Laticínios estão entre as maiores conquistas da espécie humana

Inicio » Agronegócio » Laticínios estão entre as maiores conquistas da espécie humana
15/07/2019 Por
Laticínios estão entre as maiores conquistas da espécie humana

O conceito de laticínios inclui o próprio leite e seus derivados em um mesmo grupo de alimentos

Laticínios são tidos pelos especialistas como uma das maiores conquistas da evolução cultural alcançada pela espécie humana. Na atualidade, a lactose é convertida em componentes bem mais digeríveis após a fermentação láctea produzida nas modernas fábricas e indústrias de beneficiamento.

Muitas pessoas evitam seu consumo por acreditarem que os laticínios possam engordar. Porém, desde um ponto de vista biológico, as razões evolutivas para sua ingestão podem ser encontradas no equilíbrio dos laticínios com nutrientes essenciais que ajudam o organismo a absorver o cálcio.

Laticínios

O que são laticínios?

Laticínios são, de modo resumido, produtos de origem láctea. O mesmo nome é dado aos locais onde se processa leite e derivados.

As indústrias que fabricam e processam laticínios caracterizam-se por lidar com um produto altamente perecível. Tanto o leite quanto os seus derivados são, geralmente, fermentados e, como tal, devem ser conservados corretamente. Isso inclui todo o período ao longo da cadeia produtiva até sua chegada à mesa do consumidor final.

Todos sabemos que o leite usado na preparação da maior parte dos laticínios é o de vaca. Não obstante, o leite oriundo de outros mamíferos também vem sendo cada vez mais utilizado na indústria. Entre esses animais, destacam-se:

  • Ovelhas;
  • Cabras;
  • Búfalas;
  • Iaques;
  • Camelas;
  • Éguas.

Vale ressaltar que o leite dos três últimos animais citados ainda é pouco beneficiado pelas indústrias brasileiras, embora já contem com uma boa penetração nos mercados internacionais.

Os laticínios nos dias atuais

Nos dias atuais, a maioria dos alimentos funcionais vem sendo produzida a partir dos produtos lácteos. Tanto que a utilização dos laticínios aprecia, desde a década de 1950, um enorme progresso mundial.

Esses avanços levaram o setor a superar importantes obstáculos tecnológicos. Com uma impressionante marca de 600 milhões de toneladas utilizadas ao longo dos anos, tanto o leite quanto os seus derivados ocupam o posto de alimentos mais consumidos do mundo!

As particularidades físicas e químicas dos laticínios são analisadas, em muitos casos, de modo similar às particularidades do leite. São aplicados, por exemplo, os lactômetros, com o objetivo de mensurar o seu volume e densidade essencial.

Com efeito, a produção de laticínios distingue-se conforme os processos realizados. Enquanto alguns são expostos à fermentação láctea, outros sofrem procedimentos mecânicos destinados à acumulação de gordura. Em certos casos, ainda, há uma mistura de fermentação e maturação.

Tais procedimentos alteram a composição e a concentração inicial de alguns macronutrientes e micronutrientes, de acordo com os laticínios em questão.

Laticínios

Produtos lácteos

Os seres humanos são os únicos mamíferos que ingerem leite ao longo de toda a sua vida. Isso se dá porque, durante a infância, o leite materno constitui-se no alimento essencial para o desenvolvimento e o crescimento saudável das crianças.

Dentes e ossos, por exemplo, requerem a ingestão regular de cálcio para progredirem e, assim, propiciar a construção das reservas que serão necessárias no futuro. Com efeito, o corpo humano, na passagem da adolescência ao início da vida adulta, deve fortalecer todos os ossos, incluindo aqueles que ainda estão em formação, contribuindo para prevenir osteoporoses e outras enfermidades ósseas.

Confira, a seguir, a importância de alguns dos principais produtos laticínios e avalie qual deles melhor se adequará à sua alimentação diária.

Iogurte

De consistência cremosa, o iogurte ajuda na regulação intestinal e no fortalecimento dos ossos. Além de ser rico em cálcio e proteína, ele é digerido facilmente. Essa característica faz do iogurte o substituto perfeito dos cremes que são comumente adicionados em sobremesas e outras preparações.

Queijo minas

O queijo minas contém cálcio e apresenta menores índices de gordura em comparação aos queijos amarelos. Por ser um alimento extremamente saboroso, pode ser facilmente incorporado em muitas receitas. Nesses casos, o ideal é selecionar uma versão que contenha menores quantidades de sódio.

Queijo cottage

Amplamente utilizado nas dietas voltadas à perda de peso, o queijo cottage possui baixos teores de gorduras, sendo rico em cálcio e proteína. Trata-se, em suma, de uma espécie de coalhada de queijo, com um sabor extremamente suave e bastante característico.

Coalhada

A coalhada é a parte sólida resultante da coagulação do leite. O seu consumo regular fomenta o equilíbrio da flora intestinal, auxiliando nos casos de baixa tolerância ou intolerância a lactose. O leite, quando coalhado, preserva todas as vitaminas, bem como os minerais e a gordura do leite puro, embora apresente uma menor concentração de lactose.

Manteiga

Por apresentar gordura, a manteiga facilita a absorção de vitaminas lipossolúveis, como a vitamina A (que protege a visão), a vitamina D (que coíbe o surgimento da osteoporose) e a vitamina E (que é um poderoso antioxidante). O mais indicado é escolher, entre os tipos de laticínios, uma versão sem sal, utilizando-a de forma moderada para evitar o ganho de peso e os problemas cardiovasculares.

Requeijão

O requeijão não apresenta grandes quantidades de proteínas e cálcio, logo, é recomendável sempre combiná-lo com, pelo menos, um tipo de queijo branco. Fique atento com as quantidades de gordura, pois ele deve ser consumido com moderação.

Muçarela de búfala

Essa muçarela, derivada do leite de búfala, tem menos colesterol e possui proteínas, cálcio e outras vitaminas, sendo uma excelente alternativa para as pessoas que sofrem de intolerância à lactose.

Laticínios

Queijos sólidos

O queijo é produzido a partir da inclusão de bactérias no leite. Em seguida, a coalhada resultante é separada sob a forma de soro. Como a lactose está presente nesse soro, boa parte é removida na preparação do queijo.

Todavia, a quantidade efetivamente presente no queijo pode variar bastante. As alternativas com índices mais baixos de lactose são os queijos envelhecidos. Sem embargo, as bactérias no queijo quebram parte da lactose restante, diminuindo consideravelmente sua concentração.

Dessa forma, quanto maior for o tempo de envelhecimento do queijo, mais a lactose será quebrada pelas bactérias que ele contém. Isso demonstra que os queijos sólidos e envelhecidos tendem a ser pobres em lactose.

Uma porção de queijo cheddar de 100 gramas, por exemplo, contém apenas resquícios de lactose. Outros queijos com baixos níveis de lactose são o queijo suíço e o parmesão.

Proteínas do leite em pó

Optar pelo consumo de pós de proteínas tem se mostrado uma opção difícil para os indivíduos com intolerância a lactose. Esses laticínios são fabricados a partir das proteínas existentes no soro, que são a parte que contém, em estado líquido, a lactose.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo