Mimetismo é importante para a sobrevivência de diferentes espécies

Inicio » Meio Ambiente » Mimetismo é importante para a sobrevivência de diferentes espécies
13/08/2019 Por
Mimetismo é importante para a sobrevivência de diferentes espécies

A semelhança física causada pelo mimetismo oferece proteção para muitas espécies animais

O mimetismo tem uma grande importância para que diversas espécies de animais consigam se proteger das ameaças constantes de seus predadores naturais.

É através do mimetismo que muitos seres vivos conseguem encontrar alimento mesmo em regiões onde os predadores estão à sua volta.

Mimetismo

O que é mimetismo?

Mimetismo é o nome dado à capacidade que muitos animais possuem de mudar características físicas. Essas mudanças podem acontecer tanto em sua coloração quanto no formato de seus corpos.

O principal objetivo do mimetismo é fornecer aos animais que têm essa capacidade mais proteção. Essa proteção é fundamental para que tais espécies consigam encontrar alimentos, além de também ser muito útil na presença de predadores.

Você provavelmente já viu cenas onde camaleões se misturam à paisagem para escapar de predadores. Porém, você e vai se surpreender ao descobrir que essa habilidade do camaleão não é classificada como mimetismo. Continue lendo para saber mais detalhes!

Quem descobriu o mimetismo?

A capacidade de alterar sua coloração e forma para buscar alimento ou se defender pode ser considerada uma descoberta recente.

O mimetismo foi descoberto ainda no século XIX, quando o naturalista britânico Henry Walter Bates observou espécies diferentes de mariposas existentes na fauna brasileira.

Bates notou que uma das espécies de mariposa era venenosa para as aves, enquanto a outra não oferecia risco algum, apesar de serem extremamente semelhantes.

Por dedução, o britânico afirmou que a mariposa não venenosa acabou desenvolvendo marcas muito parecidas com a mariposa venenosa.

Esse conceito foi bastante utilizado por Charles Darwin para demonstrar sua famosa teoria da seleção natural. Para confirmar sua teoria, Charles Darwin utilizou as aves como agentes da seleção natural por eliminar apenas as mariposas que eram fisicamente diferentes daquelas que já sabiam ser venenosas.

A criação desse conceito foi de grande importância para que Darwin pudesse desenvolver toda a sua teoria da seleção natural.

Mimetismo

Tipos de mimetismo

Basicamente existem três tipos de mimetismo, que podem ser chamados de funcionais:

  • Agressivo: onde o animal utiliza sua capacidade para atacar suas presas;
  • Reprodutivo: para se reproduzir, o animal se utiliza dessa capacidade a fim de atrair o sexo oposto;
  • Defensivo: utilizado por muitos animais com o objetivo de despistar, enganar ou assustar os predadores.

Os tipos de mimetismo podem receber duas classificações distintas: Mülleriano e Batesiano. Vejamos a seguir sobre tais classificações.

Mimetismo Mülleriano

É quando duas espécies que não apresentam sabor agradável para os predadores são semelhantes. Um exemplo comum são as borboletas monarca e a vice-rei.

A segunda apresenta coloração e formas semelhantes às da primeira, porém, ambas são nocivas aos predadores, dando veracidade aos sinais de que se trata de um animal nocivo.

Mimetismo Batesiano

É quando uma espécie não venenosa, mas que pode servir de alimento, desenvolve características semelhantes às da espécie venenosa, dificultando a ação dos predadores naturais.

A larva da mariposa Hemeroplanes ornatos, por exemplo, quando ameaçada, consegue inflar tanto seu tórax quanto sua cabeça, ficando muito semelhante à cobra-papagaio-verde.

Ou seja, quando um possível predador se depara com uma serpente, provavelmente desistirá do seu ataque e sairá em busca de outra presa.

Exemplos de animais miméticos

Os insetos são os animais mais mencionados sempre que se fala em mimetismo, mas essa capacidade não se restringe apenas a eles.

Abaixo você encontra outros exemplos de mimetismo:

  • Peixes;
  • Cobras;
  • Sapos;
  • Baratas;
  • Lagartos;
  • Borboletas;
  • Pássaros.

Mimetismo só ocorre nos animais?

O mimetismo nos animais já é bastante conhecido, mas algumas plantas também podem utilizar essa mesma capacidade para obter alguma vantagem.

Um exemplo muito interessante de mimetismo nas plantas é o da orquídea-mosca. Essa espécie de orquídea se assemelha muito a uma mosca, o que faz com que a planta consiga atrair outras moscas que contribuem para sua polinização.

Além da orquídea-mosca, existem outras espécies de orquídea que são ótimos exemplos de mimetismo, como:

  • Orquídea pequena pomba;
  • Orquídea orelha de burro;
  • Orquídea macaco;
  • Orquídea abelheira;
  • Orquídea casca de noz;
  • Orquídea dente de Drácula;
  • Orquídea pato voador.

Charles Darwin era particularmente apaixonado por orquídeas e pela forma criativa com que essas plantas conseguem atrair seus polinizadores. Portanto, não é exagero afirmar que, além de belas, as orquídeas ainda são extremamente criativas quando se trata de seu processo de polinização.

Existe diferença entre mimetismo e camuflagem?

Apesar de serem muito semelhantes, mimetismo e camuflagem são mecanismos diferentes.

Enquanto o mimetismo faz com que o animal imite aspectos físicos de um ser de outra espécie, a camuflagem acontece de maneira diferente. A camuflagem está ligada diretamente ao ambiente onde o animal vive.

Muitos animais possuem pelos, penas e escamas que são muito parecidas com o local onde habitam.

Existem também animais, como o camaleão, que possuem células conhecidas como cromatóforos, que fazem com que a cor do corpo desses animais seja alterada de acordo com o local onde se encontram.

São essas células que fazem com que certos animais consigam se misturar ao ambiente onde se encontram, uma mudança que, em muitas situações, pode garantir a sua sobrevivência.

Ou seja, camuflagem e mimetismo são mecanismos diferentes, mas que possuem o mesmo objetivo.

O que é u

Mimetismo

ma coloração de advertência?

Milhares de espécies animais têm em seus corpos traços bastante chamativos. São esses traços que fazem com que esses animais acabem atraindo a atenção dos predadores.

Insetos, répteis e anfíbios se utilizam desse mecanismo de defesa para garantir sua sobrevivência, utilizando principalmente cores como azul, vermelho, preto, amarelo e laranja.

Ao se deparar com animais com essas cores, os predadores sabem que esses animais podem ter um sabor pouco agradável ou, ainda, serem extremamente tóxicos.

Alguns exemplos de animais que se utilizam da coloração de advertência, também conhecida como coloração de aviso, são:

  • Coral falsa;
  • Borboleta vice-rei;
  • Sapos e lagartos coloridos.

A capacidade que muitos animais têm de se adaptar ao ambiente é algo fascinante na natureza. Por isso o mimetismo é tão importante, afinal de contas, os animais estão constantemente lutando pela sobrevivência.

Nessa batalha diária, armas como o mimetismo são fundamentais para manter o equilíbrio necessário no meio ambiente.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo