uma leve adstringência no fundo.
  • Bebida dura: esta bebida apresenta um travo na língua ao transmitir uma sensação de aspereza na boca e de secura. É muito semelhante à sensação de estar comendo uma fruta verde.

Já no grupo II da espécie arábica são encontradas, por exemplo:

  • Riada: bebida que apresente um aroma leve e um sabor químico medicinal. Ela é semelhante ao gosto de remédio.
  • Rio: bebida com aroma e sabor químico medicinal mais acentuados do que a anterior.
  • Rio zona: bebida com sabor químico medicinal e aroma muito fortes, por isso são percebidos facilmente.

Cotação do café: preço dos grãos

Cotação do café hoje

Os dados a seguir são referentes ao dia 2 de junho de 2019, disponibilizado por Safras & Mercado.

Bica Dura – R$/Sc 60 quilos, café arábica:

  • Minas Gerais, cidade de Varginha:
  1. Atual: 370,00
  2. Mínima: 370,00
  3. Máxima: 375,00
  4. Abertura: 370,00
  5. Compra: 370,00
  6. Venda: 375,00
  7. Variação: +0,00
  • Minas Gerais, cidade de Manhuaçu:
  1. Atual: 360,00
  2. Mínima: 360,00
  3. Máxima: 365,00
  4. Abertura: 360,00
  5. Compra: 360,00
  6. Venda: 675,00
  7. Variação: +0,00

Bica Dura 6 – R$/Sc 60 quilos, café arábica:

  • São Paulo, cidade de Franca:
  1. Atual: 375,00
  2. Mínima: 375,00
  3. Máxima: 380,00
  4. Abertura: 375,00
  5. Compra: 375,00
  6. Venda: 380,00
  7. Variação: +0,00
  • Bahia, cidade de Vitória da Conquista:
  1. Atual: 360,00
  2. Mínima: 360,00
  3. Máxima: 365,00
  4. Abertura: 360,00
  5. Compra: 360,00
  6. Venda: 365,00
  7. Variação: +0,00

Bica Dura 6/7 – R$/Sc 60 quilos, café arábica:

  • Paraná, cidade de Londrina:
  1. Atual: 370,00
  2. Mínima: 370,00
  3. Máxima: 375,00
  4. Abertura: 370,00
  5. Compra: 370,00
  6. Venda: 375,00
  7. Variação: +0,00

Conillon tipo 7  – R$/Sc 60 quilos:

  • Espírito Santo, cidade de Colatina:
  1. Atual: 265,00
  2. Mínima: 265,00
  3. Máxima: 268,00
  4. Abertura: 265,00
  5. Compra: 265,00
  6. Venda: 268,00
  7. Variação: +1,92

Conillon 400 defeitos  – R$/Sc 60 quilos:

  • Rondônia, cidade de Cacoal:
  1. Atual: 250,00
  2. Mínima: 250,00
  3. Máxima: 255,00
  4. Abertura: 250,00
  5. Compra: 250,00
  6. Venda: 255,00
  7. Variação: +4,16

Peneira  – R$/Sc 60 quilos:

  • Minas Gerais, cidade de Cerrado:
  1. Atual: 400,00
  2. Mínima: 400,00
  3. Máxima: 405,00
  4. Abertura: 400,00
  5. Compra: 400,00
  6. Venda: 405,00
  7. Variação: +0,00

Previsão do preço do café

O preço do café é motivado e impactado diretamente pelo mercado climático. A massa de ar polar atrapalha os trabalhos de colheita e interferem no processo de secagem dos frutos. No entanto, isso resulta em mudanças de comportamento dos fundos, que diminuem seu saldo vendido também em meio às análises sobre a possibilidade de geada nos cafezais do Brasil.

Dessa forma, com a chegada das precipitações atípicas durante a época o outono/inverno e o risco de geadas, o mercado precisa continuar fazendo o monitoramento do clima brasileiro para observar a possibilidade de perda de qualidade dos cafés. Essa perda pode ser provocada pela queda dos frutos ao chão e pela umidade.

No entanto, as cotações do café são impulsionadas pela evolução internacional no mercado físico. Os cálculos indicados pela Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada) para as variedades conilon e arábica se fixaram em R$ 299, 04 por saca e R$ 414,31 por saca, com ganhos de 3,9% e 5,7%.

Preço do café

Dado o movimento internacional refletido sobre o mercado interno, um café cereja descascado bem preparado pode ser encontrado por em média R$ 450 a saca de 60 quilos. Já um café fino ou extrafino, por exemplo, produzido na região da Mogiana Paulista, pode ser encontrado por aproximadamente R$ 430,00. O bebida dura, de xícaras mais suaves e fracas, pode ser encontrado numa média de R$ 390,00.

Portanto, é notório que a cotação do café tem aumentado nos últimos tempos. Em climas mais frios, por exemplo, a oferta e a procura sobem e os riscos de danos às culturas também são elevados. No entanto, o valor da cotação é oscilado constantemente. Para saber a importância deste commoditie é preciso fazer uma avaliação constante das oscilações, já que elas são causadas por inúmeros fatores. Sendo assim estes fatores podem valorizar ou desvalorizar os produtos, tanto no mercado interno quanto no mercado externo.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo