Feijão tropeiro é comum em São Paulo, Goiás e Minas Gerais

Inicio » Agronegócio » Feijão tropeiro é comum em São Paulo, Goiás e Minas Gerais
04/10/2020 Por
Feijão tropeiro é comum em São Paulo, Goiás e Minas Gerais

O feijão tropeiro pode ser sua chance de inovar no segmento de restaurantes. Se você não sabe mais o que fazer com a sua plantação de grãos e sabe que a maceração do feijão não é uma boa opção, você pode ficar desesperado. No entanto, investir no feijão tropeiro pode ser uma solução bem útil para quem deseja uma renda extra.

Além do mais, investir em feijão tropeiro pode ser a solução para que você não desperdice mais os seus grãos. Afinal, você sabe que não são todos vendidos e uma boa parte continua sobrando em suas terras, sem fim algum. Logo, para evitar esse desperdício, saiba utilizar o feijão tropeiro a seu favor.

Feijão tropeiro

Por que investir em feijão tropeiro?

Como já dito anteriormente, o feijão tropeiro é ótimo para evitar o desperdício. Além do mais, é uma ótima maneira de iniciar uma renda extra, principalmente se você já tem um restaurante.

Dentre as receitas com feijão, saber como fazer feijão tropeiro é essencial para aprender como utilizar o resto dos grãos. Além disso, se você tem uma fazenda voltada para a agropecuária, não terá problemas com outros ingredientes também.

É importante notar, então, que se você souber organizar bem a distribuição, não precisará de fornecedores externos. Isso é positivo principalmente porque você sabe a qualidade dos seus próprios produtos e ainda consegue economizar nesse gasto. Afinal de contas, é a sua própria produção.

No entanto, se você ainda não está inserido no ramo de restaurantes, o investimento pode ser mais alto inicialmente. Ainda assim, é uma opção melhor que perder os grãos que não são vendidos de alguma maneira.

Se você irá investir no feijão tropeiro mineiro ou no feijão tropeiro nordestino, não importa muito. A receita de feijão tropeiro deve ser pensada para que os ingredientes sejam utilizados e a venda compense o investimento.

Por esse motivo, seu restaurante não pode focar apenas nesse prato, ainda que ele seja o carro chefe. Então, é preciso saber utilizar bem os ingredientes de sua própria fazenda ou recorrer a um fornecedor em momentos específicos.

Afinal, nem todas as plantas podem ser utilizadas para fins estéticos, e o feijão é um desses casos. Para tanto, é preciso saber trabalhar com ele de outras maneiras, e a cozinha é uma delas.

Como preparar feijão?

Se você está acostumado com a venda e o comércio dos grãos, pode ser um problema cozinhar inicialmente. No entanto, saber como preparar feijão é algo bem simples e pode ser feito por qualquer pessoa.

Em primeiro lugar, você deve dedicar um bom tempo para realizar essa tarefa em específico. É preciso sentar e escolher os grãos de feijão. Assim sendo, é preciso retirar pedrinhas ou grãos estragados.

Isso pode comprometer a receita se não feito de maneira adequada. Depois disso, basta levar para uma bacia e encher com água. Deixe descansar por uma noite e retire a água.

Com o feijão limpo, basta preparar os temperos da receita e colocar para cozinhar.

Feijão tropeiro

Como preparar feijão tropeiro?

Depois que você preparar o feijão, está na hora de começar a fazer o seu feijão tropeiro. Dessa maneira, você pode optar por acompanhamentos diversos, mas a base será a mesma para qualquer receita, seja a de feijão tropeiro com couve ou a de feijão tropeiro com carne seca.

No entanto, a receita pode mudar se você optar por comercializar o feijão tropeiro vegano. No geral, é bom optar pelas duas opções, então é essencial saber preparar a receita com carne.

Para a receita, você irá precisar de uma medida de um para dois, assim sendo, para 150g de bacon picado, você precisa de 300g de feijão ao dente. Bem como irá precisar de 150g de linguiça para 300g de farinha de mandioca.

Para o tempero principal, você deve utilizar duas cebolas grandes e picadas. Sal, pimenta e alho também são uma ótima opção. Além disso, é preciso usar cheiro verde picado e sete ovos.

Comece fritando as carnes, depois acrescente o alho e a cebola até que fiquem dourados. Em seguida, coloque os ovos (gema e clara) até que a receita afirme na panela utilizada.

Acrescente o feijão e logo em seguida o sal e a pimenta, assim como a farinha. É importante não deixar a farinha grudar ou queimar no fundo da panela.

Por fim, misture bem até aquecer e, depois que desligar o fogo, acrescente o cheiro verde.

Feijão tropeiro

Opções veganas

Como já dito anteriormente, a receita de feijão tropeiro pode ser alterada ao se investir no feijão tropeiro vegano. Como esse prato é bem famoso em Minas Gerais, São Paulo e Goiás, o público é bem diversificado.

Assim sendo, é ideal acompanhar as tendências e poder oferecer o melhor para o segmento de restaurantes. O número de veganos está aumentando à medida que o tempo passa. Logo, é importante saber investir nesse público também.

Afinal, é uma ótima maneira de você consolidar melhor a sua base de clientes. Ademais, também é a opção perfeita para quem tem apenas uma horta e não trabalha com o cuidado de animais.

A proporção da receita é basicamente a mesma, mas é preciso se atentar ao fato de que ovos não devem ser utilizados. No lugar dos ovos, você pode utilizar azeite para dourar a cebola e o alho.

Por fim, no lugar das carnes você pode utilizar os legumes de sua preferência ou, então, nozes e amêndoas diversas. O que importa mesmo é saber montar uma receita única e bem temperada para conquistar o cliente que não come carne.

Por outro lado, se você não quiser seguir no ramo dos restaurantes, pode servir como fornecedor principal para pequenos restaurantes. Isso garante uma renda fixa e também é contra o desperdício dos grãos.

Uma vez que você começa a investir no feijão tropeiro, é preciso estar atento em relação aos insetos que rondam a lavoura. Afinal, eles podem estragar plantações e seria bom evitar perder uma fonte de renda por conta disso. Esses cuidados, então, são essenciais para qualquer pessoa que trabalhe com os diferentes tipos de grãos.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo