Respiração pulmonar faz trocas gasosas entre o organismo e o meio

Inicio » Veterinária » Respiração pulmonar faz trocas gasosas entre o organismo e o meio
02/12/2020 Por
Respiração pulmonar faz trocas gasosas entre o organismo e o meio

Vital para nossas células, a respiração pulmonar também é realizada por inúmeros seres vivos. Para manter nossas funções vitais, a respiração pulmonar é a responsável por fornecer oxigênio às células. Além do mais, ela serve para eliminar o gás carbônico que é gerado a partir da chamada respiração celular.

Ou seja, a respiração pulmonar é a primeira etapa do processo que supre nosso organismo por meio de trocas gasosas realizadas pelos pulmões. No entanto, ainda há uma infinidade de outros seres vivos que dependem desse tipo de respiração.

Respiração pulmonar

O que é respiração pulmonar?

Respiração pulmonar é a troca de gases responsável por suprir de oxigênio os organismos de uma infinidade de seres vivos. Aliás, os humanos chegam a apresentar também a respiração celular, decorrente da própria respiração pulmonar.

Em suma, a nossa sobrevivência depende tanto da pulmonar quanto da celular. Como primeiros exemplos comuns de outros animais com o processo de respiração pulmonar, podemos citar quase que classes inteiras, como:

  • Mamíferos;
  • Aves;
  • Répteis;
  • Moluscos;
  • Grande parte dos anfíbios adultos.

Enfim, para você entender melhor o que é respiração pulmonar, saiba que ela é a grande responsável pelas trocas gasosas que são realizadas entre o meio ambiente e o organismo. Ou seja, a hematose, que é o nome dessas trocas gasosas, pode ser resumida como a inspiração de oxigênio e a eliminação do gás carbônico de nosso corpo.

Como funciona a respiração pulmonar humana?

Numa primeira etapa, a respiração pulmonar humana tem início com a inspiração de ar realizada pelas nossas fossas nasais. Aliás, nesses orifícios, o ar pode ser umedecido e filtrado devido à presença natural tanto de muco quanto de pelos.

Nesse sentido, esse ar tende a ser aquecido na região, pois o tecido da nossa cavidade nasal apresenta uma ampla rede de vasos sanguíneos. Valem lembra ainda que as fossas nasais do ser humano também apresentam células sensoriais responsáveis pelo olfato.

A partir de então, depois de passar por essas fossas, o fluxo de ar vai para a faringe. Ou seja, um órgão que é comum tanto ao sistema respiratório quanto ao sistema digestivo. Depois disso, o fluxo de oxigênio segue para a laringe.

Ao fim desse órgão, que é um longo tubo que pode reter partículas, está conectada a traqueia. Em linhas gerais, o órgão é outro tubo composto por peças de cartilagem. Neste ponto do processo de respiração pulmonar, a traqueia apresenta um tecido com muitos vasos sanguíneos que ajudam a manter o fluxo de oxigênio mais aquecido e úmido.

Além do mais, na traqueia também estão presentes células caliciformes e glândulas seromucosas, responsáveis pela produção de secreções que ajudam a eliminar possíveis partículas. Vale lembrar ainda que, na região, vários cílios têm a função de deslocar essas partículas e restos de muco para a faringe, a fim de serem engolidas.

Para completar o processo de respiração pulmonar nos seres humanos, nessa fase, a traqueia passa a ser bifurcada para penetrar nos pulmões na forma de dois brônquios. A seguir, eles dão origem aos nossos bronquíolos, que são outras infinitas ramificações do nosso sistema respiratório.

Respiração pulmonar

Quais os tipos de respiração mais comuns?

Conforme você já viu por aqui, é por meio do processo respiratório que inúmeros animais podem realizar a troca de gases com o meio ambiente. Nesse sentido, podemos concluir que ela pode ser chamada de respiração aeróbica.

Em linhas gerais, ela mantém esses seres vivos ao obterem o oxigênio necessário e ainda eliminar todo o gás carbônico interno.

Enfim, confira a seguir os tipos de respiração mais comuns e as principais características de cada uma:

  • Respiração branquial: um dos tipos mais comuns, essa respiração ocorre por meio das brânquias. Nesse sentido, há uma troca gasosa entre a água do ambiente e o sangue dos animais de mares, rios ou até lagos. Por isso que ela é mais comum em animais como moluscos, crustáceos e peixes;
  • Respiração traqueal: essa é a respiração processada por meio da traqueia dos animais. Aliás, esse órgão respiratório permite o transporte de oxigênio entre o interior dos animais e o meio ambiente. Muito comum em insetos, ela também depende de tecidos para que ocorram as trocas gasosas;
  • Respiração tegumentar: essa é a conhecida respiração cutânea, realizada pela pele dos animais. Ou seja, as trocas gasosas ocorrem na superfície, já que o oxigênio é maior externa do que internamente no animal. Como simples exemplos, vale destacar que essa respiração é comum em animais como celenterados, platelmintos, poríferos e diversos anelídeos;
  • Respiração pulmonar: conforme já estamos abordando neste artigo, a respiração pulmonar é um processo realizado pelos pulmões. Além do mais, vale lembrar que essa respiração é muito comum em aves, mamíferos, anfíbios e répteis.

Respiração pulmonar

Qual a diferença entre respiração pulmonar e celular?

Para fecharmos nosso artigo, chegou a hora de analisarmos algumas diferenças entre respiração pulmonar e celular.

Claro que, ao falarmos em respiração, costumamos pensar apenas nos movimentos de expirar e inspirar por meio dos pulmões e do diafragma. Contudo, todo esse processo ainda requer um sistema mais complexo para manter todas as nossas funções vitais funcionando. Para isso, cotamos ainda com a chamada respiração celular e os vários mecanismos que estão interligados para manter nossa saúde.

Em linhas gerais, vamos relembrar que as células do corpo precisam de oxigênio para manter as funções e gerar energia para o organismo. Sendo assim, a respiração celular tem como grande característica a obtenção de oxigênio por meio de processos químicos para gerar toda essa energia.

Afinal, cada célula precisa de ar para oxidar as mais diversas orgânicas substâncias, como os carboidratos. A partir de então, o processo libera gás carbônico, energia e água, ajudando no funcionamento geral do corpo.

No entanto, para esse oxigênio chegar às células, entra em cena a respiração pulmonar. Ou seja, por meio da ventilação nasal, podemos obter oxigênio e levá-lo para os pulmões, que chegam às células por meio da corrente sanguínea.

Nesse sentido, podemos concluir que essa ventilação captura o oxigênio do meio ambiente e ainda ajuda, em contrapartida, a eliminar gás carbônico para o ambiente. Enfim, a respiração pulmonar é muito mais que o ponto de partida para a troca vital de gases. Isso porque ela ainda ajuda a manter nossas células vivas para exercerem demais funções vitais ao nosso organismo.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo