Mamba é nome dado a serpentes africanas arborícolas

Inicio » Meio Ambiente » Mamba é nome dado a serpentes africanas arborícolas
25/10/2020 Por
Mamba é nome dado a serpentes africanas arborícolas

Não pertence às serpentes mamba o título de maiores cobras do mundo, mas ao menos uma delas ocupa a segunda posição. Cuidado: se você de deparar com uma serpente da família mamba, você pode estar em grande perigo. Essas cobras são consideradas peçonhentas, isto é, venenosas. Sua picada pode levar um animal ou um humano adulto à morte em 20 minutos se não for ministrado o antídoto.

Apesar de algumas espécies serem tímidas ante a presença de humanos, as serpentes mamba costumam ser muito agressivas. Estima-se que mais de 20 mil pessoas morram anualmente por ataque de cobras peçonhentas.

Mamba

O que é mamba?

Mamba é a designação das serpentes africanas arborícolas do gênero Dendroaspis. Essas serpentes são conhecidas pela peçonha extremamente poderosa. A picada de uma serpente mamba pode levar um homem adulto rapidamente à morte.

Como existem várias espécies de cobras mambas, a potência do veneno pode variar. Contudo, é consenso na comunidade científica: se não for ministrado um antídoto para reverter os efeitos da picada, a vítima virá a óbito em pouco tempo.

Os tipos de mamba mais conhecidas são:

  • D. angusticeps;
  • D. viridis.

Mas, sem dúvida, a espécie mais famosa é a mamba-negra.

Mamba-negra

Também conhecida como black mamba, a mamba-negra é uma das mais perigosas do mundo. Seu veneno age rápido, é a segunda maior cobra do mundo, mede 4 metros, perdendo apenas pela cobra-rei (nome bem sugestivo), que mede 5,6 metros.

Apesar de todo esse tamanho, é uma cobra ágil, chega a percorrer 20 quilômetros por hora, número que a coloca em pé de igualdade com corredores profissionais, como Usain Bolt. Por isso, é perigosíssima. Correr ao avistar essa cobra não será um bom negócio se não estiver em boa forma física.

Ao contrário do que muitos pensam, a mamba-negra não tem uma pele externa negra. Ela tem uma superfície externa que pode variar do marrom ao verde-oliva, ou ainda apresentar tons caqui e cinza.

Por que é chamada de mamba-negra?

Muitos desafortunados souberam a resposta da pior maneira possível: sendo atacados pela serpente.

Ocorre que a pele do interior de sua boca é de um azul-escuro, quase preto. Quando ela se sente ameaçada, uma de suas reações é ficar de pé, levantando até 1 metro o corpo do chão, balançando a cabeça e abrindo a boca, exibindo o seu interior quase negro.

Nesse estado, emite um sibilo. Tal movimentação ocorre para que ela precise a mira antes de aplicar o bote, caso a vítima não recue (mas, se correr, o bicho come). Como explicado antes, essa cobra tem desempenho de corredor profissional na corrida.

Sem dúvida, olhar o interior quase negro dessa mamba é como fitar o abismo gélido da morte.

Características morfológicas da mamba

Diante de uma ameaça tão significativa, certamente é importante saber como identificar essa cobra. Uma boa pista já foi dada, que é observar a pele, que não é negra como o nome pode sugerir.

Contudo, sem dúvida, isso não é suficiente para identificar essa serpente e se manter a salvo de sua ameaça, pois, como dito, é uma cobra normalmente avessa ao contato humano, preferindo fugir. Mas, se sentir ameaçada, seu bote é fatal.

Observe a cabeça da cobra. Se for estreita e alongada, e batendo com as outras características apontadas até aqui, como a pele, é bem possível que seja uma mamba-negra. Todo cuidado é pouco.

Mamba

Comportamento da mamba

O período de caça de uma black mamba costuma ser diurno. À noite, ela sempre volta no mesmo lugar para descansar. Não é solitária, vive em pares e em grupos, mas esses grupos costumam ser pequenos.

Habitat da mamba

E onde é possível encontrar essa família de serpentes? Claro que, a menos que você seja um biólogo ou pesquisador da fauna animal, a ideia por trás de saber onde encontrar essas cobras é a de se manter o mais longe possível desses locais.

Quem mora no Brasil não tem muito com o que se preocupar. Como dito, esse é um grupo de serpentes africanas, portanto, logicamente, elas são mais encontradas na África, na Savana, pedreiras, florestas no sul e leste da África.

Esse tipo de cobra prefere ambientes abertos e não raro dorme entre rochas e árvores ocas.

No entanto, isso não significa que está totalmente descartada a possibilidade de se deparar com uma em solo brasileiro. Infelizmente, o tráfico ilegal de animais é prática corrente no país, apesar de mais exportarmos animais do que importarmos.

Cobras venenosas

E já que o assunto são as cobras venenosas, quais são as outras espécies que é preciso sempre acender o alerta ao se deparar?

Mamba

Krait malasiana

É uma cobra cuja agressividade não tem limites.  O seu cardápio é constituído simplesmente por outras cobras e são capazes de devorar outras da própria espécie.

Para completar, o veneno de sua picada é tão potente, tão mortal, que mesmo aplicando um antídoto, apenas 50% das vítimas conseguem sobreviver.

Felizmente não é tão comum o encontro de humanos com essa cobra, pois ela tem hábitos estritamente noturnos.

Cobra filipina

Se deparar com uma cobra filipina na sua frente é contar com um azar muito grande. Mesmo a distância não é uma garantia de que vá conseguir se livrar de seu ataque poderoso. Não que ela seja veloz como uma mamba, mas ela consegue cuspir o seu veneno em até 3 metros de distância.

A toxina dessa cobra pode matar um homem adulto em até 30 minutos.

Víbora da morte

O nome já deixa bem claro o recado, não é mesmo? Essa cobra de nome tão gracioso é encontrada na Austrália e na Nova Guiné.

O que a faria se distinguir das anteriores? Claro, ela apresenta diferenças físicas em relação às anteriores, mas o que a faz ser mortífera de um jeito só dela?

Certamente é o seu bote, o mais rápido do mundo. É provável que a vítima nem perceba o que ou quem a picou.

O bote da víbora da morte já foi cronometrado. A sua deslocação de ataque e retorno a sua posição original ocorre em apenas 0,13 segundos!

Seu veneno não age tão depressa como de uma mamba, mas em até 6 horas provoca paralisia e falência respiratória.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo