Lignina, que confere rigidez, está presente em plantas terrestres

Inicio » Meio Ambiente » Lignina, que confere rigidez, está presente em plantas terrestres
05/12/2020 Por
Lignina, que confere rigidez, está presente em plantas terrestres

Estando presente nos vegetais terrestres, a lignina é uma macromolécula tridimensional que não possui forma, porém associa-se à celulose para tornar as plantas rígidas. Dessa maneira, sua principal função na planta é proteger contra impactos e até mesmo ataques de micro-organismos.

A lignina é responsável por dar firmeza à maior parte das madeiras encontradas na natureza. Por conta disso, há algumas árvores e arbustos que possuem maior rigidez se comparados a outros vegetais que são mais flexíveis e frágeis.

Lignina

O que é lignina?

Lignina é uma molécula de grande porte que faz com que algumas plantas sejam rígidas e firmes. Da mesma forma, é chamada de lenhina e, quando se associa à celulose, oferece rigidez e impermeabilidade ao vegetal, protegendo-o de qualquer ataque.

Trata-se de um componente de grande importância na madeira. Por conta disso, é considerada a terceira substância mais importante na estrutura do vegetal, e corresponde a uma faixa de 15% até 35% do peso total da madeira.

A lignina fibra foi descoberta pelo químico francês Anselme Payen em 1838, quando nessa ocasião o químico se utilizou de ácido sulfúrico concentrado para tratar a madeira. Dessa forma, ele constatou a presença da substância e também percebeu a importância dela em sua estrutura.

Além disso, ele também observou que é impossível remover e separar a lignina da madeira sem destruí-la parcialmente. Pode-se afirmar então que tal molécula é um resultado do metabolismo da própria planta e que sua maior quantidade é encontrada na parede secundária.

No entanto, isso ocorre porque a parede secundária possui uma maior espessura, e ao longo dela se encontra uma quantidade maior de lignina na planta. Porém, é justamente na lamela média que ela é mais concentrada, sendo que essa é menos espessa em relação à parede secundária.

Desse modo, o polímero possui uma função fungicida na madeira das árvores e é encontrado somente em plantas vasculares, ou seja, em vegetais que possuam tecidos específicos para transporte de líquidos. Assim, podemos entender facilmente o que é lignina.

Lignina

Funções da lignina

Assim sendo, a lignina dá força e resistência ao vegetal para que ele não sofra movimentos causados por fatores externos. Por conta disso, as árvores podem atingir tamanhos enormes e mesmo assim serem resistentes a impactos e ao vento.

A estrutura química dessa substância ainda não foi exatamente elucidada pelos cientistas, visto que ao ser removida da madeira ela perde grande parte de suas propriedades originais. Além disso, ela está intrinsecamente ligada à celulose e outros polissacarídeos das plantas.

Dessa forma, é possível perceber que a substância tem ligação covalente com outros componentes e precisa deles para que a sua função seja desempenhada. Existem apenas três elementos que compõem as moléculas da lignina, que são o carbono, o hidrogênio e oxigênio.

Geralmente conta também com três alcoóis, que são o sinapril, o coniferil e o cumaril. Além disso, esses fenilpropanóides podem variar conforme a espécie e a planta, porém a função em qualquer delas é sempre a mesma, e assim pode-se entender para que serve a lignina.

Da mesma forma, a lignina é encontrada em alguns tipos de papéis que utilizamos em nosso dia a dia, como o papel pardo e o papelão. Assim sendo, é justamente essa substância que dá a coloração marrom a esses papéis, ao contrário do papel de caderno usado para escrita.

Em contrapartida, os papéis que contam também com a lignina em sua composição sofrem degradações mais rapidamente. Isso porque a substância é oxidada quando em contato com o oxigênio presente no ar. No entanto, possuem maior rigidez que o papel branco.

As possibilidades da lignina

Para que o papel branco possa ser fabricado, é necessário extinguir quase que totalmente a lignina de sua composição. Por conta disso, o papel branco é mais maleável, pode ser facilmente dobrado, além de folheado em um livro sem perder suas propriedades e alterar a sua textura.

Desse modo, a vida útil do clássico papel branco é mais extensa, ao contrário do papelão. Basta observar o uso comum de armazenar objetos em caixas de papelão durante longos períodos de anos. Não raramente, ao movimentar uma caixa dessas, ela se rompe facilmente.

Além disso, as possibilidades desse polímero são aproveitadas de forma precária, visto que apenas 2% da lignina originada do processo de polpação são aplicados de forma rentável. Isso acaba gerando um grande desperdício, prejudicando indiretamente o meio ambiente.

Da mesma forma, são gerados danos econômicos por conta desse desperdício, já que toda essa matéria poderia ser usada para gerar lucros. É uma questão de sustentabilidade aproveitar melhor toda essa lignina que é descartada sem uso concreto e útil.

Por conta disso, a biomassa lignocelulósica é uma forma interessante para elaborar uma fonte de carbono renovável, já que aproveita a lignina até então descartada. Desse modo, a fonte alternativa de carbono pode contribuir na substituição do uso de fontes fósseis.

Lignina

Sustentabilidade

Conforme falado anteriormente, a biomassa gerada a partir da lignina que não possui uso pode ser uma fonte alternativa e sustentável de carbono. Dessa forma, é possível diminuir o uso de fontes fósseis, contribuindo para um consumo sustentável.

Essa biomassa lignocelulósica é gerada a partir da lignina elaborada com outras substâncias como a celulose e a hemicelulose. Assim sendo, origina-se um novo produto capaz de substituir grande parte do consumo de materiais originados do petróleo.

Isso significa uma maior sustentabilidade, visto que é aproveitado um material que antes era descartado e desperdiçado, além de ainda gerar índices de poluição inferiores na atmosfera. Por conta disso, projetos como esse devem receber investimentos e apoio.

Uma forma útil, sustentável e menos nociva ao meio ambiente é algo importante que deve ser levado a sério, pois os benefícios disso ultrapassam apenas as questões da natureza. Da mesma forma, a economia e a rentabilidade são impactadas positivamente com esse uso da lignina.

Assim sendo, podemos observar com clareza que a lignina é um polímero abundantemente presente na extração da madeira e que geralmente não é aplicado da melhor forma possível. Por consequência, prejudica-se a natureza e ainda é gerado um desperdício de recursos.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo