Caburé é um tipo de coruja comum na região neotropical

Inicio » Meio Ambiente » Caburé é um tipo de coruja comum na região neotropical
10/10/2020 Por
Caburé é um tipo de coruja comum na região neotropical

Considerada a menor espécie brasileira, a caburé também pode ser ágil e vista em todos os biomas nacionais. Embora seja conhecida pelos olhos observadores e grande porte, a coruja caburé usa muito mais que uma visão sensível para capturar suas presas. Além de beleza e coloração atraente, essa pequena é valente em um mundo noturno cheio de predadores ferozes.

Contudo, a caburé e demais espécies correm sérios riscos de extinção. Como exemplos, temos desmatamento, poluição, destruição do habitat e queimadas de técnicas agrícolas que ameaçam nossa fauna. Ainda assim, nossas espécies de corujas precisam sobreviver a crendices, lendas e muito preconceito.

Caburé

O que é caburé?

Caburé é uma espécie de coruja considerada a menor do Brasil. Afinal, ela chega a pesar no máximo cem gramas e medir apenas cerca de vinte centímetros. Por outro lado, a fêmea caburé pode ser mais pesada e maior, pois é uma ave que caça tanto de dia quanto de noite.

Além de muito ativa e combatente, sua plumagem possui dois tons. Até porque é comum a de coloração ferrugem ou marrom. Entretanto, aqui a cauda é da mesma cor. Ainda assim, é possível encontrar aves de plumagem cinza, mas de cauda listrada branca.

Aliás, essa plumagem cinza é útil para sua defesa, pois a nuca imita olhos extras, confundindo seus predadores. Enfim, a caburé é nativa de regiões como Argentina, Chile, o território brasileiro e até áreas que vão do México aos Estados Unidos.

Características da coruja caburé

A coruja caburé tem como habitat a terra firme, áreas de várzea, florestas, campos arbóreos, cerrados, espaços urbanos arborizados e até mesmo savanas.

Em geral, costuma alimentar-se de roedores, pássaros, mamíferos, insetos, répteis e pequenas rãs, lagartixas e cobras. Contudo, nos primeiros dias de vida das crias, os alimentos mais comuns são insetos e répteis.

Apesar de ser considerada a menor coruja brasileira, pode ser caçadora muito ágil, caçando até mesmo outras aves.

Essa coruja tem período reprodutivo em outubro e estende-se até maio. Aliás, sua postura de ovos é na cor branca, cabendo à fêmea mais que a produção de ovos, mas toda a fase de incubação que dura quase um mês. Para segurança, seus ninhos são feitos em buracos ou fendas de cupinzeiros inativos, bem como em árvores.

A seguir, as crias começam a sair em menos de trinta dias. Contudo, ao nascerem em cativeiro, vale lembrar que eles sempre voltam ao ninho para dormir.

A coruja caburé pertence à família das Strigidae, mas, na linguagem popular, essa espécie ainda é conhecida por nomes diversos. Confira abaixo quais seus nomes nas mais diversas regiões do Brasil:

  • Caburezinho;
  • Caboré;
  • Corujinha-caburé;
  • Caburé-do-sol;
  • Cauré;
  • Caburé-ferrugem.

Caburé

Corujas brasileiras

Sabia que ocorrem no Brasil quase duas mil espécies de aves? Claro que, no grupo das rapinantes, a coruja tem grande destaque. Aliás, devido aos hábitos predominantemente noturnos, as chamadas “donas da noite” estão presentes em todos os biomas brasileiros.

Ou seja, da Mata Atlântica a áreas abertas, das restingas e campos à floresta Amazônica, espécies como a caburé têm papel ativo na conservação e manutenção ambiental. No entanto, além de toda essa ampla ocorrência, nossas mais de vinte espécies de corujas brasileiras ainda se destacam pelo tamanho, comportamento e até por seus hábitos alimentares.

De qualquer forma, no time das mais ariscas estão a caburé e a rara coruja preta. Aliás, essa espécie é muito difícil de ser observada ou até mesmo vista. Por outro lado, as mais populares e conhecidas são as de hábitos diurnos, como a coruja de mato e as suindaras.

Caburé miudinho no Brasil

Apenas em estados com presença da Mata Atlântica, como Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná, as espécies de corujas podem chegar a vinte. Contudo, a região Sudeste ainda apresenta cerca de quinze variedades e suas características.

Entre essas espécies citadas, uma das mais endêmicas é a caburé miudinho. Embora existam poucos dados analisados sobre ela, sabe-se que essa coruja apresenta tanto hábitos noturnos quanto diurnos.

De qualquer forma, ela ocorre em várias regiões que abrangem áreas dos Estados de Santa Catarina, Bahia Mato Grosso do Sul e de Goiás. Em linhas gerais, ela está acostumada com a ocorrência da Mata Atlântica.

Além disso, a espécie costuma ser intolerante a matas secundárias, pois é comumente vista em florestas tropicais e de mata úmida. Ainda assim, além da miudinho, é possível encontrar a coruja listrada e até a coruja sapo.

Como boa notícia, ainda podemos listar a presença da coruja caburé de Pernambuco. Isso porque ela já tinha sido declarada como espécie extinta poucos anos atrás, mas já é vista por algumas regiões brasileiras.

Enfim, para cobrir uma área de endemismos, apenas na região da Amazônia são quatro as aves rapinantes dominantes. Neste caso temos as aves que vão da caburé da Amazônia até a coruja de Roraima, abrangendo grande parte do Norte brasileiro.

Caburé

Hábitos alimentares da caburé do Pernambuco

Para provar que tamanho não é essencial nesse mundo que voa, saiba que as diferenças entre nossas corujas não são apenas na questão do porte. Aliás, a espécie chamada de caburé do Pernambuco pode parecer pequena, mas tem grande importância na cadeia alimentar dos biomas.

Isso porque as espécies da natureza ainda são variadas, uma vez que existem aves com cerca de sessenta gramas, mas se viram bem no seu habitat em meio a fortes predadores. Nesse caso, temos até a caburé miudinho, que parece ainda menor frente a aves que chegam a dois quilos, a exemplo do jacurutu.

Partindo desse aspecto característico, a dieta de cada espécie por ser diferente. Ou seja, enquanto uma coruja caburé menor caça insetos como besouros, baratas e gafanhotos, uma jacurutu chega a alimenta-se até de pequenos mamíferos, como ratões, gambás e lebres.

Vale ressaltar que a caça desse tipo de ave depende de características próprias para sua alimentação. Assim como acontece com a caburé, uma coruja precisa de dois pontos fortes: penas serrilhadas e macias para um voo silencioso, bem como uma audição incrível para captar pequenos ruídos.

Coruja caburé é excelente caçadora

O caburé é uma pequena ave da ordem strigiformes, que inclui aves de rapina como as corujas, que são ótimas caçadoras, com uma visão extremamente aguçada e de movimentos rápidos.

Essa pequena coruja, o caburé é da família Strigidae, e talvez você também conheça como caboré, caburé-ferrugem ou caburezinho.

Essa pequena coruja é o caburé

Exímia ave caçadora, o caburé é, na verdade, uma pequena coruja que pode ser encontrada desde o sul Estados Unidos até algumas regiões da América Latina, como Brasil e Argentina.
Seu tamanho varia entre 17 e 20 centímetros e pode pesar até 90 gramas. Apesar de seu pequeno porte, ela pode predar outras aves, inclusive maiores que seu próprio tamanho.
Fazem parte de seu cardápio outras aves, insetos, lagartos, dentre outros pequenos animais.

É bastante ativo tanto ao longo do dia quanto à noite e costuma cantar com frequência, chamando atenção de outras aves.

O caburé possui vários tons em sua plumagem, podendo ser cinzenta ou ferrugem. Na cor cinza são mais raras, mas há alguns exemplares na coloração cinza-amarronzado. Mas o que predomina e mais comum é a cor marrom. Seu dorso marrom as vezes possui manchinhas brancas nas asas, abdome branco com estrias em tons de marrom. Possui pequenas listras brancas na testa também e penas mais esbranquiçadas ao redor dos olhos e seu bico é levemente amarelado.
Assim como outros tipos de coruja, possui desenhos atrás da cabeça que imitam seus olhos, isso serve para distrair as presas, aumentando suas oportunidades de caça.

Cabur[e é uma pequena coruja marrom com manchinhas brancas

Espécies de coruja

No mundo todo foram classificadas cerca de 200 espécies de coruja. De uma espécie para outra, mudam principalmente tamanho e plumagem. Num geral, todas as corujas são excelentes predadoras e caçadoras de animais menores e enxergam muito bem a noite.

Outra característica bem comum pela qual conhecemos as corujas, são seus olhos grandes. Porém, seus olhos não se movimentam para os lados como os olhos humanos. Por isso é que vemos as corujas virando a cabeça para olhar para os lados. Elas podem girar a cabeça até 270 graus e ter um amplo campo de visão.

  • Coruja diabo: sua aparência assusta um pouco, de penugem escura e olhos avermelhados, pode ser encontrada no México, Brasil, Paraguai e Argentina. Quando se sente ameaçada, é um pouco agressiva e ataca;
  • Coruja Buraqueira: muito comum no Brasil, a coruja buraqueira vive em buracos feitos no solo, e não em árvores como a maioria das corujas;
  • Coruja das Torres: talvez a mais bonita entre todas, também chamada de coruja-da-igreja. É uma coruja de porte imponente e sua face que lembra um formato de coração formado pelas penugens. É uma ave de clima temperado, podendo assim ser encontrada em todos os continentes, exceto a região fria da Antártida;
  • Coruja das Neves: como o nome sugere, é encontrada em regiões frias como Alasca, Canadá, Estados Unidos e na região do Ártico.

Agora que você conhece um pouco sobre o caburé e as demais aves dessa extensa família, pode apreciar a beleza dessas corujas sempre que avistar uma por aí.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo