Pororoca é o encontro das águas dos rios com as águas dos mares

Inicio » Meio Ambiente » Pororoca é o encontro das águas dos rios com as águas dos mares
27/07/2019 Por
Pororoca é o encontro das águas dos rios com as águas dos mares

A pororoca é um fenômeno importante para o desenvolvimento dos rios e grande chamariz para o setor do turismo

Há alguns anos a pororoca brasileira tem movimentado um setor de turismo único em estados do norte e nordeste.

Mas você sabe exatamente o que é a pororoca e por que ela é importante para os rios do norte e do nordeste? Neste texto, abordaremos o assunto com mais detalhes, além de discutir os motivos de a pororoca ter desaparecido completamente em um rio do Amapá.

Pororoca

O que é pororoca?

Pororoca é um fenômeno que acontece em rios do mundo. Também conhecida como macaréu, o nome designa uma onda do mar muito forte e duradoura que invade a foz dos rios.

O termo pelo qual é mais conhecida possivelmente deriva do tupi poro’roka, que tem um significado semelhante a grande estrondo ou estrondar.

No entanto, ainda há linguistas que dizem existir a possibilidade de, na realidade, derivar do termo poroc-poroc, que significa “destruir tudo”, ou ainda a junção das palavras poroc e oca, que seria o equivalente a “destruir casas”.

Entendendo a pororoca

A forma como ocorre a pororoca no Brasil é, na realidade, um pouco diferente de como o fenômeno acontece em outros países. Isso acontece porque a maré nas áreas litorâneas afetadas por ela é muito mais alta que nos demais locais.

A pororoca costuma acontecer próxima às marés altas. Elas são mais poderosas durante os equinócios e,  principalmente, durante os poucos dias que antecedem e após a mudança das luas.

Com a alta da maré, as ondas conseguem invadir a foz dos rios, mudando seu curso por algum tempo. O encontro das águas gera uma onda muito forte, que deixa a água violeta e turva. Isso ocasiona uma alteração significativa nos leitos dos rios e prejudica temporariamente a pesca.

Embora o fenômeno possa levar algum tempo, após algumas horas o rio volta a empurrar a água na direção correta. No entanto, durante os próximos dias, a pororoca ainda pode ocorrer algumas vezes durante as marés cheias.

No Rio Amazonas

A pororoca do Rio Amazonas já se tornou mundialmente conhecida. Alguns documentários já foram gravados sobre o fenômeno. Além disso, competições esportivas também são frequentes na região.

Tudo isso porque este é um dos rios onde as ondas são mais impressionantes. No Rio Amazonas, elas chegam a avançar mais de 50 km nos rios, criando ondas que chegam a 30 km por hora e a 4 metros de altura.

Durante os períodos de cheia do Rio Amazonas (durante os meses de março e abril), as pororocas costumam ser muito mais fortes e duradouras.

Pororoca

Problemas no Amapá

O fenômeno da pororoca enfrentou problemas graves no Amapá e chegou ao fim. De acordo com alguns ambientalistas, muitos fatores podem ter causado a extinção da pororoca na região. Entre eles, pode-se citar a criação de hidrelétricas e, principalmente, a grande alta da criação de búfalos.

Como houve a necessidade de se criar diversos pastos e valas para os animais, a maré alta já não atinge os rios com a mesma força. Isso não apenas diminuiu o turismo na região, como também tem afetado a vida dos habitantes.

O rio tem claramente se modificado devido à ausência das pororocas. Como o fenômeno fazia com que seu leito se aprofundasse e suas margens se alargassem anualmente, a ausência dele tem tido efeitos colaterais. Hoje, em algumas áreas, é impossível transitar com barcos pequenos por diversos trechos.

Portanto, apesar dos diversos efeitos considerados “perigosos” da pororoca, ela ainda é necessária para manter o habitat das regiões que afeta.

A pororoca é perigosa?

Embora seu poder possa ser devastador em muitos casos, é possível prever a ocorrência da pororoca com até 2 horas de antecedência. O barulho muito alto e característico que a precede é, inclusive, uma das melhores formas de saber quando ela vai acontecer.

Porém, é indiscutível que a força das ondas é devastadora. Elas são capazes de arrastar qualquer coisa que estiver no caminho, invadindo inclusive áreas que não eram previamente alagadas. Árvores muito grandes e antigas podem, inclusive, ser retiradas do solo pela raiz.

No entanto, tanto os animais quanto as pessoas que habitam a região já aprenderam a reconhecer os sinais da pororoca ao longo dos anos. As casas que podem estar no caminho das ondas, por exemplo, são construídas sobre palafitas para evitar que sejam inundadas.

Uso da pororoca nos esportes

Pela altura e duração prolongada das ondas, os períodos em que o fenômeno acontece têm sido muito procurados por surfistas. Alguns recordes mundiais foram, inclusive, quebrados surfando as ondas de pororoca.

O exemplo mais célebre é, provavelmente o do surfista profissional Picuruta Salazar. Por 35 minutos, ele surfou uma única onda que percorreu mais de 12 km de distância.

Porém, mesmo para surfistas profissionais, é importante salientar que a pororoca pode ser muito perigosa. Além da violência das águas, outros fatores importantes devem ser considerados, principalmente a forma como a água fica turva e cheia de detritos arrastados pelas ondas, incluindo árvores de grande porte.

Pororoca

Afinal, a pororoca acontece só no Brasil?

Como citado anteriormente, a pororoca não acontece apenas no Brasil, embora em outras regiões o fenômeno leve outros nomes. Porém, ele é comum em grandes rios que se encontram com marés altas.

Entretanto, a pororoca do Brasil – ou, mais especificamente, a pororoca do rio Amazonas – é a mais forte já registrada.

Outros lugares onde o fenômeno pode ser presenciado em menor escala são:

  • Rio Columbia – Washington, Estados Unidos;
  • Rio Colorado – Golfo da Califórnia, fronteira dos Estados Unidos com o México;
  • Rio Sena – Paris, França;
  • Gironda – Charente-Maritime, França;
  • Rio Charente – Rochefort, França;
  • Rio Tamisa – Inglaterra, Reino Unido da Grã Bretanha.

Além destes, outros rios britânicos são atingidos pelo fenômeno, assim como rios em Bornéu, Sumatra e Guiné-Bissau, por exemplo.

Por ser algo que depende de alguns elementos específicos da natureza, a pororoca pode ser observada apenas em determinados lugares. Portanto, se você pretende presenciar o fenômeno ao vivo, pesquise com cuidado quais são os locais da sua preferência que podem ser visitados e aproveite!

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo