Fitoterapia e as técnicas naturais que ajudam no tratamento de doenças

Inicio » Agricultura » Fitoterapia e as técnicas naturais que ajudam no tratamento de doenças
25/03/2019 Por
Fitoterapia e as técnicas naturais que ajudam no tratamento de doenças

Fitoterapia e o tratamento natural de suas diferentes técnicas

Muito comum no tratamento de doenças em humanos e animais, a fitoterapia é usada no Brasil e em outros países, até mesmo em antigas civilizações. A técnica ficou popularmente conhecida com o uso de chás em curar sintomas simples, como resfriado, diarreia e gripe.

O método de tratamento natural da fitoterapia proporciona mais facilidade de utilização para pacientes que procuram técnicas alternativas de medicina preventiva. Por ser mais saudável do que outros meios, o método é muito utilizado.

Fitoterapia: óleos e chás

O que é fitoterapia?

Fitoterapia é o nome dado ao estudo das plantas medicinais e seu uso para o tratamento de algumas doenças. Fitoterapia vem do termo grego que consiste em therapeia (tratamento) e phyton (vegetal), ou seja, tratamento através dos vegetais e plantas. Esta técnica terapêutica é caracterizada por utilizar matérias primas, como as raízes, caules, folhas, flores e frutos, em forma de plantas medicinais.

Essas matérias primas possuem alguns princípios ativos com efeitos medicinais, farmacológicos, alimentícios e cosméticos, que passam a ser usadas em confecções farmacêuticas como:

  • Extratos;
  • Cápsulas;
  • Cremes;
  • Tinturas, etc.

A principal finalidade através do uso está no auxílio que proporciona ao tratamento de doenças, ou seja, faz a manutenção e recuperação da saúde.

Consiste em uma cultura de práticas terapêuticas mais antigas, sendo originada no ano de 8.500 a.C. Seu uso deve ser cauteloso, necessita-se de conhecimento sobre sua origem, sobre a manipulação, uma vez que produtos naturais também contêm efeitos colaterais nocivos.

Algumas espécies de plantas possuem substâncias tóxicas que podem desencadear alergias ou doenças, como o câncer. Portanto, necessita-se de orientação médica sempre que houver utilização.

Ativos da fitoterapia

As plantas medicinais usadas nesta técnica possuem princípios ativos, que são substâncias responsáveis pelos efeitos terapêuticos.

Todo tipo de princípio ativo contém indicações e contraindicações. Por exemplo, quando usado abaixo do recomendado pode ter insuficiência em resultar algum tipo de efeito. Já quando são utilizados acima do que é recomendado, passa a ser altamente tóxico.

Princípios ativos são descobertos regularmente, por isso, conforme as descobertas eles são isolados com o intuito de eliminar todas as substâncias tóxicas e as possíveis contaminações.

As descobertas acontecem a partir de alguns estudos específicos sobre estas matérias primas. Por exemplo, o estudo da etnobotânica, que é responsável por analisar as plantas usadas nas técnicas de medicina étnica. E o estudo da seleção aleatória, que é responsável por envolver os elementos de plantas que são separadas e, por meio de receptores especiais, são preparados imitando algum processo de reação no corpo com base em algum efeito colateral.

Para que serve a fitoterapia?

Fitoterapia: infusões de plantas

Considerada como especialidade médica, a fitoterapia pertence a medicina alopática. Por isso, pode ser considerada tanto como uma terapia alternativa quanto uma ferramenta de auxilio e contribuição à saúde.

Pomadas, extratos e cápsulas podem ser considerados medicamentos fitoterápicos sempre que forem feitos a base de matéria prima, cujo efeito farmacológico é comprovado.

O uso para o combate a doenças crônicas e agudas é muito comum. Por exemplo:

  • Chás da folha do maracujá são tomados para o embate da insônia;
  • Babosa é usada para controlar a queda de cabelo;
  • Arnica em forma de pomada é usada para dores musculares, articulares e traumas;
  • Chás de boldo são usados para melhorar dores no estômago.

Sendo assim, ela atua sobre o corpo proporcionando melhora no funcionamento, fazendo otimização das funções e ajuda na cura de doenças e sintomas.

Além disso, a fitoterapia também é atuante sobre o emocional, pelo fato de ajustar os níveis de humor como a serotonina (hormônio da felicidade), fazendo remoção dos excessos de ansiedade e apatia.

Cada planta utilizada nesta técnica possui suas características e propriedades, além de indicações e contraindicações. É importante que, antes mesmo da utilização, uma pesquisa seja feita sobre os efeitos terapêuticos proporcionados por elas.

Seguindo as utilidades proporcionadas, as principais vantagens da fitoterapia são:

  • Fácil acesso;
  • Eficácia e segurança comprovadas;
  • Plantas encontradas em desidratação, boa para infusões;
  • Terapia natural;
  • Tratamento preventivo.

Tipos de fitoterapia

A fitoterapia pode ser realizada de muitas formas diferentes, de acordo com os lugares e civilizações que fazem sua utilização.

Ela pode ser apresentada como aromaterapia, que consiste no uso de óleos essenciais e algumas fragrâncias com o objetivo de auxiliar no bem estar da saúde psicológica e física. Pode ser praticada tanto quanto medicina alternativa quanto terapia complementar.

Há também a oleoterapia, que consiste no uso de óleos para fins terapêuticos, visando o tratamento do sistema capilar. Ela proporciona o relaxamento do couro cabelo, descongestionamento dos fios, estimulação ao crescimento, nutrição e reparação de danos. Pode ser encontrada de forma mineral, essencial e vegetal.

Já a geoterapia consiste na utilização da energia presente nas pedras para o tratamento de alguns problemas, como ansiedade, problemas musculares, dores de cabeça, muscular e garganta.

Há também a fitoterapia chinesa, caracterizada como medicina tradicional na China. Ela inclui a dietética chinesa e a acupuntura, fazendo uso de plantas que modificam os diferentes circuitos e energias presentes no corpo.

Cuidados preventivos da fitoterapia

Fitoterapia: chá de margaridas

Por ser à base de produtos naturais muitas pessoas acreditam que a fitoterapia não tem contraindicações e que se pode usar grandes quantidades das plantas no tratamento.

No entanto, além de seus princípios ativos, as plantas apresentam quantidades de substâncias tóxicas. Assim, quando usadas em excesso, pode ter um efeito colateral contrário do esperado.

Pode-se usar como exemplo a cafeína, que ingerida por humanos têm ação estimulante, no entanto, quando ingeridas por pequenos insetos pode ter efeito nocivo, podendo ocasionar em sua morte.

Outro exemplo a ser citado é o uso de chás que possuem efeito estimulante em relação ao funcionamento do fluxo menstrual, podendo ser benéfico para mulheres que sofrem de cólicas muito fortes, embora sejam prejudiciais e perigosos para gestantes, pois contém ação abortiva.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo