Feno é material versátil na agropecuária e de baixo custo

Inicio » Agricultura » Feno é material versátil na agropecuária e de baixo custo
29/04/2019 Por
Feno é material versátil na agropecuária e de baixo custo

O feno é um material essencial para quem trabalha no ramo da agropecuária

O feno é um produto de origem vegetal e fabricado a partir de folhas secas e desidratadas. Para realizar sua confecção, o produtor desempenha quatro etapas principais: a ceifa, viragem, enleiramento e enfardamento. Estes processos garantem que o produto final tenha qualidade e os nutrientes necessários para manter o gado saudável.

O feno pode ser utilizado tanto para proporcionar o conforto dos animais como para sua alimentação. Este produto é utilizado há muitos anos por pecuaristas, pois é um método barato de melhorar a qualidade de vida dos animais. Dependendo do tipo de criação que o produtor tenha, este método pode ser feito de forma manual ou mecânica. Existem também diversas indústrias no mercado que fabricam o feno para pequenos e grandes produtores agro.

Feno

O que é feno?

O feno é um produto utilizado para forragem do gado bovino e equino. Ele é feito a partir de plantas ceifadas – folhas cortadas pela foice – assim como por folhas secas. Além disso, contém uma vegetação gramínea – plantas rasteiras – e algumas leguminosas. O processo para que o feno seja feito e consumido pelo gado começa pela desidratação das plantas, sem deixar de lado o valor nutritivo delas.

Em menor quantidade de produtos na produção, o feno pode ser feito manualmente pelo pecuarista. É preciso do uso de alguns insumos agrícolas como, por exemplo, o alfanje – espécie de foice – ou uma enfardadeira manual. Outra maneira de produzir o feno é a partir do estocamento a granel.

Por outro lado, em um processo de larga escala, a produção deste tipo de forragem acontece mecanicamente. Existem hoje, no mercado, implementos agrícolas que possibilitam a fabricação deste processo de forma ágil, versátil e de baixo custo para o produtor e consumidor.

O feno no Brasil

No Brasil, o processo de desidratação das plantas acontece de forma natural, a partir da energia solar e dos ventos. São poucos os locais que utilizam galpões ou máquinas para realizar este tipo de atividade. Este fenômeno acontece porque o clima brasileiro é tropical.

Os melhores tipos de feno são obtidos por meio do capim; o produto é considerado mais nutritivo em razão das diversidade de folhas que contém, como: jaraguá, estrela, pangola e quicuio.

O capim só pode ser fenado quando sua ceifa estiver entre 35 até 45 dias na plantação, pois é entre este período que ela apresenta maior índice de nutrientes. Após este tempo, a vegetação começa a ficar úmida e com caráter fibroso e, por conseguinte, perde grande parte de seu valor nutritivo.

O feno pode servir como alimento para os animais

Para que serve o feno?

O uso do feno é essencial em épocas de períodos mais secos, assim como o inverno, pois é neste momento que a colheita não produz muitos frutos para o gado. O objetivo do feno é preservar os animais aquecidos e nutridos, a partir de sua capacidade de manter ambientes com maior conforto para os animais. Deste modo, eles podem descansar no feno ao passo que também se alimentar dele.

O ramo do agronegócio que mais utiliza o feno é a agropecuária. É utilizado o feno como forma de manter o gado leiteiro produtivo e, portanto, nutrido. Da mesma maneira que também utiliza para fortalecer a carne do animal, fortificando o gado de corte e a indústria da carne.

Em média, uma cabeça de gado consome 5 kg de feno por dia em sua fase adulta e em condições normais de saúde. Sendo, portanto, importante que o produtor rural consiga fenar com melhor qualidade grande parte do feno nas estações mais quentes, para então estocar o produto até o inverno.

Como fazer o feno

Nas etapas da fenação, é importante que o produtor rural tenha agilidade para realizar o processo de desidratação das plantas; pois é nesta primeira etapa que define a qualidade do feno e seu valor nutritivo. Dentro de todos os processos, a fenação consiste em quatro principais etapas: ceifa, viragem, enleiramento e enfardamento.

  • Ceifa

A ceifa é o processo de corte das plantas a partir da foice ou de outro instrumento para o corte agrícola. Ela deve ser feita em estações mais quentes com a finalidade de garantir uma melhor qualidade com a reservas de nutrientes.

  • Viragem

A viragem consiste na desidratação das plantas após a ceifa. Para realizar esta etapa o produtor pode colocar as plantas à luz do sol e ação do vento, ou mesmo utilizar uma máquina própria para a secagem. Esta atividade dura, em média, 24 horas.

  • Enleiramento

O enleiramento é um processo opcional, pois caso a viragem não tenha secado por completo durante um dia, existe outra alternativa. Para realizar o processo é necessário utilizar lareiras como forma de aquecer as plantas e, por conseguinte, desidrata-las. Outro caso em que é preciso utilizar o método, é em momentos de chuva ou para climas mais frios.

  • Enfardamento

Na fase final, o enfardamento serve para armazenar o produto até o momento em que será utilizado – geralmente nas estações mais frias ou pouco produtivas. Este processo acontece após a etapa da ceifa; o feno contém praticamente 85% de umidade em sua fase inicial. Contudo, ao longo das demais etapas, esta umidade é reduzida para 10%.

O feno já pronto no pasto

Uma vez que atinge este ponto de baixa umidade, é dito como “ponto de feno“. Como forma de reconhecer este ponto ideal do produto, pode ser feito uma espécie de torcimento para notar que não há água escorrendo do material. Após atingir este etapa, o produto pode enfim ser armazenado longe da chuva e em um local arejado e ventilado. Deste modo, evita o acumulo fungos através da umidade.

O feno de capim

O feno de capim é uma ótima alternativa para o produtor que deseja uma material mais saudável para alimentação do gado. O melhor tipo de capim para a fabricação do feno é o do gênero cynodon como, por exemplo, o capim coast ross. A escolha deste tipo de feno é ideal, pois ele é mais resistente em baixas temperaturas (até 12ºC). Além disso, suporta cortes com maior frequência e é muito produtivo no campo rural.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo