Farinha láctea: alimento a base de grãos que compõe a dieta infantil

Inicio » Agricultura » Farinha láctea: alimento a base de grãos que compõe a dieta infantil
04/04/2019 Por
Farinha láctea: alimento a base de grãos que compõe a dieta infantil

Farinha láctea e sua riqueza em nutrientes

A farinha láctea, ao contrário do que muitos pensam, não é somente consumida por bebês e crianças, alguns adultos também aderem seu consumo. No entanto, é um alimento desenvolvido com foco na base da alimentação infantil, auxiliando mães a alimentarem de forma saudável os seus filhos.

Farinha láctea é um alimento rico em fibras, assim como muitos outros tipos de farinha. Ela pode ser consumida tanto com leite, em forma de mingau ou associada ao consumo de frutas. Sua invenção se deu na Suíça e desde então passou a popularizar-se.

Mingau de farinha láctea

O que é farinha láctea?

Farinha láctea é um alimento desenvolvido no ano de 1867, por Henri Nestlé – dono da marca conhecida. Seu principal objetivo era desenvolver um tipo de alimento que pudesse servir em substituição ao leite materno, principalmente para crianças com problemas no sistema digestivo. A mistura foi desenvolvida a base de farinha de trigo, leite e açúcar, os ácidos e o amido são retirados.

Há quem diga que Henri desenvolveu a fórmula principalmente pelo crescente aumento da desnutrição infantil e do intenso índice de mortalidade de crianças e bebês na Suíça.

Outras marcas passam a produzir e comercializar o produto. Geralmente, sua composição consiste em 25% de leite, 25% de açúcar e 50% de farinha. Dessa forma, seus principais ingredientes são:

  • Farinha de trigo enriquecida com ácido fólico (vitamina B9) e com ferro;
  • Vitaminas;
  • Sal;
  • Minerais;
  • Aromatizante;
  • Leite em pó integral.

No Brasil a marca passou a ser comercializada apenas em 1876, sendo um produto importado da Suíça. Já na década de 20 passou a ser fabricada em larga escala.

Composição da farinha e informações nutricionais

A composição da farinha é baseada em servir repondo energias. Rica em carboidrato, a farinha láctea é também fonte de vitamina A, C, D, E e vitaminas do complexo B.

Sua composição é também rica em fósforo, ferro e cálcio. No entanto, não é um alimento livre de gorduras. Seu percentual de proteína é baixo, pois isso o consumo deve ser eventual e não excessivo, uma vez que possui altos índices de açúcar e glúten na composição.

Por ser um alimento com quantidade insuficiente de fibras, ela influencia de forma não positiva na velocidade em que os açúcares são absorvidos. Eles são, portanto, absorvidos rapidamente, aumentando a possibilidade do ganho de peso.

O ganho de peso pode ser contribuído quando associado a outros alimentos, como, por exemplo, frutas, suplementos alimentares e vitaminas. Entretanto, a farinha deve ser consumida de forma moderada, devendo atentar-se a quantidade ingerida.

Benefícios da farinha láctea

Por fornecer quantidade significativa de vitaminas, ela é um alimento que auxilia diretamente no bom funcionamento do corpo.

A vitamina C presente em sua composição é responsável por melhorar a absorção dos nutrientes. Ela também serve como antioxidante, protegendo e realizando a manutenção das células presentes no organismo.

Já as vitaminas do complexo B são essenciais pois fazem uso dos aminoácidos, dos ácidos graxos e da glicose.

Por ser fonte de ferro contribui diretamente transportando o oxigênio para os músculos. Esta função ocorre com maior eficácia quando associada a vitamina C.

Origem da farinha

A farinha láctea é somente um dos vários tipos de farinha fabricados pelo homem, assim como a farinha de trigo, a farinha de milho, farinha de mandioca, farinha de aveia, entre outras.

A produção de farinha em si nada mais é do que um pó desidratado, rico em amido, utilizado na alimentação e feita por meio de cereais moídos ou de partes vegetais, como, por exemplo:

  • Centeio;
  • Cevada;
  • Aveia;
  • Milho;
  • Trigo;
  • Painço;
  • Raiz da mandioca, entre outros alimentos.

Por muitos anos, esses e outros alimentos semelhantes passam a servir como moeda de troca, forma de pagamento ou troca direta entre camponeses e agricultores, como é o caso do escambo.

Na Europa, mais especificamente em Portugal, o trigo e o milho mantêm-se sendo os principais cereais de cultivo tradicionais mais plantados.

Um dos produtos feitos a base de farinha e reconhecido como base principal de sustento da população é o pão.

Tipos de farinha

Farinha láctea: farinha branca

Os tipos de farinha mais conhecidos, fabricados, exportados, importados e consumidos mundialmente, além da farinha de trigo, são:

  • Farinha de amêndoa: rica em vitamina E, também serve como antioxidante;
  • Farinha de arroz: é fonte de fibras e energia, ajuda na saúde do coração e contribui para o bom funcionamento do intestino;
  • Farinha de aveia: ajuda a capturar o colesterol no sangue e possibilita a sensação de saciedade;
  • Farinha de sorgo: fonte de fibras e proteínas, possui baixo teor de gordura. Além disso, é rica em cobre, potássio, ferro e fósforo;
  • Farinha de chia: importante no auxílio do controle de peso, no funcionamento do intestino e na saúde do coração. Além disso, possui ação antioxidante e é rica em magnésio, fósforo, vitaminas e potássio;
  • Farinha de linhaça: é importante pois ajuda na redução do peso, contém gorduras saudáveis e fibras. Além disso, também proporciona a sensação de saciedade;
  • Farinha de quinoa: fonte de fibras, minerais, vitaminas e aminoácidos essenciais. Além disso, melhora o humor, auxilia no controle de peso e reduz as possibilidades de desenvolvimento de doenças crônicas;
  • Farinha de maca peruana: é um alimento rico em zinco, fibras, ferro, cálcio e vitaminas;
  • Farinha de grão de bico: alimento rico em proteínas, vitaminas e fibras.

Diferença entre farelo, farinha e flocos

O que muitas pessoas confundem são os farelos, a farinha e os flocos produzidos a partir das grãos. No entanto, cada um tem suas características e são feitos por meio diferentes.

O farelo é produzido através da casca dos grãos, onde a fibra está concentrada.

Já a farinha é feita por meio do processo de moagem da parte interna de cada grão. Assim, ela não faz uso das fibras concentradas na casca, mas preserva os minerais, as proteínas e os carboidratos.

Farinha láctea: farelo

Os flocos são produzidos a partir de grãos inteiros. Os grãos passam por uma espécie de prensa até que ficam achatados.

Os cuidados com a farinha láctea

Por ser um alimento que não é livre de gorduras, sua ingestão deve ser controla e feita de modo cuidadoso. Ingerir este tipo de farinha em excesso por provocar ganho de massa e gordura indesejada, aumentando o peso.

Outro fato que vale ressaltar referente à farinha láctea, é que por ser rica em fibras, seu consumo deve ser feito equilibrada com consumo regular de água. As fibras, quando consumidas sem ingestão de líquido, podem dificultar no bom funcionamento do sistema digestivo e intestinal.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo