Kalanchoe, ou flor-da-fortuna, tem origem na África

Inicio » Agricultura » Kalanchoe, ou flor-da-fortuna, tem origem na África
31/08/2020 Por
Kalanchoe, ou flor-da-fortuna, tem origem na África

Kalanchoe é suculenta africana que pode ser encontrada no Brasil. É uma planta suculenta de baixa manutenção comumente cultivada como planta de jardim. A planta é especialmente popular durante as comemorações do Ano Novo Chinês, pois é dito que traz riqueza e prosperidade. Talvez por essa razão um de seus nomes mais populares seja “flor da fortuna”.

Apesar de estar relacionada à sorte e fortuna, é importante destacar que essa é uma planta contraditória que requer cautela. Isto é, algumas espécies contêm toxinas que podem causar intoxicação cardíaca em animais em pastejo. Em contrapartida, a planta também tem efeitos benéficos, sendo usada na fitoterapia tradicional para tratar infecções, reumatismo e inflamação. Os extratos de Kalanchoe também têm efeitos imunossupressores, sendo aplicados no tratamento tradicional para hipertensão. Mas, afinal, o que é Kalanchoe?

Kalanchoe

O que é Kalanchoe?

Kalanchoe é um grande gênero da botânica com cerca de 125 espécies de plantas tropicais suculentas da família Crassulaceae. O gênero é principalmente nativo do chamado “Velho Mundo”.

De fato, a Kalanchoe tem uma área de distribuição muito ampla. Apenas uma espécie desse gênero é originária das Américas, enquanto 56 espécies são oriundas da África meridional e oriental e 60 de Madagascar.

Além disso, a flor da fortuna também é encontrado do sudeste da Ásia até a China. A maioria das espécies populares, no entanto, é proveniente de Madagascar ou da África do Sul. Estas espécies são geralmente sub-arbustos com folhas suculentas.

O gênero foi descrito pela primeira vez pelo botânico Michel Adanson em 1763. O nome Kalanchoe, por sua vez, veio do nome chinês “Kalanchauhuy”.

A maioria são arbustos ou plantas herbáceas perenes, mas algumas são anuais ou bienais. A maior espécie, Kalanchoe beharensis, de Madagascar, pode atingir 6 metros de altura, mas a maioria das espécies tem menos de 1 metro.

Flor da fortuna

A planta flor da fortuna pertence ao gênero Kalanchoe e à família Crassulaceae, que é consistida por estimadamente 125 espécies. Essas plantas tropicais são nativas de Madagascar, contudo, determinadas espécies podem ser encontradas em solo brasileiro e asiático.

A maioria dessas plantas cresce a uma altura de cerca de um metro. No entanto, algumas espécies crescem como árvores, com uma altura de cerca de seis metros. Acredita-se que o nome “Kalanchoe” seja de origem chinesa. Em suma, as flores da fortuna são muito populares como plantas ornamentais, devido à baixa e fácil manutenção, flores coloridas e pouca necessidade de água.

Afinal, suas folhas são resistentes ao calor e à escassez de regas. Suas flores podem assumir diversas cores, entre elas, branco, lilás, rosa, amarelo, alaranjado e vermelho.

A planta se adapta bem a solos férteis, bem drenados e soltos. Seu cultivo é indicado para locais com iluminação generosa, como jardins e varandas.

Uma observação importante diz respeito às flores e folhas, que não podem ser molhadas, sob o risco de apodrecerem. Assim, é recomendado regá-las com uma baixa quantidade de água.

Em suma, regue apenas o suficiente para que a água escorra um pouco no prato. A frequência indicada de regas é de duas vezes semanais na estação mais quente e uma vez semanal na estação mais fria.

Kalanchoe

Kalanchoe daigremontiana

Kalanchoe daigremontiana, popularmente chamada de aranto ou mãe de milhares, é uma planta suculenta e herbácea nativa da África e de Madagascar. A planta se destaca pelo seu apelo ornamental, além de ter propriedades medicinais valiosas.

À primeira vista, a Kalanchoe daigremontiana pode parecer uma planta como qualquer outra. Contudo, os olhares mais atentos tendem a descobrir o que faz essa planta tão apreciada por paisagistas e colecionadores.

Afinal, ela é capaz de produzir uma centena de brotos pequenos no decorrer da borda de suas folhas. Esses brotinhos, quando se desprendem das folhas, se desenvolvem e dão origem a novas plantas.

Podemos dizer que a planta se adapta muito bem em áreas tropicais como o Brasil por causa de suas características suculentas. Como destacado acima, uma planta pode reproduzir uma nova geração a partir de massas de embrioides (plântulas) que são formadas nas bordas das folhas. Isso dificulta o controle de erradicação, portanto, o acompanhamento é essencial.

Além disso, é importante notar que essas plantas, especialmente suas flores, são venenosas para o gado e ocasionalmente causam um número significativo de mortes bovinas. Afinal de contas, quando o gado está sob estresse ou em condições incomuns, é mais propenso a comer plantas.

Kalanchoe

Como cuidar de Kalanchoe

Se você não tem criação de gado e quer saber como cuidar de Kalanchoe, nós temos algumas dicas. Como mencionado acima, essas plantas requerem muito menos manutenção, e esse é um dos motivos de sua crescente popularidade.

No entanto, elas necessitam de boa drenagem no solo de e grande iluminação para um crescimento saudável. De fato, por ser uma suculenta tropical, a Kalanchoe pode não suportar longas exposições ao frio.

Além disso, a planta tem boa adaptação em cachepôs e vasos, podendo ser cultivada na meia sombra ou no sol. Garanta que o solo seja bem irrigado. Se você quiser cultivá-las em vasos, use vasos de barro com boa drenagem.

Eles necessitam de água para sua sobrevivência, mas a rega excessiva tende a causar prejuízos às plantas. Então, regue as Kalanchoe somente quando o solo estiver seco, não ultrapassando duas vezes semanais.

Use um fertilizante para plantas domésticas em pequenas quantidades ao longo da estação em que as plantas crescem. Durante os climas mais quentes, procure evitar a exposição direta à luz solar, que pode causar malefícios às plantas. A poda envolve a retirada de folhas e flores mortas. Afinal, isso incentiva novos crescimentos.

Ataques de doenças e pragas são raros em Kalanchoe em ambientes fechados, se comparadas ao plantio ao ar livre. Se elas desenvolverem esses problemas, prefira usar inseticidas livres de elementos tóxicos, porque estes produtos químicos tendem a causar danos às Kalanchoes.

Não obstante, determinadas espécies de Kalanchoes costumam ser tóxicas não apenas para gados, como para gatos domésticos. Se você possui um gato doméstico, pode evitar que ele consuma a Kalanchoe com algumas borrifadas de pimenta em suas folhas. Isso será o suficiente para mantê-lo longe da planta e em segurança.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo