A eutrofização e os seus diferentes impactos na natureza

Inicio » Meio Ambiente » A eutrofização e os seus diferentes impactos na natureza
01/04/2019 Por
A eutrofização e os seus diferentes impactos na natureza

A eutrofização é um efeito natural que preocupa ambientalistas

Embora o processo de eutrofização possa ocorrer tanto por meios naturais quanto pela força humana, ele raramente acontece por força da natureza.

A eutrofização, que consiste no acúmulo exagerado de matéria orgânica, pode causa diversas consequências ao meio ambiente, incluindo a poluição da água.

O que é eutrofização?

A eutrofização é um processo natural ou artificial que leva à proliferação de algas ou de resíduos orgânicos. O fenômeno da eutrofização acontece em lagos e represas os quais não têm muita movimentação. Esta problemática também conhecida como eutroficação. Geralmente, é ocasionada pelo acúmulo de matéria orgânica vinda dos esgotos e do desenvolvimento de algas.

Dentre os diversos fatores que podem impactar para o surgimento destes elementos, estão: dejetos domésticos, resquícios de defensores agrícolas e diferentes substâncias industriais.

Quando estes elementos são descartados de maneira incorreta, causam preocupação aos ambientalistas. Isso porque a saúde dos lagos e represas que estejam na região pode ser diretamente afetada. Muitas delas, inclusive, deixam de existir em função do contato com tais substâncias.

As mudanças ambientais ocasionadas em decorrência do descarte errado destes elementos resulta em um grande desequilíbrio. Um dos processos que pode causar nos rios é a sucessão ecológica – denominação atribuída às mudanças que um ambiente sofre ao receber novas populações no meio.

Portanto, pensar nos efeitos que este fenômeno causa no ambiente gera uma preocupação ecológica e a buscar por mudanças de atitudes a fim de mudar o cenário.

O processo completo da eutrofização

Como ocorre a eutrofização?

A eutrofização natural acontece pelo grande acúmulo da matéria orgânica no meio. Este material é naturalmente decomposto e faz com o que haja uma alteração na água, levando ao crescimento demasiado de algas. O fato do alto desenvolvimento destas plantas faz com o que aumente a população dos seres decompositores, como as bactérias aeróbicas, por exemplo.

Por outro lado, a eutrofização artificial é decorrente do descarte incorreto de certas substâncias. Os maiores causadores desta situação são os dejeto humanos e os de animais. Estes dejetos proporcionam aumento dos nutrientes e a proliferação de algas.

Em outro caso, a indústria também é um forte agente causador. O uso diário de shampoos com alto teor de sulfato na composição, por exemplo, quando são retirados no banho, seguem o curso pelo esgoto até caírem em represas e lagos. O sulfato de sódio do produto altera o pH da água e pode causar desequilíbrio.

Influência do mundo agro nesta problemática

O mundo agro também tem uma parcela de responsabilidade na eutrofização artificial. É muito comum, hoje em dia, o uso  de fertilizantes e pesticidas na irrigação e manutenção de plantações. Entretanto, quando feito de maneira descontrolada e displicente, o uso desses elementos pode causar impactos negativos ao solo. Eles podem, ainda, serem prejudiciais à água – em função dos agentes químicos na composição.

As substâncias usadas para garantir a produtividade rural , como alguns fertilizantes, são ricas em nitrogênio e fósforo. Quando aplicados em grandes quantidades, podem não ser absorvidos pelas plantas por completo. Com isso, a sobra destes elementos é canalizadas até um corpo d’água próximo da plantação. Por consequência, pode ocorrer a contaminação de lençóis freáticos.

Na pecuária, o cenário não é muito diferente. O descarte inapropriado vindo deste setor também é um fator tem a tendência de agravar esta problemática. Tendo em vista que os restos de alimentos, de urina e fezes dos animais, geralmente, não receber um destino apropriado – fica claro que podem agravar os sintomas da eutrofização. Isto porque os dejetos dos animais são de caráter ácido e causam a contaminação da água.

Quais as consequências da eutrofização?

As consequências da eutrofização vão além da contaminação do meio, e a principal é o alto crescimento das algas. A partir disso, ocorre o desenvolvimento de uma ‘cortina verde’ na base da lagoa ou rio afetado. Este fenômeno faz com o que a passagem de luz seja dificultada. Deste modo, as plantas e os animais que vivem neste meio não recebem a quantidade de nutrientes solares dos quais necessitam, e também há uma baixa no nível de oxigênio.

Outra atividade que é interrompida por este fenômeno é o processo da fotossíntese. Com a falta de fotossíntese, há uma baixa produtividade dos animais que vivem no meio, e em alguns casos a morte deles. Por conseguinte, acontece um desequilíbrio da flora e fauna local.

Lago após o processo de eutrofização

Outro fator que ocorre no meio é uma diminuição da transparência da água, assim como um mau cheiro e alteração da sua coloração. Os impactos na natureza e contaminação da água, além de afastarem animais, também podem afastam os turistas. Com isso, pode ser que aconteça uma baixa no mercado do turismo devido aos ambientes não preservados. Este fator tendem a acarretar prejuízos econômicos às empresas no ramo turístico.

Como realizar o controle da eutrofização

Para que haja um controle deste fenômeno é necessária a aplicação de métodos preventivos de cunho ecológico. A partir de atitudes no dia a dia, é possível reverter este cenário e ajudar na preservação de ambientes naturais.

Uma alternativa é o consumo de produtos da indústria que tenham uma taxa reduzida de ingredientes danosos ao meio ambiente em sua composição. Pensar em alternativas para o descarte dos dejetos humanos e animais – para que seu destino não seja o rio – é outra forma de diminuir os impactos negativos.

No mundo agro, pode ser feita diminuição da quantidade de agentes químicos na plantação; como, por exemplo, os fertilizantes. Além disso, o produtor pode procurar reduzir o uso pesticidas, pois eles podem ocasionar danos para o solo e para a água.

Já no caso dos pecuaristas, procurar transformar os dejetos os animais em adubo é uma ótima alternativa. Esta ação, além de evitar que contaminem lagos, também ajuda a gerar um solo mais fértil ao produtor. Os elementos que compõem as fezes dos animais são ricos em nutrientes; portanto, são responsáveis por um fortalecimento do solo e geram um plantio mais produtivo.

Tendo em vista que a eutrofização é um fenômeno preocupante ao ecossistema (por poder causar queda na biodiversidade); fica claro que o incentivo a práticas ecológicas é importante.

Agro20 | Portal Vida No Campo