O gafanhoto é um inseto terrestre perigoso para as plantações agrícolas

Inicio » Agricultura » O gafanhoto é um inseto terrestre perigoso para as plantações agrícolas
07/07/2019 Por
O gafanhoto é um inseto terrestre perigoso para as plantações agrícolas

Habitante de campos e pastos, o gafanhoto pode devastar uma plantação rapidamente

O gafanhoto é um inseto solitário e normalmente não vive em um grupo muito grande. Porém, quando eles se reúnem em uma nuvem, devoram tudo o que encontram pela frente.

Considerado uma das maiores ameaças para a lavoura e a agricultura, o gafanhoto pode trazer prejuízos econômicos gigantescos se não houver um controle de pragas eficiente.

Gafanhoto

O que é gafanhoto?

Gafanhoto é um inseto que se alimenta de plantas, em especial, folhas de milho, algodão, citros, soja, arroz, gramíneas (pastagens), eucalipto e alfafa, entre outras.

Pertencente à subordem Caelifera, da ordem Orthoptera, o gafanhoto é caracterizado por ter o fêmur das pernas posteriores muito grande e forte. Tal característica possibilita saltos de até 2 m de distância e de altura.

Características dos gafanhotos

A maioria das espécies de gafanhoto é solitária. Dessa forma, os gafanhotos geralmente se juntam apenas para o acasalamento. Entretanto, existem também as espécies migratórias, que se juntam em grupos enormes com milhões e até bilhões de integrantes.

O gafanhoto alimenta-se em quantidade suficiente para garantir reservas de gordura que lhe permitem sobreviver às secas. É mais ativo durante o dia, mas também pode se alimentar à noite. Possui dois pares de órgãos cortadores, a maxila e a mandíbula, que utiliza para roer e arrebentar caules para facilitar a digestão.

Durante o período das chuvas ocorre o acasalamento e a postura. Assim, se a comida for abundante, a taxa de reprodução é bastante alta.

O número de ovos colocados pela fêmea varia entre 25 e 120 a cada postura. São colocados sobre uma substância espumosa, que os protegem durante o período de incubação.

Mas, como ela se repete ao longo do dia, a fêmea pode liberar centenas de ovos durante 24 h. Ao sair do ovo, a larva já é bastante parecida com a sua forma adulta, porém, sem asas.

A forma jovem do gafanhoto – conhecida como “saltão” – ao sair do ovo, chega à superfície onde busca abrigo e alimentos. A partir disso, as mudanças de pele ocorrem durante 50 dias.

Na última fase, o gafanhoto pendura-se em um galho pelas pernas traseiras e permanece nessa posição, de cabeça para baixo. Por conseguinte, permanece assim até o rompimento do tegumento da região dorsal anterior de seu corpo. É quando surge o gafanhoto adulto e com asas.

Gafanhoto

Tipos de gafanhotos

O maior fantasma que ronda as lavouras e as plantações é a nuvem de gafanhotos migratória que devora tudo o que encontra pela frente. Mas, das 400 espécies conhecidas, somente 50 são nômades e apenas umas 10 causam estragos nas plantações.

O gafanhoto-soldado, por exemplo, de cor verde brilhante e manchas amarelas, inseto considerado um dos símbolos do Brasil por possuir as cores da bandeira e que ocorre do Ceará ao sul da Bahia, é um perigo. Quando ocasionalmente voam agrupados, causam prejuízos econômicos no cultivo de girassol, tomateiro, berinjela, cana-de-açúcar, eucalipto, tabaco, arroz, entre outras lavouras.

Das 23 espécies de gafanhotos encontradas no Brasil que causam danos economicamente expressivos à agricultura, destacam-se:

  • Hammatocerus schistocercoides;
  • Schistocerca pallens;
  • Stiphra robusta.

Surpreendentemente, uma única nuvem de gafanhotos pode chegar a medir 30 km de comprimento e 2,5 km de largura, além de pesar entre 70 a 100 toneladas. Tal característica justifica a devastação por onde passa.

Quando ataca, portanto, a única maneira de combatê-la é utilizando inseticidas, que diminuem a concentração de insetos, mas são bastante prejudiciais ao meio-ambiente.

Rhammatocerus schistocercoides

A espécie habita o Mato Grosso e ataca apenas as bases das espigas das plantas, onde se encontra a seiva bruta, rica em açúcares.

Todavia, a investida da espécie na região Centro-Oeste do país teve início nos anos 80 com a expansão da área agrícola. Anteriormente ao avanço das plantações, a espécie alimentava-se do mato cerrado, ecossistema que vem sendo prejudicado em função da expansão agrícola.

Schistocerca pallens

O gafanhoto dessa espécie é encontrado na região Nordeste e no Distrito Federal. Alimenta-se de algumas gramíneas nativas outras culturas, tais como:

  • timbete
  • capim-milha
  • feijão
  • soja
  • milho
  • algodão

Sua coloração é marrom avermelhada e ele mede entre 4,5 a 5 cm. Na fase adulta, realizam voos de dispersão, atacando pastagens e culturas, dessa forma, causando enormes prejuízos.

Stiphra robusta

Conhecida como bicho-pau ou Mané Magro, a espécie é encontrada no Nordeste do país. Possui uma forma alongada que lembra um graveto em meio à vegetação e pode medir em média 8 cm. Assim como a maioria das outras espécies, se alimenta de vegetais, mas desfolha caju e algaroba totalmente.

Tropidacris dux

Ainda no Brasil, em especial na região amazônica, habita o gafanhoto-gigante (Tropidacris dux), considerado o maior gafanhoto do mundo. Só para ilustrar, a envergadura das asas da fêmea, que é maior que o macho, chega a ser de 30 cm. Por ter um regime alimentar polífago, costuma causar estragos por onde passa.

Tropidacris grandis

No Norte e Nordeste do país, o gafanhoto-verde (Tropidacris grandis) ou gafanhoto-de-coqueiro também é considerado um inseto de grandes dimensões, podendo medir 15 cm. Como o próprio nome sugere, assim, alimenta-se preferencialmente de folhas de coqueiro.

Gafanhoto

Espécies formadoras de nuvens ao redor do mundo

Entre as principais espécies de gafanhotos que formam nuvens prejudiciais para as plantações, estão:

  • Locusta migratoria, que invade a Europa, Ásia, África e Austrália;
  • Schistocerca gregaria, atacando a Índia, Arábia, Síria, Irã, Palestina e Egito;
  • Dociostaurus maroccanus e Calliptamus italicus, espécies invasoras do Mediterrâneo;
  • Nomadaris septemfasciata, Schistocerca paranaensis e Locustana pardalina, que assolam a América do Sul;
  • Anabrus simplex, espécie que não possui asas e que ataca os campos aos saltos, invasora dos Estados Unidos;
  • Melanoplus mexicanus, que ataca do México ao Canadá e o oeste dos Estados Unidos.

Curiosidades sobre o gafanhoto

Assim como outros insetos, o gafanhoto possui curiosidades e, algumas delas, bem peculiares. Confira abaixo algumas!

  • Somente o gafanhoto macho emite sons, esfregando a pata traseira nas nervuras rígidas da asa da frente para atrair a parceira;
  • É polífago, se alimentando de vários tipos de plantas;
  • São catalogadas mais de 11.000 espécies ao redor do mundo;
  • É hemimetábolo, ou seja, não sofre uma metamorfose completa;
  • Em diversos países, como no Japão, serve de alimento por ser uma excelente fonte de proteínas;
  • Pode saltar até 20 vezes o comprimento de seu corpo;
  • Sua expectativa média de vida na natureza é de 50 dias;
  • Seus predadores são os besouros, os pássaros, as aranhas e os lagartos;
  • Em alguns países, o gafanhoto é considerado símbolo de boa sorte, abundância e saltos na vida;
  • O gafanhoto chega a ingerir diariamente o equivalente a metade de seu peso corporal;
  • Algumas espécies eliminam um líquido tóxico de muito mau cheiro para afugentar predadores.

O gafanhoto está entre uma das piores ameaças à agricultura do Brasil e a sua infestação pode estar relacionada ao manejo de solo com introdução de novas culturas, abandono de variedades tradicionalmente cultivadas na região e fatores climáticos adversos.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo