Laguna é o nome dado a uma depressão formada por água

Inicio » Meio Ambiente » Laguna é o nome dado a uma depressão formada por água
11/07/2019 Por
Laguna é o nome dado a uma depressão formada por água

Laguna pode ser salgada, doce ou salobra

Hidrologia é como é chamada a ciência encarregada dos estudos que tangem à dinâmica das águas. Por intermédio desta ciência são analisadas as diferentes características e ciclos da água no planeta. De modo igual, é através dela que os corpos de água existentes na Terra são diferenciados e singularizados entre si. Dentre as ambiências aquáticas estudadas pela hidrologia está a laguna, errônea e comumente confundida com lagoas e lagos.

Laguna, do latim lacūna, diz respeito aos depósitos naturais de água parada (em suma, de água doce) dos quais as dimensões são menores em comparação a um lago. Em suma, lagunas são formadas em depressões de terra, isto é, em terrenos rebaixados. Tais depressões abrigam quantidades pouco profundas de água parada, podendo ser ela salgada, salobra ou doce.

Laguna

O que é laguna?

Laguna é o termo geomorfológico utilizado para se referir a um rebaixamento coberto por água doce, salgada ou salobra. À primeira vista, lagunas podem ser localizadas em bordas litorâneas, cujo canal possibilita a comunicação com o mar. Tal composição constitui o aspecto de um “semilago”.

De forma geral, lagunas surgem na foz oceânica dos rios, onde a interação com o composto das ondas e ventos gera barras de sedimentos. Posteriormente, estas mesmas barras evoluem para esporões arenosos progressivamente maiores. Na medida em que isto acontece, a hostilidade do mar é isolada, dando espaço às águas salobras consideravelmente mais calmas e tranquilas.

Devido a um acúmulo de sedimentos paulatinamente mais volumoso, este sistema pode resultar, através da obstrução da passagem, em um complexo de lagoas. Isto é, uma série de lagunas conectadas unicamente através do lençol freático. Essa evolução é observada em alguns lugares do mundo, incluindo o Brasil.

Embora as lagunas sejam o lar de um número pouco expressivo de vegetais e animais, elas representam grande importância para as espécies e para o equilíbrio do ambiente.

Só para ilustrar, são elas as responsáveis por fornecer o sustento rico e nutritivo para a base da cadeia alimentar do oceano. Além disso, são nas lagunas que algumas das espécies marinhas procuram refúgio na época de reprodução.

Laguna

Como se forma uma laguna?

Salvo alguns padrões, as lagunas, bem como os lagos, podem surgir por várias e diversificadas razões. Entre elas, podemos citar a ação de forças tectônicas.

Conforme é sabido, tais ações tendem a criar rebaixamentos e depressões por meio das dobras na crosta terrestre. A reação disto dá origem aos domos, levantamentos divididos por bacias (depressões) nas quais uma fossa tectônica é criada e preenchida por água.

De modo similar, erupções vulcânicas podem produzir depressões na terra e dar espaço a rebaixamentos preenchidos de água. Afinal, o material vulcânico expelido durante erupções possui a capacidade de formar crateras grandes o suficiente para alcançar a marca de 1,6 km de diâmetro.

Analogamente, podemos mencionar as glaciações como geradoras de lagunas. Em resumo, o movimento de avanço e recuo dos glaciares pode resultar na desobstrução de depressões. Nesse sentido, as cavidades criadas pelo deslocamento acabam, por fim, sendo preenchidas pela água do degelo dos glaciares.

Em caráter de conclusão, podemos ainda mencionar um quarto causador identificado no desmoronamento da foz de rios. Em outras palavras, este acidente pode resultar no bloqueio da saída em uma bacia. Esse bloqueio, por sua vez, barraria o acesso do tributário, impedindo sua passagem e gerando a formação da laguna.

Diferenças entre laguna, lago e lagoa

Ao contrário do que o grosso da população acredita, laguna, lago e lagoa não são expressões sinônimas. A confusão se dá em razão da similaridade dos nomes e de alguns de seus aspectos. Entretanto, lago, lagoa e laguna são termos diferentes usados para designar três distintos acidentes geográficos.

Sendo assim, qual é, especificamente falando, a diferença entre esses três? O que difere as lagunas dos lagos e lagoas?

Inicialmente, vamos começar estabelecendo as discrepâncias e características singulares que separam a laguna das lagoas e lagos.

Em primeiro lugar, pode-se notar que tanto a lagoa quanto o lago são pedaços de terra com altura inferior a da área envolvente. Através dessa diferença de altitude, uma cavidade é formada, onde é retida e acumulada uma quantia relativa de água.

Em segundo lugar temos as lagunas, que embora tenham princípios similares aos anteriormente citados, são singularizadas por algumas particularidades. Em suma, lagunas ocupam espaços que, por si, apresentam algum caráter de ligação com o mar, interceptando com suas águas.

Dito isto, concluímos que a laguna é um centro de água salobra ou salgada cuja origem é marinha. Assim sendo, estes corpos de água, chamados de lagunas, se encontram divisados do mar por meio de ligeiras formações de rochas, recifes ou ainda barreiras feitas de areia.

Em conclusão, podemos dizer que essa é a principal característica que separa lagunas de lagos e lagoas.

Laguna

Tipos de lagunas

Embora seja diferente dos lagos e lagoas, as lagunas, tal qual eles, possui tipos distintos de formação.

Sabemos agora que as lagunas estão localizadas nas bordas litorâneas. Dessa forma, elas podem ser alimentadas através de água doce, isto é, através da água dos rios. Em outros casos, em contrapartida, as lagunas são sustentadas por intermédio das águas oceânicas e salgadas de canais e marés.

Ainda que exista um cordão litorâneo mantendo separadas as águas do mar e das lagunas, algumas dessas áreas possuem contato com as águas oceânicas. Isto é possível devido aos canais que promovem essa conexão permanente.

De fato, esse é um fator determinante para especificar o nível de sal presente nas águas de uma laguna. Afinal de contas, quanto maior for o contato com as águas oceânicas, maior será o grau de salinidade medido no corpo da água.

Esse grau cai consideravelmente nos ambientes onde a vazão para as descargas de água dos rios (água doce) é maior. Logo, nessas regiões ocorre uma menor escala de salinização na água.

Além disso, a temperatura é outro elemento que tende a influenciar a salinidade presente nos tipos de água de laguna.

Temperaturas mais quentes, ou seja, mais elevadas, proporcionam um processo mais intenso de evaporação. Em outras palavras, isso equivale a dizer que uma laguna localizada em regiões de clima quente possui uma concentração maior de sal na água.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo