Criação de coelhos, ou cunicultura, é comum no Brasil

Inicio » Agronegócio » Criação de coelhos, ou cunicultura, é comum no Brasil
08/12/2020 Por
Criação de coelhos, ou cunicultura, é comum no Brasil

A criação de coelhos, diferente da criação de bovinos, suínos e aves, tem produção espalhada em pequenas propriedades, muitas delas, fundos de quintal, sendo, por isso, difícil contabilizar exatamente a produção desse animal e para quais finalidades. O investimento inicial da cunicultura, criação de coelhos, em média, é de R$ 2.500.

Mas algumas estimativas projetam a criação de coelhos mundial em 1,2 bilhão de cabeças, o que totaliza 200 milhões de toneladas de carne. Os países que mais se destacam na cunicultura são Itália, Espanha, Venezuela, Coreia do Norte, Egito e Espanha. Esta última lidera o ranking mundial.

Criação de coelhos

O que é criação de coelhos?

Criação de coelhos para fins comerciais é o trabalho de reservar um espaço específico para alocar os animais para que cresçam e se reproduzam, até o momento do abate, em condições adequadas de higiene e alimentação.

A exploração da carne animal não é a única finalidade existente na cunicultura, pois a pele também é muito requisitada e, além disso, há sempre uma boa demanda no mercado pet.

A criação de coelhos também pode ter como finalidade a criação doméstica. Independente da motivação, a cunicultura necessita de cuidados básicos na alimentação e na higienização do ambiente que os coelhos ficarão.

No caso de necessitar estimular a reprodução, outros detalhes devem ser observados para garantir o nascimento e desenvolvimento saudável dos filhotes.

Alimentação e reprodução de coelhos

Sem dúvida, um dos maiores gastos com a criação de coelhos é a alimentação, já que cada animal necessita de pelo menos 150 gramas de feno, 30 gramas de ração e 100 gramas de hortaliças para cada quilo de peso.

Nota-se pela especificação das quantias mínimas diárias que a dieta do animal não pode ser composta por qualquer tipo de alimento. A dieta deve ser basicamente de gramíneas (algumas), leguminosas e rações balanceadas que estiverem disponíveis no mercado.

O coelho é considerado um animal prolífero, capaz de gerar vários descendentes em curto período de tempo, pois seu ciclo reprodutivo é curto. O período de gestação é de 31 dias.

Oito partos por ano produz, em média, 50 filhotes.

Portanto, para quem pretende criar coelhos para criação doméstica, atente-se que o número de animais em seu quintal ou fazenda pode aumentar significativamente em pouco tempo se você não tomar ações restritivas quanto à reprodução das fêmeas.

A carne de coelho

Sem dúvida, uma das maiores motivações para a criação de coelhos é a valorização da carne do animal, considerada nobre e mais saudável do que as carnes bovinas.

A carne de coelho tem mais proteínas e menos gordura em comparação com a bovina. Colocando essa diferença em porcentagem, temos a carne de coelho com 20,8% de proteínas contra 16,3% da bovina.

A gordura está presente em 10,2% na carne dos orelhudos, menos da metade da que se verifica nos animais de grande porte, 28,0%.

Claro que essas vantagens nutricionais seriam diluídas se a carne de coelho não fosse saborosa. Certamente, o maior impeditivo para a sua popularização é o seu preço, normalmente mais elevado do que as carnes mais tradicionais.

Criação de coelhos

Local de criação de coelhos

Coelhos podem ser criados em gaiolas individuais ou em galpões. As gaiolas devem ser de metal, ficar suspensas e precisam ter 80 cm de comprimento, 60 cm de largura e 45 cm de altura.

O galpão deve ser aberto e ter cortinas para regular a ventilação. O melhor piso é o de terra. Já o corredor, recomenda-se que seja cimentado, pois facilita na hora da limpeza e no manejo.

O investimento inicial para a criação de coelhos gira em torno de R$ 2.000 a 2.500 reais.

Estimulando uma boa reprodução

Para garantir uma boa reprodução, é preciso fazer uma seleção que priorize a boa genética. Para fazer tal seleção é necessário anotar algumas informações ao fazer os primeiros experimentos.

Quando a fêmea estiver no cio, leve-a para a gaiola do macho. Marque em uma ficha de controle a data do acasalamento e o macho usado.

Anote principalmente se a fêmea emprenhou e quantos filhotes ela teve, ou se o acasalamento falhou.

Para saber se a fêmea ficou prenha, apalpe-a depois de 10 dias do acasalamento para fazer a confirmação.

Se a fêmea não tiver emprenhado, ela volta para a cobertura imediatamente, mas caso tenha, ela recebe o ninho no vigésimo sétimo dia.

Com essas anotações, saberá quais os coelhos, os tipos, as raças mais eficientes na reprodução e poderá selecioná-los nos acasalamentos futuros.

Os filhotes são desmamados após 35 dias de vida. Passado esse período, eles vão para a engorda, onde ficam até o momento do abate, passados 90 dias.

Criação de coelhos soltos

A criação de coelhos tem mais de um sistema. Um deles é a criação de coelhos soltos, isto é, em total liberdade. Esse modo de criação é chamado de “extensiva”.

Os coelhos são soltos em grandes áreas com cerca de 1m de altura e com piso suspenso preferencialmente em uma rede de arame, mas também pode ser de cimento com cama de maravalha.

Nesse sistema, o criador não tem controle sobre os coelhos (paternidade, data de nascimento, etc).

Criação de coelhos

Criação de coelhos gigantes

Muitos produtores estão preferindo investir na criação de coelhos gigantes, porque naturalmente lucram mais com o peso da carne. No entanto, é necessário considerar que, por serem gigantes, comem mais do que as espécies comuns, o triplo; consequentemente, dão mais trabalho na limpeza.

Criação de coelhos domésticos

A criação de animais domésticos é muito comum entre os brasileiros, entretanto, os animais típicos de serem criados em casa, sem dúvida, não são coelhos, mas gatos e cachorros. Por isso, muitos precisam de informações básicas sobre a criação de coelhos domésticos.

O local de criação, por exemplo, idealmente, deve ter espaço para que os coelhos possam se exercitar. Mas se o local for de terra, mesmo que seja terreno com solo muito duro, o animal conseguirá fazer buracos fundos, pois gosta de cavar.

Na parte da alimentação, os coelhos não gostam que se modifique muito o cardápio. Por isso, preste atenção no que preferem comer para servi-los frequentemente com o mesmo tipo de comida.

A dica é comprar ração. Porém, isso não significa que não deva adicionar algum alimento novo na dieta. Pelo contrário, essa atitude é benéfica na criação de coelhos domésticos, apenas não deixe de fornecer o alimento que mais aprovam.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo