Pato mergulhão está entre as 10 aves aquáticas mais raras do mundo

Inicio » Meio Ambiente » Pato mergulhão está entre as 10 aves aquáticas mais raras do mundo
01/11/2020 Por
Pato mergulhão está entre as 10 aves aquáticas mais raras do mundo

Brasil é um dos poucos países que conta com a presença de pato mergulhão em seu território. Inicialmente presente na América Central e do Sul, hoje a espécie pato mergulhão é encontrada apenas em alguns países do lado sul do continente. O Brasil é uma dessas nações. Estima-se que, atualmente, viva de forma livre no mundo apenas 250 patos dessa espécie.

Por isso, o pato mergulhão é considerado uma das aves mais raras, pois além de ser encontrado apenas em poucos países, passa por sério risco de extinção. A sua sobrevivência está fortemente ligada à preservação ambiental.

Pato mergulhão

O que é pato mergulhão?

Pato mergulhão é uma ave aquática de longo penacho alto na cabeça e com um bico longo e serrilhado.

Foi descoberta pelo ornitólogo francês Louis Jean Pierre Vieillot em 1817, mas certamente sua existência data de período anterior. Atende pelo nome científico de Mergus octosetaceus.

Vive em rios e riachos de águas límpidas com corredeiras e margeadas por vegetação nativa. Costuma mergulhar por até 30 segundos para caçar alimentos e fica descansando nas pedras dos rios.

Tal preferência de habitat a faz ser classificada como uma ave “bioindicadora”, isto é, quanto mais de sua espécie presente em uma região, maior indicativo de que o ambiente está bem preservado no que concerne aos recursos naturais.

Características do pato mergulhão

O pato mergulhão adulto tem corpo e asas com pelugem preta, mas apresenta cauda, peito e pescoço com penas brancas. Sua face tem faixa esverdeada, mas sua maior parte é composta por penas escuras.

Tem um longo penacho na cabeça que se estende até as suas asas e bico fino, alongado, serrilhado.

Os filhotes apresentam características parecidas, mas sem a faixa verde no rosto. No lugar desta, no maxilar e partes dos olhos, penas brancas.

Pato mergulhão

Pato mergulhão cerrado

O pato mergulhão, também conhecido como “patão”, se tornou uma ave símbolo do Cerrado brasileiro, por isso recebeu a designação “pato mergulhão do Cerrado”, embora não seja de uso frequente. Suas características e necessidades fazem do Cerrado o ambiente perfeito para a sua sobrevivência.

É uma ave que precisa viver em rios e riachos limpos, com águas transparentes e com vegetação nas margens – isto significa que essas áreas precisam estar bem preservadas.

O Cerrado é o nome dado às savanas brasileiras que têm como características árvores baixas, gramíneas e arbustos. São regiões afastadas, geralmente, dos centros urbanos, e propiciam um ambiente inóspito para moradia.

Por isso, são áreas menos afetadas pela ação destrutiva do homem. Embora seja prudente dizer que “menos” não quer dizer que não exista degradação em tais lugares.

Essa é a razão do pato mergulhão ser encontrado apenas em algumas regiões de Minas Gerais (Serra da Canastra e Patrocínio), Goiás (Chapada dos Veadeiros) e Tocantins (Jalapão).

Também pode ser encontrado no Paraguai e na Argentina, mas nesses últimos não há sequer estimativa de quantos vivam sob os seus domínios.

Sua presença originalmente estendia-se até países da América Central, mas com o avançar da degradação no meio ambiente, da caça e do tráfico ilegal, a população de pato mergulhão acabou se reduzindo consideravelmente, ficando restrita a poucos países.

Hoje é uma das aves que mais correm risco de extinção.

Alimentação do pato mergulhão

A alimentação do pato mergulhão é composta por pequenos peixes e invertebrados. A ave faz a sua caça nos rios e riachos que habita. Graças ao seu bico alongado e serrilhado, consegue capturar suas presas.

É capaz de mergulhar nesses locais por até 30 segundos sem respirar. Tanto casais quanto indivíduos podem ser vistos descansando sobre pedras em meio aos rios quando não estão se alimentando.

Pato mergulhão

Reprodução do pato mergulhão

O pato mergulhão se reproduz em um período do ano, de maio a setembro, meses onde os rios que costuma viver estão mais cheios.

As fêmeas da espécie botam até oito ovos por vez, ovos que têm coloração branco-amarelado. O período de incubação da fêmea chega a 30 dias.

Os filhotes costumam ficar com os pais até 6 meses.

O pato mergulhão é uma espécie monogâmica, significa que fica com apenas um parceiro ao longo de sua vida.

Os ninhos dessa ave são feitos em fendas de paredes rochosas, em troncos de árvores e barrancos de terra nas beiras de córregos e rios.

O risco de extinção do pato mergulhão

O pato mergulhão é uma ave rara e que se encontra em risco de extinção. Há poucas centenas em liberdade atualmente e, por depender muito de rios, riachos e matas em bom estado de preservação, é uma das espécies de animais mais afetadas pela degradação ambiental.

Apesar de existirem iniciativas de preservação da espécie no Brasil, como a do Zooparque Itatiba, em parceria com o ICMBIO, a preocupação do futuro dessa ave é permanente e só tem aumentado.

O país sempre enfrentou dificuldade para preservar suas riquezas naturais em razão da falta de consciência ecológica de muitos de seus cidadãos, apesar de ter melhorado nesse aspecto a partir dos anos 1990, mas a questão econômica sempre foi um dos grandes problemas.

A exploração de terras e de recursos naturais constitui uma fatia muito expressiva na economia nacional.

É um país que não se industrializou o suficiente para não ficar tão dependente da produção e venda de commodities e matérias-primas, como é o caso do cenário atual. Manter o equilíbrio entre preservação e produção, nesse caso, é tarefa complicada.

Mas a recente guinada na política ambiental para um pensamento totalmente pró-produção, ao que tudo indica, só tende a piorar esse cenário e acelerar a extinção de algumas espécies.

Apesar de se defender que tal política contribuirá para a melhora da produtividade, a má repercussão internacional e os possíveis impactos na sociedade tornam essa visão questionável.

Aves brasileiras

A diversidade de aves no Brasil impressiona. É o país com a maior biodiversidade do mundo.  Encontram-se no país mais de 200 espécies de aves, sendo muitas delas endêmicas, espécies que se desenvolvem em regiões restritas.

Algumas das principais aves brasileiras:

  • Águias;
  • Gaviões;
  • Falcões;
  • Urubus;
  • Corujas;
  • Andorinhas;
  • Sabiás;
  • Canários;
  • Araras;
  • Papagaios.

Assim como o pato mergulhão, muitas das aves brasileiras se encontram, infelizmente, em risco de extinção. O país é um dos principais exportadores, senão o principal, de animais silvestres, de forma ilegal, do mundo.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo